Abrir menu principal
Redoble por Rancas
Rufam tambores por Rancas (PT)
Bom dia para os defuntos (BR)
Bomdiadefuntos.jpg
capa da 1ª edição brasileira
Autor(es) Manuel Scorza
Idioma Castelhano
País  Peru
Assunto Lutas do campesinato peruano dos Andes Centrais
Lançamento 1970
Edição portuguesa
Tradução Pedro Tamen
Editora Bertrand
Lançamento 1974
Páginas 294
Edição brasileira
Editora Editora Civilização Brasileira
Lançamento 1972
Páginas 227
ISBN ISBN 8520097928
Cronologia
Poesía incompleta
Garabombo o Invisivel

Redoble por Rancas (Bom dia para os defuntos BRA ou Rufam tambores por Rancas PRT), no original peruano (Editorial Planeta, 1970), é uma obra da literatura latino-americana do escritor peruano Manuel Scorza.[1]

Sobre o livroEditar

Nesta obra, Scorza nos conta os relatos da luta do povo indígena peruano, entre os anos de 1950 e 1962, onde os camponeses e montanheiros se organizaram para recuperar suas terras que foram roubadas com o apoio do governo por grandes latifundiários e por uma empresa norte-americana, a Cerro de Pasco Corporation, que estavam explorando as ricas jazidas em minérios da região do altiplano do Peru.[2] A história acaba com um desfecho trágico que resultou no massacre de camponeses revoltados com a exploração da burguesia nacional e internacional contra o povo peruano.

Em seu realismo mágico, Scorza faz um relato bastante real e comovente deste fato da história do Peru. Esta obra foi um grande sucesso no Peru e depois de sua publicação e sua enorme repercussão entre a população peruana fez com que as autoridades do país libertassem o principal líder da revolta dos camponeses, Héctor Chacón, que ficou preso durante onze anos em uma prisão localizada no meio da floresta amazônica peruana[3].

PersonagensEditar

  • A Cerca

O que vale a pena resgatar a partir Rancas é a chegada da Cerca. No romance, a própria Cerca se torna um personagem; na verdade, torna-se o príncipal antagonista do segundo linha narrativa, paralelo ao juiz Montenegro - o subofficial gananciosos e corruptos - na primeira discussão. Scorza apresenta a Cerca como um organismo invasor que rasga uma ruptura através do tecido da vida andina comum, mas o que é mais interessante é que o romance detalha da chegada do Cerca na comunidade.

A Cerca aparece pela primeira vez em um estado incipiente, transportada pela outra marca registrada da tardia chegada da modernidade a uma fronteira selvagem: a estrada de ferro. O trem "vomita" diante de dos moradores um grupo de homens desconhecidos, homens que iremos aprender mais tarde, que trabalham para o Cerro de Pasco Corporation, uma empresa de mineração multinacional[4]. Os homens descarregam rolos de arame; após um breve almoço, eles começam a cavar buracos de estacas. No início, os "ranqueños" assistem, com divertimento, a Cerca (a partir deste ponto na história, sempre capitalizada como um nome próprio) envolve o seu caminho em torno Huiska, um dos picos estéreis na região:

"Huiska é um pico pelado e estéril. Ele não esconde nenhum mineral Não tem água Nele se recusa a crescer até a grama mais miserável. Por que cercá-lo? Com o seu colar de arame farpado Huiska parecia uma vaca aperta em um curral Os comuneros quase morraram de rir " (Bom Dia para os Defuntos 24).[5]

Logo, porém, o riso dos comuneros diminuem e se silenciam, da mesma forma que a Cerca cresce quilômetros diariamente e devora tudo em seu caminho. Torna-se uma minhoca voraz, que engole lagos, picos e até mesmo cidades. Os moradores têm agora de andar quilômetros ao longo da extensão da barreira simplesmente para atravessar suas aldeias: "Agora a terra, toda a terra, estava envelhecendo como uma solteirona atrás de uma cerca que os pés de homem nenhum poderia seguir. As aldeias mais próximas estavam dias de distância. (Bom Dia para os Defuntos 181).[5]

Referências

  1. Franklin Leopoldo e Silva. «Nota sobre Manuel Scorza» (PDF). Departamento de Filosofia da USP. Consultado em 22 de março de 2013 
  2. Adriana Churampi Ramírez (2006). «A RACE OF SLEEPLESS PEOPLE BREAKS INTO HISTORY». Cultural Identity and Postmodern Writing. D’Haen, Theo and Pieter Vermeulen (Eds). Amsterdam/New York, NY: Editions Rodopi. Consultado em 23 de março de 2013 
  3. «Bom Dia Para os Defuntos - Manuel Scorza». Imprensa do Partido da Causa Operária. 14 de outubro de 2007. Consultado em 23 de março de 2013 
  4. Cerro de Pasco Corporation (1902-1974) foi uma empresa de mineração multinacional propriedade norte-americana, que exercia o controle quase monopólio sobre a mineração no Peru por uma parte significativa do século XX, até que foi nacionalizada durante o de esquerda golpe militar do general Juan Velasco Alvarado (1968-1975) De acordo com a "nota histórica", que acompanha a coleção de manuscritos Julian D. Smith na Biblioteca da Universidade de Saint Louis, "a empresa [...] consolidou a sua terra de pastagem pela expropriação da propriedade das comunidades locais.Cerro foi, portanto, acusada de ter criado um grupo de trabalho não qualificado para si mesma, forçando a população local a abandonar de sua terra " Smith foi o gerente do escritório Lima o Cerro de Pasco Corporation; um estudo comparativo de seus diários e documentais e narrativas relatos dos eventos da vida real retratados na pentalogia Guerra silenciosa de Scorza, é uma promissora, que ainda não foi explorada, linha de investigação.
  5. a b Z. Zimmer. Transmodernity (Fall 2013)
  Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.