Bruce C. Heezen

Geólogo americano

Bruce Charles Heezen ( /ˈhzən/; Vinton, 11 de abril de 1924 - Oceano Atlântico, 21 de junho de 1977) foi um geólogo americano.[1] Ele trabalhou com a cartógrafa oceanográfica Marie Tharp na Universidade de Columbia para mapear a Cadeia do Atlântico Médio na década de 1950.

Bruce C. Heezen
Nascimento 11 de abril de 1924
Vinton
Morte 21 de junho de 1977 (53 anos)
oceano
Cidadania Estados Unidos
Alma mater
Ocupação oceanógrafo, geólogo
Prêmios
Empregador Universidade Columbia

BiografiaEditar

Heezen nasceu em Vinton, Iowa. Filho único, ele se mudou aos seis anos com seus pais para Muscatine, Iowa, onde se formou no ensino médio em 1942. Ele se formou na University of Iowa em 1947. Ele recebeu seu mestrado em 1952 e um Ph.D em 1957 pela Columbia University.

Heezen colaborou extensivamente com a cartógrafa Marie Tharp. Ele interpretou seu trabalho conjunto na cordilheira do Meio-Atlântico como um suporte à Teoria da Terra em Expansão de S. Warren Carey, desenvolvida na década de 1950,[2] mas sob a influência de Tharp "eventualmente desistiu da ideia de uma Terra em expansão por uma forma continental deriva em meados da década de 1960".[3] Tharp foi assistente de Heezen enquanto ele era um estudante de graduação e deu a ela a tarefa de desenhar perfis do fundo do mar.[4] Quando ela mostrou a Heezen que sua trama do Atlântico Norte revelava um vale do Rift, Heezen descartou isso como "conversa de garotas".[5] Ela persistiu e eles finalmente descobriram que não só havia um vale do rift do Atlântico Norte, mas uma cadeia de montanhas com um vale central que se estendia por toda a terra. Eles também perceberam que os terremotos oceânicos que estudavam separadamente estavam relacionados à fenda, uma teoria revolucionária na época. Ele apresentou esta fenda no meio do oceano e a teoria dos terremotos em Princeton em 1957. Naquela palestra, o geólogo proeminente Harry Hess[6] disse a Heezen: "Jovem, você abalou os fundamentos da geologia!".

Heezen morreu de ataque cardíaco em 1977 durante um cruzeiro de pesquisa para estudar a Cadeia do Atlântico Médio perto da Islândia a bordo do submarino NR-1.[7]

Honras e prêmiosEditar

O navio de pesquisa oceanográfica USNS Bruce C. Heezen foi batizado em homenagem a ele em 1999.[10]

A geleira Heezen, na Antártica, foi nomeada em sua homenagem em 1977.[11]

Referências

  1. «Bruce C. Heezen». Physics Today. 30. 77 páginas. Novembro de 1977. doi:10.1063/1.3037805. Cópia arquivada em 28 de setembro de 2013 
  2. Oreskes, Naomi, 2003, Plate Tectonics: An Insider's History Of The Modern Theory Of The Earth, Westview Press, p. 23, ISBN 0813341329
  3. Frankel, Henry, The Continental Drift Debate, Ch. 7 in Scientific controversies, p. 226, 1987, Cambridge University Press, ISBN 978-0-521-27560-6
  4. O'Connell, Suzanne (8 de agosto de 2020). «Marie Tharp's maps revolutionized our knowledge of the seafloor». The Washington Post 
  5. Tharp, Marie (1 de abril de 1999). «Connect the Dots: Mapping the Seafloor and Discovering the Mid-ocean Ridge». Woods Hole Oceanographic Institute. Consultado em 8 de agosto de 2020 
  6. «Harry Hammond Hess | Encyclopedia.com». www.encyclopedia.com. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  7. «Marie Tharp Bio». Woods Hole Oceanographic Institution. 12 de dezembro de 2006. Consultado em 2 de junho de 2008. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2007 
  8. «Award recipients». Woods Hole Oceanographic Institution. Consultado em 7 de abril de 2017 
  9. «The Cullum Geographical Medal». American Geographical Society. Consultado em 7 de abril de 2017. Cópia arquivada em 9 de setembro de 2015 
  10. «Navy's Newest Ocean Survey Ship Will Offer Public Tours August 3 for Lamont Community August 4 & 5 at Intrepid Pier». The Earth Institute. 14 de julho de 2000. Consultado em 2 de junho de 2008. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2008 
  11. «Antarctica Detail». geonames.usgs.gov. Consultado em 9 de agosto de 2020