Cão de assistência a convulsões

Um cão de assistência a convulsões é um cão que demonstra um comportamento específico de assistência antes, durante ou imediatamente após a crise epiléptica ou outra convulsão de uma pessoa; classifica-se em cão de alerta de convulsões (em inglês, seizure-alert dog, SAD) para detecção e aviso prévio, e cão de resposta às convulsões (seizure response dog), de assistência durante a ocorrência e para pedir ajuda.[1][2][3]

Um cão de resposta a convulsões pode ser levado a restaurantes ou outras empresas.
Cão de serviço para um menino com autismo e convulsões o acalma durante a internação.

FunçõesEditar

Quando treinados com segurança, esses cães podem servir como cães de serviço para pessoas com epilepsia.[4] As tarefas para cães de assistência a convulsão podem incluir, mas não estão limitadas a:[5][6][7]

  • Encontrar alguém para ajudar
  • Ativar um sistema de resposta a emergências
  • Estimular uma pessoa a ajudá-la a "acordar" após uma convulsão
  • Usar o peso corporal para manter a pessoa em uma posição específica
  • Agir como um suporte para ajudar a pessoa
  • Buscar um telefone ou medicamento
  • Remover fisicamente o paciente de uma situação insegura (ou seja, no meio de uma rua)

Um cão que demonstra um comportamento específico antes da convulsão epiléptica de uma pessoa também é chamado de cão de alerta de convulsões.[3][8][9] Relatos sugerem que alguns cães podem ser treinados para antecipar crises epilépticas.[4][8] No entanto, essa capacidade foi questionada.[10][11][12]

A resposta e o comportamento de alerta das crises podem ocorrer espontaneamente em cães que vivem com crianças e adultos com epilepsia.[2][3][9]

Referências

  1. Regado, Bruna. (2008). Cães de Alerta e Doentes com Epilepsia. Universidade da Beira Interior. Faculdade de Ciências da Saúde: Dissertação de Mestrado.
  2. a b Di Vito L1, Naldi I, Mostacci B, Licchetta L, Bisulli F, Tinuper P (2010). «A seizure response dog: video recording of reacting behaviour during repetitive prolonged seizures». Epileptic Disord. 12 (2): 142–5. PMID 20472528. doi:10.1684/epd.2010.0313 
  3. a b c Kirton A1, Wirrell E, Zhang J, Hamiwka L (2004). «Seizure-alerting and -response behaviors in dogs living with epileptic children». Neurology. 62: 2303–5. PMID 15210902. doi:10.1212/wnl.62.12.2303 
  4. a b Kirton A1, Winter A, Wirrell E, Snead OC (2008). «Seizure response dogs: evaluation of a formal training program». Epilepsy Behav. 13: 499–504. PMID 18595778. doi:10.1016/j.yebeh.2008.05.011 
  5. «Seizure Dogs». Paws With A Cause 
  6. «Seizure response dogs with special training». Canine Assistants 
  7. «Seizure Dogs». Epilepsy foundation 
  8. a b Brown, Strong V.; Walker, R. (1999). «Seizure-alert dogs--fact or fiction?». Seizure. 8 (1): 62–5. PMID 10091851. doi:10.1053/seiz.1998.0250 
  9. a b Dalziel DJ1, Uthman BM, Mcgorray SP, Reep RL (2003). «Seizure-alert dogs: a review and preliminary study». Seizure. 12: 115–20. PMID 12566236. doi:10.1016/S105913110200225X 
  10. Doherty, M. J.; Haltiner, A. M. (23 de janeiro de 2007). «Wag the dog: skepticism on seizure alert canines.». Neurology. 68 (4). 309 páginas. PMID 17242343. doi:10.1212/01.wnl.0000252369.82956.a3 
  11. Ortiz, R.; Liporace, J. (2005). «Seizure-alert dogs: observations from an inpatient video/EEG unit». Epilepsy Behav. 6 (4): 620–622. PMID 15907758. doi:10.1016/j.yebeh.2005.02.012 
  12. Krauss, G. L.; Choi, J. S.; Lesser, R. P. (2007). «Pseudoseizure dogs». Neurology. 68: 308–309. PMID 17242342. doi:10.1212/01.wnl.0000250345.23677.6b