Código Fonético Internacional

FunçãoEditar

Nota: Não confundir com Alfabeto Fonético Internacional

Depois que o alfabeto foi desenvolvido pela Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO), foi adotado por várias organizações internacionais como a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), a União Internacional de Telecomunicações (UIT), a Organização Marítima Internacional (OMI), a Federal Aviation Administration (FAA) e o American National Standards Institute (ANSI).

Deriva-se do muito mais antigo código internacional de sinais, que originalmente abrangia sinais visuais luminosos ou por bandeiras, sinais sonoros por apitos, sirenes, buzinas e sinos, assim como um, dois ou três códigos de letras para várias frases.[carece de fontes?]

O alfabeto fonético da OTAN é o alfabeto de soletração mais utilizado no mundo. Embora chamados de "alfabetos fonéticos", alfabetos de soletração não têm conexão com sistemas de transcrição fonética como o alfabeto fonético internacional. Ao invés disso, o alfabeto da OTAN define palavras-chave para letras do alfabeto inglês por meio de um princípio acrofônico (Alpha para A, Bravo para B, etc.) para que combinações críticas de letras (e números) possam ser pronunciadas e entendidas por aqueles que transmitem e recebem mensagens de voz por rádio ou telefone, independente de seu idioma nativo, especialmente quando a segurança de navegação ou de indivíduos é essencial. É informalmente conhecido como "alfabeto Zulu" na aeronáutica brasileira.

O nome comum do alfabeto (alfabeto fonético da OTAN) surgiu pois ele aparece na publicação Allied Tactical Publication ATP-1, Volume II: Allied Maritime Signal and Maneuvering Book, usado por todas as esquadras aliadas da OTAN, que adotaram uma forma modificada do Código Internacional de Sinais. Por este último permitir que mensagens fossem transmitidas por bandeiras ou código Morse, naturalmente denominou as palavras-chave usadas para transmitir mensagens faladas de "alfabeto fonético".

Desde que os sinais usados para facilitar as comunicações e táticas navais dos Estados Unidos e da OTAN se tornaram globais, o nome "alfabeto fonético da OTAN" tornou-se um consenso. No entanto, a publicação ATP-1 é classificada como confidencial, e consequentemente não está disponível para consulta pública. Há uma versão do documento disponibilizada a marinhas estrangeiras e até mesmo hostis, que, contudo, também não pode ser divulgada. No entanto, atualmente o alfabeto fonético já aparece em outros documentos militares internacionais não secretos.

Código fonético internacionalEditar

O código fonético internacional associa respectivas letras do alfabeto a respectivas palavras. Sendo A correspondente a Alfa, B correspondente a Bravo e assim sucessivamente. Internacionalmente foi criado um alfabeto-padrão pela Organização de Aviação Civil Internacional e também adotado pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).

Letra Código Pronúncia em

português

A alpha ál
B bravo brá
C charlie cháli ou tcháli
D delta dél
E echo é
F foxtrot fóxtrot
G golf gólf
H hotel tél
I india índiá
J juliett djúliét
K kilo quí
L lima ma
M mike máic
N november vém
O oscar ós
P papa
Q quebec quêbéc
R romeo miô
S sierra sié
T tango tán
U uniform únifómm ou nifómm
V victor víc
W whiskey uísqui
X x-ray écs
Y yankee iánqui
Z zulu lu

Algarismos[editar | editar código-fonte]Editar

Número Código Pronúncia em português
0 zero
1 one uán
2 two
3 three trí
4 four â
5 five fáif
6 six sícs
7 seven sévân
8 eight êit
9 nine nái

Radioamadorismo e outros utilizadoresEditar

O código fonético internacional é muito utilizado por radioamadores do mundo inteiro em troca de informações e mensagens tanto em curta distâncias quanto em longas distâncias. Além dos operadores de estações amadoras de radiocomunicação, O Código é utilizado por serviços diversos, tanto civis quanto militares, profissionais e empresas de comunicações ou que utilizam a radiocomunicação como meio de contato entre seus integrantes.