CLEO (detector de partículas)

O detector CLEO era um detector de partículas[1][2][3] para uso geral no Anel de Armazenamento de Elétrons de Cornell, CESR - "Cornell Electron Storage Ring" (em inglês) - e o nome da colaboração de físicos que operavam o detector. O nome CLEO não é um acrônimo; é abreviação para Cleópatra e foi escolhido para fazer um par com o CESR (pronuncia-se César em inglês)).[4] O CLEO era um detector hermético que em todas as suas versões consistia em um sistema de rastreamento dentro de um ímã solenóide, um calorímetro, sistemas de identificação de partículas e um detector de múons.[5][6][7][8]

HistóriaEditar

Proposta e construçãoEditar

A Universidade de Cornell construiu uma série de síncrotrons desde a década de 1940. O síncrotron de 10 GeV em operação durante a década de 1970 realizou uma série de experimentos, mas funcionou com energia muito menor do que o acelerador linear de 20 GeV no SLAC.[9][10] O destaque da era CLEO I.V foi a observação de decaimentos semi-leptônicos B para estados finais sem charme,[11][12] and Υ(2S)[13][14] submetidos menos de três semanas antes de uma observação similar de ARGUS.[15] O desligamento para a instalação do DR2 permitiu que o ARGUS vencesse o CLEO para a observação da mistura B, que era a medida mais citada de qualquer um dos experimentos B simétricos.[16]

CLEO IIEditar

CLEO encerrou em abril de 1988 para iniciar o restante da instalação do CLEO II e finalizou a atualização em agosto de 1989.[17]

CLEO-IIIEditar

A segunda fase da atualização incluiu novos quadrupolos supercondutores perto do detector. Os detectores VD e DR2 precisariam ser substituídos para dar espaço aos ímãs quadrupolares. Um novo detector de silício e uma câmara de identificação de partículas também seriam incluídas na configuração do CLEO-III.

O programa começou revisitando os estados abaixo do limiar do mesão B e os últimos dados coletados com o detector CLEO-III estavam nas ressonâncias Υ (1-3S).

CLEO-cEditar

O CLEO-c era a versão final do detector, e foi otimizado para receber dados nas reduzidas energias de feixe necessárias para estudos do quark charme. Ele substituiu o detector de silício CLEO III, que sofria de eficiência menor do que o esperado, com uma câmara de deslocamento estéreo (ZD) de seis camadas. O CLEO-c também operou com o ímã solenóide em um campo magnético reduzido de 1 T para melhorar a detecção de partículas carregadas de baixo momento. As baixas multiplicidades de partículas nessas energias permitiram a reconstrução eficiente dos mesons D. CLEO-c mediu as propriedades dos mesons D que serviram como entradas para as medições feitas pelas fábricas B. Ele também mediu muitos dos estados de quarkonia que ajudaram a verificar os cálculos de QCD da rede.

Referências

  1. Jones, R. Clark (1949). «A New Classification System for Radiation Detectors». Journal of the Optical Society of America. 39 (5): 327–341. doi:10.1364/JOSA.39.000327 
  2. Jones, R. Clark (1949). «Erratum: The Ultimate Sensitivity of Radiation Detectors». Journal of the Optical Society of America. 39 (5): 343. doi:10.1364/JOSA.39.000343 
  3. Jones, R. Clark (1949). «Factors of Merit for Radiation Detectors». Journal of the Optical Society of America. 39 (5): 344–356. doi:10.1364/JOSA.39.000344 
  4. Berkelman (2004) p. 24
  5. CLEO I NIM
  6. CLEO II NIM
  7. Hopman, P.; et al. (1996). «Optimization of silicon microstrip detector design for CLEO III». Nuclear Instruments and Methods in Physics Research Section A. 383 (1): 98–103. Bibcode:1996NIMPA.383...98H. doi:10.1016/S0168-9002(96)00662-6 
  8. Peterson, D. (1998). «Construction of the CLEOIII tracking system: Silicon vertex detector and drift chamber». Nuclear Instruments and Methods in Physics Research Section A. 409 (1–3): 204–209. Bibcode:1998NIMPA.409..204P. doi:10.1016/S0168-9002(98)00078-3 
  9. Augustin, J.; et al. (1974). «Discovery of a Narrow Resonance in e+e Annihilation». Physical Review Letters. 33 (23): 1406–1408. Bibcode:1974PhRvL..33.1406A. doi:10.1103/PhysRevLett.33.1406 
  10. Aubert, J.; et al. (1974). «Experimental Observation of a Heavy Particle J». Physical Review Letters. 33 (23): 1404–1406. Bibcode:1974PhRvL..33.1404A. doi:10.1103/PhysRevLett.33.1404 
  11. Berger, C.; et al. (1978). «Observation of a narrow resonance formed in e+e annihilation at 9.46 GeV». Physics Letters B. 76 (2): 243–245. Bibcode:1978PhLB...76..243B. doi:10.1016/0370-2693(78)90287-3 
  12. Darden, C.; et al. (1978). «Observation of a narrow resonance at 9.46 GeV in electron–positron annihilations». Physics Letters B. 76 (2): 246–248. Bibcode:1978PhLB...76..246D. doi:10.1016/0370-2693(78)90288-5 
  13. Bienlein, J.; et al. (1978). «Observation of a narrow resonance at 10.02 GeV in e+e Annihilations». Physics Letters B. 78 (2–3): 360–363. Bibcode:1978PhLB...78..360B. doi:10.1016/0370-2693(78)90040-0 
  14. Darden, C.; et al. (1978). «Evidence for a narrow resonance at 10.01 GeV in electron–positron annihilations». Physics Letters B. 78 (2–3): 364–365. Bibcode:1978PhLB...78..364D. doi:10.1016/0370-2693(78)90041-2 
  15. Berkelman (2004) pp. 134-146
  16. Albrecht, H.; et al. (1987). «Observation of B0Predefinição:Overline0 mixing». Physics Letters B. 192 (1–2): 245–252. Bibcode:1987PhLB..192..245A. doi:10.1016/0370-2693(87)91177-4 
  17. Berkelman (2004) p. 66
  Este artigo sobre aceleradores é um esboço relacionado ao Física moderna. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.