Caio Papírio Crasso

Caio Papírio Crasso (em latim: Caius Papirius Crassus) foi um político da gente Papíria nos primeiros anos da República Romana, eleito tribuno consular em 384 a.C..

Caio Papírio Crasso
Tribuno consular da República Romana
Tribunato 384 a.C.

Tribunato consular (384 a.C.)Editar

Em 384 a.C., foi eleito novamente, desta vez com Marco Fúrio Camilo, Sérvio Sulpício Rufo, Públio Valério Potito Publícola, Sérvio Cornélio Maluginense e Tito Quíncio Cincinato Capitolino.[1]

O ano de 384 a.C. foi marcado pelo processo contra Marco Mânlio Capitolino e que terminou, tragicamente, com sua condenação à morte na Rocha Tarpeia.[2] Marco era um grande adversário de Camilo e o acusava de querer ser rei, justamente a acusação que o levaria à morte.

Ver tambémEditar

Tribuno consular da República Romana
 
Precedido por:
'Aulo Mânlio Capitolino II

com Lúcio Quíncio Cincinato Capitolino
com Tito Quíncio Capitolino II?
com Públio Cornélio II
com Lúcio Papírio Cursor II
com Cneu Sérgio Fidenato Cosso II

Sérvio Cornélio Maluginense II
384 a.C.

com Públio Valério Potito Publícola II
com Marco Fúrio Camilo V
com Sérvio Sulpício Rufo II
com Caio Papírio Crasso
com Tito Quíncio Cincinato Capitolino II (III?)

Sucedido por:
'Sérvio Sulpício Rufo III

com Lúcio Emílio Mamercino IV
com Aulo Mânlio Capitolino III
com Lúcio Lucrécio Tricipitino Flavo III
com Lúcio Valério Publícola IV
com Marco Trebônio


Referências

  1. Lívio, Ab Urbe Condita VI, 2, 18.
  2. Lívio, Ab Urbe Condita VI, 2, 18-20.

BibliografiaEditar

  • T. Robert S., Broughton (1951). «XV». The Magistrates of the Roman Republic. Volume I, 509 B.C. - 100 B.C. (em inglês). I. Nova Iorque: The American Philological Association. 578 páginas