Caixão

recipiente para o transporte e enterro de um cadáver
Caixão
Tipo
recipiente funerário (d)
mobiliário
Características
Material
Composto de
tampa de caixão (d)
Utilização
Uso

Um caixão, também conhecido por ataúde, esquife, féretro ou urna funerária, é uma caixa ou recipiente resistente e impermeável, provido em seu interior de material absorvente, usada para acondicionamento, transporte e sepultamento de restos mortais humanos. Em casos de cremação, as cinzas resultantes da incineração e moagem dos ossos, são guardadas em um receptáculo denominado urna cinerária.[1]

Historia editar

 
O lado de um antigo sarcófago egípcio
 
Caixões num mausoléu do Cemitério da Recoleta, Buenos Aires
 
Caixão de bronze, período dos Reinos Combatentes

A evidência mais antiga de restos de caixão de madeira, datada de 5 000 a.C., foi encontrada na Tumba 4 em Beishouling, Shaanxi. Evidências claras de um caixão de madeira retangular foram encontradas na Tumba 152 em um antigo local de Banpo. O caixão de Banpo pertence a uma menina de quatro anos; mede 1,4 m (4,6 pés) por 0,55 m (1,8 pés) e 3–9 cm de espessura. Até 10 caixões de madeira foram encontrados no local da cultura Dawenkou (4 100–2 600 a.C.) em Chengzi, Shandong.[2][3] A espessura do caixão, determinada pelo número de molduras de madeira em sua composição, também enfatizava o nível de nobreza , conforme mencionado no Clássico dos Ritos,[4] Xunzi[5] and Zhuangzi.[6] Exemplos disso foram encontrados em vários sítios neolíticos: o caixão duplo, o mais antigo dos quais foi encontrado no local da cultura Liangzhu (3400–2250 a.C.) em Puanqiao, Zhejiang, consiste em um caixão externo e um interno, enquanto o caixão triplo, com suas primeiras descobertas nos locais da cultura Longshan (3 000–2 000 a.C.) em Xizhufeng e Yinjiacheng em Shandong, consiste em dois caixões externos e um interno.[7]

Cremação editar

Com o ressurgimento da cremação no mundo ocidental, os fabricantes começaram a oferecer opções para quem escolhe a cremação. Alguns optam por usar um caixão feito de madeira ou outros materiais. Outros alugarão um caixão regular durante os serviços. Esses caixões têm um leito removível e forro que é substituído após cada uso. Há também caixões de aluguel com uma casca externa que se parece com um caixão tradicional e uma caixa de papelão que cabe dentro da casca. Ao final dos serviços a caixa interna é retirada e o falecido é cremado dentro desta caixa.[8][9] A cremação deixa para trás uma média de 2,4 kg de restos conhecidos como "cinzas" ou "cremas". Isso não é tudo cinza , mas inclui fragmentos não queimados de mineral ósseo, que são comumente moídos em pó.

Ver também editar

Referências

  1. Urna funerária Site do Governo do estado de São Paulo
  2. Wang (1997), 93–96.
  3. Underhill (2002), 106.
  4. Legge (2004), 525.
  5. Watson (2003), 101.
  6. Mair (1997), 336.
  7. Luan (2006), 49–55.
  8. «Como funciona a indústria da cremação e por que ela prospera no mundo todo». Época. 6 de dezembro de 2018. Consultado em 15 de abril de 2023 
  9. «Cremation». orthodoxinfo.com. Consultado em 15 de abril de 2023 

Bibliografia editar

  • Regula Tschumi: "The Figurative Palanquins of the Ga. History and Significance", in: African Arts, Vol. 46, Nr. 4, 2013, pp. 60–73.
  • Roberta Bonetti" Alternate Histories of the Abebuu Adekai". African Arts, Vol. 43, No. 3, 2010, pp. 14–33.
  • Thierry Secretan: Going into darkness: Fantastic coffins from Africa. London 1995.
  • Regula Tschumi: The Buried Treasures of the Ga. Coffin Art in Ghana. Benteli, 2008. ISBN 978-3-7165-1520-4.
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Caixão