Abrir menu principal
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde julho de 2015).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Dezembro de 2012). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde fevereiro de 2008). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.

O calendário egípcio é considerado um dos primeiros calendários conhecidos da história da humanidade e, está ligado com a sua ocupação nas margens do rio Nilo[1]. A cerca de 11 mil anos A.C., algumas plantas foram domesticadas na Ásia e a agricultura de pequena escala teve início no Egito em torno de 7000 a.C.[2]. Imagina-se que a razão dos egípcios criarem o calendário deva-se à necessidade de se preparar para a época de plantio nas imediações do rio Nilo, ou Aur ou Ar, que significa negro, numa alusão à terra negra trazida pelo rio no regime das cheias. Esta terra é bastante fértil e que serve como adubo natural ao solo.

HistóriaEditar

Na pré-história evidências mostram que o Homem de Neandertal já usava o Calendário lunar, baseado no Período sinódico da Lua e que dura 29,53059 dias. Uma destas evidências é o osso de Ishango. Uma análise detalhada foi feita por Singh[3]. Outra evidência são as pinturas rupestres encontradas na caverna de Lascaux na França. Uma das razões para se acreditar nesta hipótese está relacionada com a própria palavra Mês, ou em inglês, "Month" e que está associado com a palavra Lua, em inglês "Moon". Inicialmente o ano lunar, para os egípcios era composto de 12 aparições da Lua, perfazendo 29,5x12=354 dias.

O regime de águas do Rio Nilo pode ser dividido em três partes: o período das cheias, o período de plantio e o período da colheita. Como elas são periódicas, ou seja, são cíclicas, estes ciclos levaram à criação do calendário egípcio. Cada um destes ciclos durava quatro meses.

Os egípcios perceberam que as cheias do rio Nilo coincidiam com o nascimento helieia da estrela Sirius, que fica na constelação do Cão Maior ou Canis Major. À medida que o Sol surgiu no horizonte o brilho da estrela era atenuada. Desta forma, os egípcios alteraram o calendário ajustando-o com este evento, sendo o primeiro dia do ano criando o calendário solar.

As evidências estão presentes no Papiro de Carlsberg I que é uma cópia do livro de Nut[4], deusa do céu, cujos desenhos estão presentes nos túmulos dos faraós Seti I e Ramessés IV. Este documento diz que, depois do desaparecimento por 70 dias de "Soped" no céu ocidental, ele reaparece ao lado do deus Quepri.

Segundo a mitologia, a estrela Sirius é chamada "Soped" que representa o deus Osíris, o símbolo da realeza, que representa a vegetação e a vida no Além. Assim sendo, o nascimento helíaco de Sirius repete-se ano após ano com a periodicidade próxima do ano trópico, ou seja, em data fixa durante 3000 anos. De acordo com este calendário, o ano era dividido em 12 meses de 30 dias acrescido de 5 dias especiais para homenagear os deuses Hórus, Seti, Ísis e Osíris.

Estas estações estão associadas com a época das inundações (Akhet), a época do plantio e cultivo dos grãos (Peret) e a época da colheita (Shemou). Cada estação tinha 12 décadas, agrupadas em meses com trinta dias. Motivados pela observação dos astros, eles perceberam que havia uma defasagem de 11 1/4 dias ao ano. Desta forma os egípcios acrescentaram mais 5 dias, considerados sagrados para homenagear os deuses, chamados heryou-renpet, ou seja, "os dias que estão para lá do ano" chamados pelos gregos de Epagómenes.

O calendário egípcio sofreu uma alteração substancial Ptolomeu III Evérgeta através do Decreto de Canopo em 238 a.C., baseando-se no calendário juliano.[5] Sua reforma foi primeiramente rejeitada pelos sacerdotes locais, pois que apenas seria adotada de fato em 25 a.C., por decreto de Augusto, dando origem ao calendário copta.

Nomes dos MesesEditar

Abaixo segue a nomenclatura empregada pelos egípcios, comparada com nomes do calendário copta.

Meses
No. Nomes das Estações Império Médio Império Novo Grego copta Árabe Egípcio
I Primeiro de Akhet Tekh Dhwt Thoth Thout Tout
II Segundo de Akhet Menhet Pa-n-ip.t Phaophi Paopi Baba
III Terceiro de Akhet Hwt-hwr Hwt-hwr Athyr Hathor Hatour
IV Quarto de Akhet Ka-hr-ka Ka-hr-ka Choiak Koiak Kiahk
V Primeiro de Peret Sf-bdt Ta-'b Tybi Tobi Touba
VI Segundo de Peret Rekh wer Myr Mechir Meshir Amshir
VII Terceiro de Peret Rekh neds Pa-n-amn-htp.w Phamenoth Paremhat Baramhat
VIII Quarto de Peret Renwet Pa-n-rnn.t Pharmouthi Paremoude Baramouda
IX Primeiro de Shemu Hnsw Pa-n-ns.w Pachon Pashons Bashans
X Segundo de Shemu Hnt-htj Pa-n-in.t Payni Paoni Ba'ouna
XI Terceiro de Shemu Ipt-hmt Ipip Epiphi Epip Abíb
XII Quarto de Shemu Wep-renpet Msw-r' Mesore Mesori Mesra

Referências