Abrir menu principal
Campanha das Ilhas do Almirantado
Guerra do Pacífico
First Wave at Admiralty Islands.jpg
Os primeiros norte-americanos desembarcando em Los Negros, Ilhas do Almirantado, 29 de fevereiro de 1944.
Data 29 de Fevereiro de 1944
Local Ilhas do Almirantado
Desfecho Vitória Aliada
Beligerantes
Flag of the United States (1912-1959).svg Estados Unidos
 Austrália
Japão Império do Japão
Comandantes
Flag of the United States (1912-1959).svg Douglas MacArthur
Flag of the United States (1912-1959).svg William C. Chase
Hitoshi Imamura
Yoshio Ezaki  
Forças
35,000 4,000
Baixas
326 mortos
1,190 feridos
4 desaparecidos
3,280 mortos
75 capturados

A Campanha das Ilhas do Almirantado (Operação Brewer) foi uma série de batalhas na Campanha da Nova Guiné na Segunda Guerra Mundial em que a 1ª Divisão de Cavalaria do Exército dos Estados Unidos ocuparam as Ilhas do Almirantado, então possessão japonesa.

Baseando em relatórios de aviadores que diziam não haver sinais de atividade inimiga e que as ilhas pudessem ter sido evacuadas, o General Douglas MacArthur acelerou seu calendário para ocupar as Ilhas do Almirantado e ordenou um reconhecimento imediato. A campanha começou em 29 de fevereiro de 1944 quando uma força desembarcou na Ilha de Los Negros, a terceira maior ilha do arquipélago. Usando uma pequena praia isolada, onde os japoneses não previram o assalto, a força conseguiu ataques rápidos e de surpresa, mas as ilhas se mostraram estar longe de desocupadas.

No final, supremacia aérea e controle marítimo permitiram aos Aliados reforçar fortemente a sua posição na Ilha de Los Negros. A 1ª Divisão de Cavalaria pode, então, invadir as ilhas. A campanha terminou oficialmente em 18 de Maio de 1944. A vitória dos Aliados completou o isolamento da base japonesa em Rabaul, que era o objetivo final das campanhas aliadas de 1942 e 1943. Após o término, foi desenvolvida nas Ilhas do Almirantado uma das principais bases aéreas e navais dos aliados, se tornando um importante ponto de partida para as campanhas de 1944, no Pacífico.

CenárioEditar

GeografiaEditar

 
Plano Elkton III, Março de 1943. As Ilhas do Almirantado estão no centro, no topo do mapa.

As Ilhas do Almirantado se localizam a 320 km ao nordeste de Nova Guiné, 580 km a oeste de Rabaul, e apenas dois graus ao sul da linha do Equador . O clima é tropical, com temperaturas constantemente altas, alta umidade e uma precipitação anual de 3,900 mm. De dezembro a maio é a estação da monção noroeste, com ventos habituais daquele local.[1]

A maior ilha do grupo é a Ilha Manus, com comprimento de aproximadamente 79 km de leste a oeste e largura de 26 km de norte a sul.[2] O interior da Ilha é montanhoso, com picos que superam 910 m, cobertos com densa floresta tropical. Ao longo de sua costa inexplorada, existem inúmeros recifes e a vegetação nativa consistia particularmente de mangues. A ilha contém dois portos importantes para a região, Papitai na costa oeste, que se conecta ao Porto Seeadler, e Hyane na costa leste. Los Negros é separada de Manus por um estreito cordão de areia com 46 m de largura, conhecido como Passagem de Loniu, onde nativos usavam canoas para se transportarem entre os dois portos.[3] Los Negros é curvada como uma ferradura, formando um quebra-mar natural para o Porto Seeadler, que tem cerca de 32 km de comprimento de leste a oeste e 9,7 km de largura de norte a sul, com acesso marítimo de 37 m de profundidade.[4]

Planos dos AliadosEditar

 
Vice-Almirante Thomas C. Kinkaid (centro-esquerda) com o General Douglas MacArthur (centro) sobre o USS Phoenix durante o bombardeio de pré-invasão da Ilha de Los Negros.

Em julho de 1942, o Estado-Maior Conjunto dos Estados Unidos aprovou uma série de operações contra o reduto japonês em Rabaul, que bloqueava qualquer avanço aliado ao longo da costa norte da Nova Guiné para as Filipinas ou para o norte em direção a principal base naval japonesa em Chuuk. Mantendo a estratégia militar chamada Europa Primeiro firmada entre os aliados, o objetivo imediato dessas operações não era a derrota do Japão, mas apenas a redução da ameaça representada pelos aviões japoneses e navios de guerra com base em Rabaul às comunicações aéreas e marítimas entre o Estados Unidos e Austrália. Por acordo entre as nações aliadas em 1942 o Teatro de Operações do Pacífico foi dividido em Área do Sudoeste do Pacífico, comandada pelo General Douglas MacArthur e Área do Oceano Pacífico, comandada pelo Almirante Chester Nimitz. Rabaul estava dentro da área de MacArthur, mas os ataques iniciais ao sul, nas Ilhas Salomão vieram sob ordens de Nimitz.[5] A reação japonesa foi mais violenta do que o previsto e alguns meses se passaram antes que a Batalha de Guadalcanal se findasse. Enquanto isso, as forças de MacArthur (maioria australiana), lutou contra ofensivas japonesas em uma série de batalhas na Papua, como a Campanha da Trilha de Kokoda, a Batalha da Baía Milne, a Batalha de Buna-Gona e a Batalha de Wau.[6]

Na Conferência Militar do Pacífico, em março de 1943, o Estado-Maior Conjunto dos Estados Unidos aprovou a última versão do Plano Elkton, feito pelo general MacArthur, para um avanço à Rabaul. Devido à escassez de recursos e munições, especialmente para aeronaves (bombardeiros), a fase final do plano, que era a captura de Rabaul, foi adiada até 1944.[7] Em julho de 1943 a neutralização de Rabaul, ao contrário da ocupação proposta no plano inicial, foi considerada como uma possibiliadade, mas a Marinha ainda precisava de uma base para suas frotas.[8] As Ilhas do Almirantado, que já eram parte do Plano Elkton III, poderiam servir a este propósito, uma vez que continham áreas planas para pistas de pouso, espaço para instalações militares, e o Porto Seeadler, que era grande o suficiente para acomodar uma força-tarefa naval. Em 6 de agosto de 1943, o Estado-Maior Conjunto aprovou um plano que solicitava somente a neutralização de Rabaul, e programou a invasão das Ilhas do Almirantado para 1 de Junho de 1944.[9]

Ao longo de janeiro de 1944, aviões da AirSols baseados nas Ilhas Salomão e da Força Aérea Real Australiana com base em Kiriwina mantiveram os ataques aéreos contra Rabaul. Sob pressão constante e implacável, a defesa aérea japonesa começou a enfraquecer, permitindo que a aterrissagem fosse feita em 15 de Fevereiro nas Ilhas Green, na Papua-Nova Guiné, que se encontram a pouco mais de 160 km de Rabaul.

NotasEditar

  1. Frierson, The Admiralties: Operations of the 1st Cavalry Division, pp.6–7
  2. Morison, Breaking the Bismarcks Barrier, p. 432
  3. Frierson, The Admiralties: Operations of the 1st Cavalry Division, pp.6–7
  4. Frierson, The Admiralties: Operations of the 1st Cavalry Division, pp. 4–5.
  5. Miller, Cartwheel: The Reduction of Rabaul, pp. 1–2.
  6. Miller, Cartwheel: The Reduction of Rabaul, pp. 5–6.
  7. Hayes, The History of the Joint Chiefs of Staff in World War II: The War Against Japan, pp. 312–334.
  8. Hayes, The History of the Joint Chiefs of Staff in World War II: The War Against Japan, pp. 425–430.
  9. Hayes, The History of the Joint Chiefs of Staff in World War II: The War Against Japan, pp. 427–430.