Germaine Williams nascido em Kingston, mais conhecido pelo seu nome artístico Canibus, é um rapper e ator americano que nasceu na Jamaica. Sua trajetória iniciou nos anos 90, quando ficou conhecido por sua habilidade no Freestyle rap. Eventualmente, Canibus lançou seu primeiro album Can-I-Bus em 1998. O website About.com classificou Canibus em 32 na sua lista de "Top 50 MCs da Nossa Época (1987-2007)". A revista The Source colocou Canibus em 44 na lista "Top 50 Compositores de Todos os Tempos".[1][2]

Canibus
Informação geral
Nome completo Germaine Williams
Nascimento 09 de dezembro de 1974 (47 anos)
Local de nascimento Kingston, Jamaica
 Jamaica
Gênero(s) Rap, Hip Hop
Instrumento(s) Vocal
Período em atividade 1993 - presente
Afiliação(ões) Lost Boyz, Wyclef Jean

BiografiaEditar

Germaine Williams nasceu em 9 de dezembro de 1974, em Kingston, Jamaica. Ele é descendente de jamaicanos. Seu pai, Basil Williams, era um jogador de críquete jamaicano e das Índias Ocidentais. A sua família mudava-se com frequência, sendo que moraram no Bronx, Newark, New Jersey, Washington DC, Atlanta, Miami, Búfalo, e Londres, por causa da carreira de sua mãe exigindo constante relocação. Canibus afirmou que ele era uma criança introvertida enquanto crescia. Após concluir o ensino médio em 1992, ele passou um ano trabalhando para a AT&T Corporation e outro ano como analista de dados para o Departamento de Justiça dos EUA. Seu interesse por computadores e pela Internet o levou a estudar ciência da computação no DeKalb College em Atlanta.[3]

Canibus começou a rimar no início dos anos 1990 e em 1992 com o nome de Canibus Sativa, e formou uma dupla chamada T.H.E.M. (The Heralds of Extreme Metaphors) com o rapper Webb de Atlanta (agora chamado C.I., também conhecido como Central Intelligence).[4]

Em 1996, T.H.E.M. se dividiu e a Canibus se uniu ao empresário Charles Suitt. Naquele mesmo ano, Charles Suitt apresentou Canibus ao produtor de platina Frankie Cutlass e os dois colaboraram em uma música. Canibus também apareceu no remix "Music Makes Me High" do Lost Boyz com Tha Dogg Pound, tornando-se a primeira participação oficial de Canibus em um disco.

Em dezembro de 1997, Canibus discutiu publicamente pela primeira vez um confronto verbal com LL Cool J em uma entrevista com Tourè para The Village Voice. Também participaram da entrevista John Forté, DMX, Big Pun, Mos Def e Mic Geronimo. A discussão da mesa redonda foi gravada por Kurt Nice e apresentada na compilação de "Shades of Hip Hop Hot 2 Def" em 1998 e relançada em 2004 em "Shades of Hip Hop: The Cypher".

O álbum de estreia do Canibus, Can-I-Bus, foi lançado em 8 de setembro de 1998. A música "Second Round K.O.", produzida por Wyclef Jean, foi um sucesso, com o vídeo apresentando Wyclef e uma participação especial do boxeador Mike Tyson. Apesar de eventualmente ter sido certificado Ouro, o álbum receubeu diversas críticas negativas em relação aos assuntos abordados por Canibus e os beats de Wyclef, a maioria das quais foram consideradas inferiores a ambos "Second Round K.O." e as colaborações anteriores dos artistas.

O álbum continha muito material de consciência social, como corrupção dentro do governo dos EUA, AIDS e violência na América moderna.[5]

Canibus teve uma rivalidade com LL Cool J por causa de um verso que Canibus deu na faixa "4,3,2,1" de LL de seu álbum Phenomenon. A faixa contou com Canibus, Method Man, Redman e DMX. O verso de Canibus começou com a linha "Ei, LL, isso é um microfone no seu braço? Deixe-me pegar emprestado", referindo-se à tatuagem do microfone no braço de LL Cool J, sendo que LL Cool J interpretou como um insulto Canibus. Quando a versão final da música saiu, apresentava o verso de LL Cool J após o de Canibus, zombando de uma pessoa não especificada que aparentava ser Canibus.

ObrasEditar

Discos SoloEditar

  • Can-I-Bus (1998)
  • 2000 B.C. (Before Can-I-Bus) (2000)
  • C! True Hollywood Stories (2001)
  • Mic Club: The Curriculum (2002)
  • Rip the Jacker (2003) (produzido por Stoupe the Enemy of Mankind)
  • Mind Control (2005)
  • Hip-Hop for Sale (2005)
  • For Whom the Beat Tolls (2007)
  • Melatonin Magik (2010)
  • (C of Tranquility (2010)
  • Lyrical Law (2011)
  • Fait Accompli (2014)
  • Time Flys, Life Dies... Phoenix Rise (2015) (produzido por Bronze Nazareth)
  • Kaiju (2021) (produzido por Body Bag Ben)

EPsEditar

  • Canibus & Keith Murray Are The Undergods (2009) (com Keith Murray, como The Undergods)
  • Historic EP (2014) (com Killah Priest, Kurupt & Ras Kass, como HRSMN)
  • Full Spectrum Dominance (2018)
  • Full Spectrum Dominance 2 (2018)
  • Matrix Theory I (2018) (com Marty McKay)
  • Full Spectrum Dominance 3 (2019)
  • Matrix Theory II (2019) (com Marty McKay)
  • Full Spectrum Dominance: Repolarization (2019)
  • Matrix Theory III (2019) (com Marty McKay)
  • Matrix Theory IV (2020) (com Marty McKay)
  • Matrix Theory V (2021) (com Marty McKay)

Projetos ColaborativosEditar

  • The Horsemen Project (2003) (com Killah Priest, Kurupt & Ras Kass, como The Four Horsemen)
  • Def Con Zero (2005) (com Phoenix Orion, como Cloak N Dagga)
  • In Gods We Trust – Crush Microphones to Dust (2011) (com Keith Murray, como The Undergods)
  • Lyrical Warfare (2011) (com Webb, como T.H.E.M.; gravado em 1993 até 1995)
  • The 2nd Coming (2013) (com Bronze Nazareth, Cappadonna, M-Eighty, Nino Grave & Planet Asia, como Almighty)
  • The Last Ride (2021) (com Killah Priest, Kurupt & Ras Kass, como HRSMN)
  • Microphone Land (2021) (com Jaximus)

FilmesEditar

  • Eyes on Hip Hop (1995)
  • Bamboozled (2000)
  • Beef II (2004)
  • The MC: Why We Do It (2005)

Referências

  1. «The 50 Greatest Rappers of All Time». About.com. Consultado em 12 de junho de 2021 
  2. «The Source's Top 50 Lyricists Of All Time». The Source. Consultado em 12 de julho de 2020 
  3. «Canibus». Allmusic. Consultado em 22 de agosto de 2020 
  4. «Canibus Biography». Rap Artists. Consultado em 14 de maio de 2021 
  5. «Canibus Interview». Riotsound.com. Consultado em 22 de setembro de 2020 

Ligações externasEditar