Carranca

Carranca é uma escultura com forma humana ou animal, produzida em madeira e utilizada a princípio na proa das embarcações que navegam pelo Rio São Francisco.

Uma carranca

HistóriaEditar

As primeiras referências às carrancas datam de 1888 em livros de Antônio Alves Câmara[1][2] e Durval Vieira de Aguiar.[3] As carrancas eram construídas a princípio com um objetivo comercial, pois a população ribeirinha dependia do transporte de mercadorias pelo rio, e os barqueiros utilizavam as carrancas para chamar a atenção para sua embarcação. Em certo momento, a população ribeirinha passou a atribuir características místicas de afugentar maus espíritos às carrancas. Esta atribuição colocava em segundo plano o aspecto artístico da produção das carrancas, ou seja, como forma de manifestação cultural popular de uma região brasileira. Elas tinham um significado importante para as embarcações: Elas espantavam maus espíritos, ajudavam para que a embarcação não afundasse, livravam das tempestades e atraiam muitos peixes; por esse motivo Luís da Câmara Cascudo as chamavam, na obra Dicionário do Folclore Brasileiro de: as gárgulas brasileiras.[4][5][6]

Figura, figura de proa e leão de barca também eram termos utilizados pelos remeiros para designar as carrancas.[7]

Os principais pólos de produção e comercialização de carrancas são as cidades de Juazeiro (Bahia) e Santa Maria da Vitória na Bahia, Petrolina em Pernambuco, Pirapora em Minas Gerais.

Carrancas do Rio São FranciscoEditar

MisticismoEditar

Os primeiros registros de carrancas no Brasil, mas precisamente no Vale do rio São Francisco, datam da segunda metade do século XIX, com indícios desses ornamentos em embarcações que circulavam pelo São Francisco, rio que corta os Estados de Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Sergipe e Alagoas. Amuleto original do Brasil, é utilizado em barcos do Vale do São Francisco com a pretensão espantar maus espíritos das águas como a mãe d’água, o nego d'água e o surubim-rei que são lendas populares da região. Embarcações tradicionais do São Francisco figuram como as únicas embarcações a apresentar, em culturas ocidentais, carrancas na proa. Não há definição sobre ser sua origem ameríndia ou negra.[8]

Uma corrente vai de encontro à lenda do Nego D'água, também conhecido como Caboclo D"água, espírito maligno que afunda embarcações. A carranca então passou a ser colocada na frente das embarcações como forma de repelir o Nego D'água. Com o passar do tempo o ornamento passou a constituir uma expressão de arte popular.[9]

A carranca também é encontrada em algumas religiões africanas e de origem africana como o Candomblé e a Umbanda. Na Umbanda está ligada a Exu que afasta energias negativas e mau olhado. Podendo significar tanto o orixá Exu quanto um amuleto contra mau olhado.[10]

A palavras carranca e carrancudo/carrancuda também pode significar mal humor, feição fechada de uma pessoa. "Ela está com a carranca hoje!". "Que carrancudo!"[11]

O Padre e a MoçaEditar

Mais uma lenda que remete à carranca é a história de amor entre um padre e uma mulher. Não prosseguindo com o romance e consumido pelo amor, ódio, ciúmes e sede de vingança o padre transformou-se em uma carranca.[12]

Outros Tipos de CarrancasEditar

DrakkarEditar

O mais famoso navio de guerra construído pelos vikings, Drakkar, conhecido como terror dos mares, possuía uma espécie de carranca na proa. O nome Drakkar é devido às cabeças de dragão esculpidas na proa da embarcação para aterrorizar os inimigos.[13]

 
Um drakkar (dragão), espécie de carranca, usada em navios vikings

HannyaEditar

De origem japonesa e muitas vezes ligada ao Teatro profissional japonês, há outras origens e significados para essa máscara de cores e formas variadas e sempre com expressões exageradas. Mas seguindo a vertente de origem no teatro japonês Nô, o Hannya é um exemplo entre os diversos tipos de máscaras usados pelos atores do Nô. Especificamente, a máscara do Hannya representa uma mulher vingativa e ciumenta.[14]

A palavras carranca e carrancudo/carrancuda também pode significar mal humor, feição fechada de uma pessoa. "Ela está com a carranca hoje!". "Que carrancudo!"[11][15]

Ver tambémEditar

Referências

  1. CAMARA, Antonio Alves. Ensaio Sobre as Construções Navais Indígenas do Brasil. 1 ed. 1888. 209 p.
  2. CAMARA, Antonio Alves. Ensaio sobre as construcções navaes indígenas do Brasil. 2 ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1937. 261 p. (Brasiliana, v. 92).
  3. AGUIAR, Durval Vieira de. Descrições Práticas da Província da Bahia. Rio de Janeiro: Livraria Editora Cátedra, 1979.
  4. inserir fonte aqui
  5. informações no sítio da Prefeitura de Pirapora. Acessado em 7 de junho de 2006.
  6. CÂMARA CASCUDO, Luís da (2010). Dicionário do Folclore Brasileiro. Rio de Janeiro: Ediouro 
  7. Scielo - Revista de Antropologia. vol.46, n.1, São Paulo, 2003.
  8. «carranca». OBVIOUS. 4 de fevereiro de 2013. Consultado em 3 de abril de 2021 
  9. «Negro d'água - Lendas e Mitos». Só História. Consultado em 3 de abril de 2021 
  10. «Você sabe o que é uma Carranca? | Sergio Longo Escritório de Arte». Sergio Longo Escritório de Arte | Empresa dedicada à compra e venda de antiguidades. 1 de junho de 2020. Consultado em 3 de abril de 2021 
  11. a b «Carranca: Decora e Espanta as Más Vibrações | WESTWING». Westwing.com.br. 3 de junho de 2015. Consultado em 3 de abril de 2021 
  12. «Carranca, o que é? Origem e significados das esculturas folclóricas». Segredos do Mundo. 16 de dezembro de 2019. Consultado em 3 de abril de 2021 
  13. «Guerreiros de Odin». Super. Consultado em 3 de abril de 2021 
  14. «Conheça os Significado de alguns temas Milenares da Tatuagem Japonesa». Wabori Temple - Private Tattoo Studio. 8 de dezembro de 2017. Consultado em 3 de abril de 2021 
  15. «Carranca». Dicio. Consultado em 3 de abril de 2021 

Ligações externasEditar