Abrir menu principal

Wikipédia β

Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Fevereiro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Carta ao Pai (em alemão Brief an den Vater) é uma das obras do escritor tcheco Franz Kafka. O livro é na verdade a publicação póstuma de uma carta que Kafka escreveu para seu pai e que nunca chegou a ser enviada.

Brief an den Vater
Cartas ao pai (PT)
Carta ao pai (BR)
Autor(es) Franz Kafka
Assunto complexo de Édipo
Lançamento 1919
Edição portuguesa
Tradução Maria Lin de Sousa Moniz
Editora Relógio d'Água
Lançamento 2004
Páginas 75
ISBN 972-708-775-2
Edição brasileira
Tradução Marcelo Backes
Editora LP&M
Lançamento 1952
Páginas 112

Entre os dias 10 e 19 de novembro de 1919, Franz Kafka, insatisfeito com a fria recepção paterna diante do anúncio de seu noivado com Julie Wohryzek, escreveu ao pai, o comerciante judeu Hermann Kafka, uma longa carta – mais de cem páginas manuscritas. Kafka tinha então 36 anos, uma vida pessoal acanhada – nunca se casara ou constituíra família –, uma carreira mediana de funcionário burocrático e uma ambição literária ainda longe de estar realizada. Na carta, que nunca foi enviada ao destinatário original, Kafka põe a nu toda a sua mágoa em relação ao pai autoritário, que ele chama, alternadamente, de "tirano", de "regente", de "rei" e de "Deus". Em uma experiência virtuosística de auto-análise, além de uma belíssima peça literária, ele mostra como, a seu ver, o jugo paterno minou-lhe a auto-estima, condenando-o a uma personalidade fraca e assustada.

Além de disponibilizar ao leitor um dos textos mais emocionantes da literatura ocidental, estava nova edição se destaca por priorizar a dimensão biográfica da Carta. A leitura da carta e do material que a envolve joga luz sobre o drama humano universal do autor e ajuda a compreender sua imensa angústia, capaz de gerar obras-primas como O processo, A metamorfose, América ou o desaparecido, entre outras. Como escreveu o filho ao pai: "Minha atividade de escritor tratava de ti, nela eu apenas me queixava daquilo que não podia me queixar junto ao teu peito".[1]

Além da carta fartamente anotada, a edição conta com um prefácio que explica fatos e circunstâncias relativas ao texto e à redação da carta, um glossário de expressões e nomes de pessoas citadas, uma cronologia biográfica de Kafka e a reprodução fac-símile de algumas páginas do documento.

No Brasil a carta foi publicada pela primeira vez em 1952 pela editora LP&M com o título: "Carta ao pai''. A edição da LP&M acompanha notas de rodapé sobre o processo e correções feitas pelo próprio autor quando datilografou a carta. A tradução e notas ficaram a cargo de Marcelo Backes. Ganhou uma segunda versão em 1997 pela editora Companhia das letras, Modesto Carone traduziu e escreveu o prefácio desta nova edição. Atualmente, no Brasil, é mais fácil que se encontre em circulação as edições da Companhia que ganham reimpressões até hoje.

Referências