Casa de Lusinhão

(Redirecionado de Casa de Lusignan)
Casa de Lusinhão
Reino da França

Reino de Chipre
Reino de Jerusalém
Reino Arménio da Cilícia

Arms of the Lords of Lusignan.svg
Estado: Reino da França

Reino de Chipre
Reino de Jerusalém
Reino Arménio da Cilícia

País: Royal Standard of the King of France.svg Reino de França
Dinastia de origem: Carolíngios
Títulos: Senhores de Lusinhão, Condes de La Marche, Condes de Eu, Condes de Angolema, Reis de Chipre, Reis de Jerusalém, Reis da Armênia
Fundador: Hugo I de Lusinhão
Último soberano: Red crown.png Catarina Cornaro
Ano de fundação: século IX
Ano de dissolução: 1267, 1487
Etnia: Caucasiana
Linhagem secundária: Lusinhão-Lezay, Lusinhão-Vouvent, Lusinhão-Corgnac, Lusinhão-Jarnac

A Casa de Lusinhão[1] ou Lusinhano[2] (em francês: Lusignan) é uma dinastia nobre de Poitou, França, originária de Limusino, de condes e reis do Reino de Jerusalém, do Reino de Chipre e do Reino Arménio da Cilícia. Segundo a lenda, descendem da fada Melusina e de seu marido Raimundino.

ArmasEditar

 
senhores de Lusinhão
 
reis de Chipre
 
senhores de Issudum
  • Senhores de Lusinhão: burelé d'argent et d'azur.
  • Reis de Chipre : burelé d'argent et d'azur au lion de gueules, armé, lampassé et couronné d'or, brochant.
  • Senhores de Issodum: burelé d'argent et d'azur au lambel de gueules.

OrigemEditar

O Castelo de Lusinhão, perto de Poitiers, foi o principal assento dos Lusinhão; foi destruído durante as Guerras de Religião. De acordo com a lenda o castelo inicial foi construído pelo espírito da água Melusina.

Senhores de LusinhãoEditar

Condes de La MarcheEditar

Hugo VI herdou por sucessão colateral o Condado de La Marche (1091) como descendente de Almodis.

Condes de La Marche e de AngolemaEditar

O filho de Hugo IX, Hugo X, casou-se com Isabel de Angolema, assegurando Angolema (1220).

Iolanda vendeu os feudos de Lusinhão, La Marche, Angolema, e Fougères a Filipe IV de França em 1308.

Reis de Jerusalém e de ChipreEditar

  • Hugo I (1205 - 1218), apenas Rei de Chipre, assim como os seus descendentes

Referências

  1. Limão 1995, p. 378, nota 103.
  2. Freire 1921, p. 480.

BibliografiaEditar

  • Freire, Anselmo Braamcamp (1921). Brasões Da Sala de Sintra Vol. III. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra 
  • Limão, Maria Paula (1995). «Portugal e o Mediterrâneo no Tempo do Infante D. Henrique». Angra do Heroísmo: Instituto Histórico da Ilha Terceira. Boletim. 52 
  Este artigo sobre a França é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.