Abrir menu principal

Um rei (no feminino: rainha) é um chefe de Estado ocupante de um trono real ou um súdito de um imperador por exemplo[1] ou de outra espécie de soberano; ou um ex-soberano que virou súdito.[2] Pode ou não, dependendo do estilo de governo de uma nação ou país, ser um soberano de um reino, deter o exercício de poderes monárquicos sobre um território designado de reino, sob uma política governamental conhecida por monarquia. Um rei e uma rainha são os únicos monarcas que existem,[3] que são reinantes[4] quando suas dignidades não são naturais de um império.[5]

Classificação da Nobreza
Heraldic Royal Crown (Common).svg
Imperador e Imperatriz
Rei e Rainha
Príncipe e Princesa
Infante e Infanta
Arquiduque e Arquiduquesa
Grão-duque e Grã-duquesa
Duque e Duquesa
Marquês e Marquesa
Conde e Condessa
Visconde e Viscondessa
Barão e Baronesa
Senhor e Senhora
Baronete e Baronetesa
Cavaleiro e Dama
Escudeiro e Escudeira
Para ver todos os títulos clique aqui

Um rei é o segundo maior patamar nobiliárquico soberano, a seguir ao de imperador (título de nobreza supremo e maior status social que se pode ter) cuja dignidade normalmente abrangia territórios de maior extensão, chamados de império, por englobar mais que um reino.[6][5] Um rei tem status de nobreza mais elevado que o de um príncipe,[7] e dos títulos de nobreza que estão abaixo do de príncipe.

O equivalente feminino do rei é a rainha, embora o termo "rainha" possa referir-se também a uma soberana no seu próprio direito, a uma rainha reinante, ou à esposa de um rei, uma rainha consorte. O marido de uma rainha reinante é, por vezes, apelidado de rei consorte, mas é mais comumente denominado de príncipe consorte. A sua família é designada por família real.

Um rei ou rainha pode ostentar uma coroa, um manto real, ou outros símbolos que representem o seu poder régio tais como um ceptro ou então um documento que oficialize e que sustente ou defina a sua autoridade como a Magna Carta de 1215 que determinava os poderes que o rei João de Inglaterra poderia ou não deter.

Historicamente, o posição do "rei" deriva dos primeiros líderes tribais ou principais de diferentes povos tais como o (em sumério lugal, em semitico o sharrum, em latim rex, em grego o basileus, em sânscrito o rajá, em alemão o kuningaz) poderia ser também o tirano de uma cidade-Estado. Muitas vezes, o rei não tinha só uma função política mas, ao mesmo tempo, uma religiosa, atuando como sumo sacerdote ou divino rei, como foi o caso de certos reinos antigos.

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Naissance du Roi de Rome, héritier de l'Empire (1811)» (em francês). napoleon.org. Consultado em 19 de dezembro de 2014 
  2. «Jeremias, Uma Nova Alianças entre Deus & seu Povo». paulus.com.br. Consultado em 12 de agosto de 2014 
  3. «Soberana Britânica se torna a monarca mais velha da atualidade». epocanegocios.globo.com. Consultado em 27 de Março de 2018 
  4. «Definição de reinante». priberam.pt. Consultado em 27 de Março de 2018 
  5. a b Minidicionário Luft - 2002 - Editora Ática - Autor: Celso Pedro Luft.
  6. Qual a diferença entre rei e imperador?, Renata Costa, Revista Escola
  7. «Carta Constitucional Portuguesa de 1826» (PDF). http://www.fd.unl.pt. Consultado em 26 de Março de 2018 

Ligações exterioresEditar