Abrir menu principal
A catimba, considerada por muitos parte integrante da cultura do futebol sul-americano.

Catimba é um termo muito utilizado no desporto para designar o antijogo clássico, retardando a partida e mexendo psicologicamente com seu adversário. A catimba é mais comum no futebol, especialmente no Futebol da América do Sul, mas este artifício também é utilizado em outros esportes. Segundo o dicionário Houaiss, catimba é um “procedimento utilizado em certas competições esportivas, especialmente o futebol, e que consiste em prejudicar o desempenho do adversário por meio de recursos astuciosos e, às vezes, antiesportivos”.[1]

Índice

OrigemEditar

A origem do termo catimba é duvidosa. A única tese a respeito é do estudioso Nei Lopes e merece consideração, mesmo porque nenhuma etimologia adversária se apresentou para desafiá-la. Segundo ele, "catimba" deriva-se da palavra do quimbundo (língua angolana da família banta) kantimba, que significa "lebre" (relacionado a ndimba, "pessoa astuciosa", "esperta").[1]

A Catimba no FutebolEditar

No futebol a catimba é uma estratégia utilizada visando evitar que o adversário consiga desenvolver seu jogo. Para isso, a equipe que está catimbando faz um grande número de faltas, demora exageradamente na reposição da bola em jogo, gandulas treinados para demorar a repor as bolas ou até mesmo para jogar mais de uma bola em campo[2], tudo isso para mexer psicologicamente com seu adversário.

Há também um outro tipo de catimba, mas que é muito utilizada pelos torcedores. Estes descobrem aonde a equipe adversária está hospedada e, com barulhos, atrapalham a concentração da equipe.[3]

A Catimba em Outros EsportesEditar

Para além do futebol, também é possível perceber a utilização desta artimanha. Por exemplo, no tênis, quando o adversário demora para fazer o seu saque, ou até mesmo finge que está machucado.[4]

Cazuo Matsumoto, mesa-tenista brasileiro, conta que no Tênis de mesa a catimba é muito utilizada. Segundo ele "tem gente que faz cera para caramba. Que enrola, passa a mão na mesa, depois passa de novo, volta, respira. Você pode ir na toalha a cada seis pontos. Mas tem gente que demora, limpa bem o suor, tudo para atrapalhar o adversário. Tem gente que grita exageradamente, faz escândalo e atrapalha o adversário. Outros pegam a bolinha para sacar logo e não dar tempo do adversário respirar."[5]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b veja.abril.com.br/ A catimba argentina (com perdão da redundância)
  2. uolesporte.blogosfera.uol.com.br/ Catimba? Simeone joga bola em campo para atrapalhar rival e é expulso
  3. globoesporte.globo.com/ Torcida do Galo faz queima de fogos para incomodar elenco do São Paulo
  4. revistatenis.uol.com.br/ Perdido na catimba: Como se comportar quando seu oponente parece estar catimbando em quadra
  5. oglobo.globo.com/ Catimba, doping da raquete, as curiosidades do tênis de mesa

Links ExternosEditar