Abrir menu principal

Centro Histórico da Cidade do México

Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O Centro Histórico da Cidade do México é um Património Mundial da Unesco (desde 1987) localizado na Cidade do México, no centro-sul do México.[1]

Pix.gif Centro Histórico da Cidade do México e Xochimilco *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Zocalo cathedral.jpg
Catedral Metropolitana da Cidade do México
País México
Critérios (ii)(iii)(iv)(v)
Referência 412 en fr es
Coordenadas 19° 24′ N, 99° 07′ O
Histórico de inscrição
Inscrição 1987  (? sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.

HistóriaEditar

 Ver artigo principal: História da Cidade do México
 
Cabeça de Quetzalcóatl, Museu da Cidade do Mexico.

A Cidade do México foi fundada pelos Astecas e corresponde à antiga Tenochtitlán, que exerceu desde os tempos coloniais uma notável influência intelectual em toda a América espanhola.

Esta antiga cidade correspondeu ao centro do Império Azteca ou Mexica. Foi fundada por Tenoch, no século XIV, quando uma das ilhas do lago Texcoco foi ocupada por um grupo de antigos mexicas. A ilha estava ligada por três calçadas a terra firme e era protegida por um sistema de diques. As calçadas Iztalapa, por onde entraram os Espanhóis, Tlacopan, por onde Hernán Cortés fugiu, e Guadalupe, eram atravessadas por canais e decoradas por jardins flutuantes. A povoação possuía estradas, estreitas e sinuosas, interceptadas por canais labirínticos, palácios e templos. A disposição dos bairros residenciais reflectia a estratificação social. O centro era "Teocalli", templo dedicado aos deuses guerreiro e da chuva.

Com a colonização espanhola, as casas típicas desapareceram, secaram as ruas e na velha Praça de Teocalli construiu-se a Praça Maior. Foi o conquistador Cortés que, a mando de Espanha, construiu a cidade sobre as ruínas da antiga cidade. Era daqui que partiam todas as incursões espanholas efectuadas ao país e, em 1750, a cidade tornarva-se a capital do vice-reinado.

A ocupação espanhola durou três séculos, até que Miguel Hidalgo, um padre da povoação de Dolores, proclamou o famoso "grito de Dolores", iniciando a sua independência. Esta foi conquistada três anos depois.

Após a proclamação da independência, a 27 de Setembro de 1821, os conflitos que se travaram até final do século XIX dificultaram o desenvolvimento da cidade. Nos princípios do referido século, a cidade expandiu-se e nasceram as primeiras "colónias" residenciais, mas após a revolução o seu crescimento populacional aumentou. A partir de 1920 desenvolveram-se novos planos de urbanização, até que em 1985 um devastador terremoto causou uma enorme destruição e um elevado número de mortos e de desalojados.

 
Palácio de Belas Artes

TurismoEditar

Um dos muitos pontos turísticos do Centro Histórico é a Catedral Metropolitana da Cidade do México, símbolo da colonização espanhola com sua arquitetura Barroca-Churriqueresca. Outro é o Palácio Nacional do México, com sua arquitetura tipicamente singular onde se apreciam os arabescos. O Palácio dos Correios é um edifício com forro interior todo trabalhado na Itália e constitui um admirável trabalho artístico. Neste lugar encontra-se o Museu Numismático onde a história é contada através das gravuras nas cédulas. O Palácio das Belas Artes constitui um exemplo de arquitetura porfiriana.

Ver tambémEditar

Referências