Charles Williams

Nota: se procura lutador mais baixo da história, veja Charles Williams (lutador)

Charles Walter Stansby Williams (Londres, 20 de setembro de 1886Oxford, 15 de maio de 1945) foi um poeta, romancista, dramaturgo, teólogo, crítico literário e membro dos The Inklings.

Bibliografia a partir de 1939Editar

Williams reuniu muitos seguidores e discípulos durante sua vida. Ele foi, por um período, membro do Templo Salvator Mundi da Fellowship of the Rosy Cross. Ele conheceu a colega anglicana Evelyn Underhill (que era afiliada a um grupo semelhante, a Ordem Hermética da Aurora Dourada (Golden Dawn)) em 1937 e mais tarde escreveria a introdução de suas Cartas publicadas em 1943.[1]

Quando a Segunda Guerra Mundial estourou em 1939, a Oxford University Press mudou seus escritórios de Londres para Oxford. Williams estava relutante em deixar sua amada cidade, e sua esposa Florence Conway se recusou a ir. Das quase 700 cartas que escreveu à esposa durante os anos de guerra, uma generosa seleção foi publicada; "principalmente ... cartas de amor", o editor os chama.[2] Mas a mudança para Oxford permitiu que ele participasse regularmente da sociedade literária de Lewis conhecida como Inklings. Nesse cenário, Williams foi capaz de ler (e melhorar) seu último romance publicado, All Hallows 'Eve, bem como ouvir JRR Tolkien ler em voz alta para o grupo alguns de seus primeiros rascunhos de O Senhor dos Anéis . Além de se encontrarem nos quartos de Lewis em Oxford, eles também se encontravam regularmente no pub The Eagle and Child em Oxford (mais conhecido pelo apelido de "The Bird and Baby"). Durante esse tempo, Williams também deu palestras em Oxford sobre John Milton, William Wordsworth e outros autores, e recebeu um título de mestre honorário. Williams está enterrado no cemitério de Holywell em Oxford: sua lápide traz a palavra "poeta", seguida pelas palavras "Under the Mercy", uma frase frequentemente usada pelo próprio Williams.[3]

TeologiaEditar

Williams desenvolveu o conceito de co-herança e deu rara consideração à teologia do amor romântico. Apaixonar-se por Williams era uma forma de visão mística em que se via o amado como ele ou ela era visto pelos olhos de Deus. Co-herança era um termo usado na teologia patrística para descrever a relação entre as naturezas humana e divina de Jesus Cristo e a relação entre as pessoas da abençoada Trindade.[4][5] Williams estendeu o termo para incluir o relacionamento ideal entre as partes individuais da criação de Deus, incluindo os seres humanos. É nossa habitação mútua: Cristo em nós e nós em Cristo, interdependentes. É também a teia de inter-relações sociais, econômicas e ecológicas por meio da qual funcionam o tecido social e o mundo natural.  Mas, especialmente para Williams, co-herança é uma maneira de falar sobre o Corpo de Cristo e a comunhão dos santos.

Ele propôs uma ordem, os Companheiros da Co-herança, que praticariam a substituição e a troca, vivendo no amor-em-Deus, verdadeiramente carregando os fardos uns dos outros, estando dispostos a sacrificar e perdoar, vivendo uns dos outros em Cristo.[6] De acordo com Gunnar Urang, a co-herança é o foco de todos os romances de Williams.[7]

FicçãoEditar

Ele está escrevendo aquele tipo de livro no qual começamos dizendo: vamos supor que este mundo cotidiano foi em algum momento invadido pelo maravilhoso. -  CS Lewis nos romances de Charles Williams[8]

  • War in Heaven, 1930 – O Santo Graal surge em uma obscura paróquia rural e se torna um objeto sacramental a ser protegido ou um recipiente de poder a ser explorado.
  • Many Dimensions, 1931 – Um antiquário malvado compra ilegalmente a lendária Pedra de Suleiman (Williams usa esta forma muçulmana em vez do mais conhecido Rei Salomão) de seu guardião islâmico em Bagdá e retorna à Inglaterra para descobrir não apenas que a pedra pode se multiplicar infinitamente sem diminuir a original, mas que também permite ao seu possuidor transcender as barreiras do espaço e do tempo.
  • "Et in Sempiternum Pereant", publicado pela primeira vez no The London Mercury , dezembro de 1935[9] – Lord Arglay (protagonista em Many Dimensions ) arrisca sua vida em um esforço vão para resgatar um fantasma a caminho da condenação.[10]
  • The Place of the Lion, 1931 – Arquétipos platônicos começam a aparecer em torno de uma cidade rural inglesa, causando estragos e trazendo à tona as forças espirituais e as falhas de personagens individuais.
  • The Greater Trumps, 1932 – O baralho original do Tarô é usado para desbloquear enormes poderes metafísicos, permitindo que os possuidores vejam o espaço e o tempo, criem matéria e levantem tempestades naturais poderosas.
  • Shadows of Ecstasy, 1933 – Um adepto humanista descobriu que, concentrando suas energias internamente, pode estender sua vida quase indefinidamente. Ele empreende um experimento usando a tradição africana para morrer e ressuscitar seu próprio corpo, garantindo assim sua imortalidade. Seus seguidores iniciam um movimento revolucionário para suplantar a civilização europeia. O primeiro romance de Williams a ser escrito, embora não o primeiro a ser publicado.[11]
  • Descent into Hell, 1937 – Geralmente considerado o melhor romance de Williams, Descent lida com várias formas de egoísmo, e como o ciclo do pecado traz a necessidade de atos redentores. Nele, um acadêmico fica tão distante do mundo que fetichiza uma mulher a ponto de sua perversão assumir a forma de uma súcubo. Outros personagens incluem um doppelgänger, o fantasma de um trabalhador suicida vitoriano e um dramaturgo inspirado em alguns aspectos do autor. Ilustra a crença de Williams na substituição do pecado e do amor substitutivo.
  • All Hallows' Eve, 1945 – Começa com uma discussão entre os fantasmas de duas mulheres mortas vagando por Londres. Apresenta uma teologia das artes em que uma obra de arte pode fornecer verdades que o artista não tinha consciência. Em última análise, o livro explora o significado do sofrimento humano e empatia, dissolvendo a barreira entre os vivos e os mortos por meio da magia negra e do amor divino.

TrabalhosEditar

RomancesEditar

  • 1930: War in Heaven (London: Victor Gollancz) [12]
  • 1930: Many Dimensions (London: Victor Gollancz) [13]
  • 1931: The Place of the Lion (London: Mundanus) [14]
  • 1932: The Greater Trumps (London: Victor Gollancz) [15]
  • 1933: Shadows of Ecstasy (London: Victor Gollancz) [16]
  • 1937: Descent into Hell (London: Faber & Faber)[17]
  • 1945: All Hallows' Eve (London: Faber & Faber)[18][19]
  • 1970–72: The Noises That Weren’t There. Unfinished. First three chapters published in Mythlore 6 (Autumn 1970), 7 (Winter 1971) and 8 (Winter 1972).

PlaysEditar

  • c. 1912: The Chapel of the Thorn[20] (edited by Sørina Higgins; Berkeley: Apocryphile Press, 2014)
  • 1930: A Myth of Shakespeare (London: Oxford University Press)
  • 1930: A Myth of Francis Bacon (Published in the Charles Williams Society Newsletter, 11, 12, and 14)
  • 1929–31: Three Plays (London: Oxford University Press)
    • The Rite of the Passion (1929)
    • The Chaste Wanton (1930)
    • The Witch (1931)
  • 1963: Collected Plays by Charles Williams (edited by John Heath-Stubbs; London: Oxford University Press)
    • Thomas Cranmer of Canterbury (1936). Canterbury Festival play, following T. S. Eliot's Murder in the Cathedral in the preceding (inaugural) year.
    • Seed of Adam (1937)
    • Judgement at Chelmsford (1939)
    • The Death of Good Fortune (1939)
    • The House by the Stable (1939)
    • Terror of Light (1940)
    • Grab and Grace (1941)
    • The Three Temptations (1942)
    • House of the Octopus (1945)
  • 2000: The Masques of Amen House (edited by David Bratman. Mythopoeic Press).
    • The Masque of the Manuscript (1927)
    • The Masque of Perusal (1929)
    • The Masque of the Termination of Copyright (1930)

PoesiaEditar

  • 1912: The Silver Stair (London: Herbert and Daniel)
  • 1917: Poems of Conformity (London: Oxford University Press)
  • 1920: Divorce (London: Oxford University Press)
  • 1924: Windows of Night (London: Oxford University Press)
  • 1930: Heroes and Kings (London: Sylvan Press)
  • 1954: Taliessin through Logres (1938) and The Region of the Summer Stars (1944) (London: Oxford University Press)
  • 1991: Charles Williams, ed. David Llewellyn Dodds (Woodbridge and Cambridge, UK: Boydell & Brewer: Arthurian Poets series). Part II, Uncollected and unpublished poems (pp. 149–281).

TeologiaEditar

  • 1938: He Came Down from Heaven (London: Heinemann).
  • 1939: The Descent of the Dove: A Short History of the Holy Spirit in the Church (London: Longmans, Green)
  • 1941: Witchcraft (London: Faber & Faber)
  • 1942: The Forgiveness of Sins (London: G. Bles)
  • 1958: The Image of the City and Other Essays (edited by Anne Ridler; London: Oxford University Press). Parts II through V
  • 1990: Outlines of Romantic Theology (Grand Rapids, Mich.: Eerdmans)

Crítica literáriaEditar

  • 1930: Poetry at Present (Oxford: Clarendon Press).
  • 1932: The English Poetic Mind (Oxford: Clarendon Press).
  • 1933: Reason and Beauty in the Poetic Mind (Oxford: Clarendon Press)
  • 1940: Introduction to Milton (based on a lecture at Oxford University), in The English Poems of John Milton (Oxford University Press)
  • 1943: The Figure of Beatrice (London: Faber & Faber)
  • 1948: The Figure of Arthur (unfinished), in Arthurian Torso, ed. C. S. Lewis (London: Oxford University Press)
  • 1958: The Image of the City and Other Essays (edited by Anne Ridler; London: Oxford University Press). Parts I and VI
  • 1974: Religion and Love in Dante: The Theology of Romantic Love (Pennsylvania: Folcroft Library Editions).
  • 2003: The Detective Fiction Reviews of Charles Williams (edited by Jared C. Lobdell; McFarland)
  • 2017: The Celian Moment and Other Essays (edited by Stephen Barber; Oxford: The Greystones Press)

BiografiaEditar

  • 1933: Bacon (London: Arthur Barker)
  • 1933: A Short Life of Shakespeare (Oxford: Clarendon Press). Abridgment of the 2-volume work by Sir Edmund Chambers
  • 1934: James I (London: Arthur Barker)
  • 1935: Rochester (London: Arthur Barker)
  • 1936: Queen Elizabeth (London: Duckworth)
  • 1937: Henry VII (London: Arthur Barker)
  • 1937: Stories of Great Names (London: Oxford University Press). Alexander, Julius Caesar, Charlemagne, Joan of Arc, Shakespeare, Voltaire, John Wesley
  • 1946: Flecker of Dean Close (London: Canterbury Press)

Outros trabalhosEditar

  • 1931: Introduction, Poems of Gerard Manley Hopkins (Ed. Robert Bridges; 2nd ed.; London: Oxford University Press; OCLC 162569501)
  • 1936: The Story of the Aeneid (London: Oxford University Press; OCLC 221046736)
  • 1940: Introduction, Søren Kierkegaard's The Present Age (trans. Dru and Lowrie; Oxford University Press; OCLC 2193267)
  • 1943: Introduction, The Letters of Evelyn Underhill (Longmans, Green and Co.)
  • 1986: "Et in Sempiternum Pereant" (a short story) in The Oxford Book of English Ghost Stories (London: Oxford University Press)
  • 1989: Letters to Lalage: The Letters of Charles Williams to Lois Lang-Sims (Kent State University Press)
  • 2002: To Michal from Serge: Letters from Charles Williams to His Wife, Florence, 1939–1945 (edited by Roma King Jr.; Kent State University Press)
  • selected daily readings in The New Christian Year and The Passion of Christ

Links ExternosEditar

ReferênciasEditar

  1. Williams, Charles (1943). "Introduction to The Letters of Evelyn Underhill". iHug. NZ: Longmans, Green & Co. Archived from the original on 21 April 2006.
  2. King, Roma A, Jr, ed. (2002). To Michal from Serge: Letters from Charles Williams to his wife, Florence, 1939–1945. Kent, Ohio; London: Kent State University Press. p. 4.
  3. Arbor field (3 February 2011). "Under the Mercy". The Inklings. Google Blogger. Retrieved 25 March 2016.
  4. Williams, Charles (1961). The Figure of Beatrice: A Study in Dante. New York: Noonday. p. 92.
  5. Prestige, G.L. (2008). "XIV: Co-Inherence". God in Patristic Thought. Wipf & Stock. ISBN 978-1-55635779-4.
  6. Newman, Barbara (1 January 2009). "Charles Williams and the Companions of the Co-inherence". Spiritus: A Journal of Christian Spirituality. 9 (1): 1–26. doi:10.1353/scs.0.0043. ISSN 1535-3117. S2CID 170441186.
  7. Urang, Gunnar (1 June 1971). Shadows of heaven: religion and fantasy in the writing of C.S. Lewis, Charles Williams, and J.R.R. Tolkien. Pilgrim Press. p. 70. ISBN 978-0-8298-0197-2.
  8. Lewis, CS. You tube (audio)
  9. "Et in Sempiternum Pereant". Project Gutenberg of Australia. Retrieved 22 September 2017.
  10. Glen Cavaliero, "A Metaphysical Epiphany? Charles Williams and the Art of the Ghost Story," in The Rhetoric of Vision, ed. Charles A. Huttar and Peter J. Schakel. Lewisburg: Bucknell UP, 1996 (pp. 93–97).
  11. Hopkins, G. W. S. "About Charles Williams: Biography of Charles Walter Stansby Williams (1886-1945)". Dictionary of National Biography, 1941-50. Oxford University Press; reproduced by permission online by The Charles Williams Society.
  12. «War in Heaven». gutenberg.net.au 
  13. «Many Dimensions». gutenberg.net.au 
  14. «The Place of the Lion». gutenberg.net.au 
  15. «The Greater Trumps». gutenberg.net.au 
  16. «Shadows of Ecstasy». gutenberg.net.au 
  17. «Descent into Hell». gutenberg.net.au 
  18. Williams, Charles (1945). All Hallows' Eve. [S.l.]: Faber & Faber 
  19. «All Hallows' Eve». gutenberg.net.au 
  20. David Llewellyn Dodds, "The Chapel of the Thorn, an Unknown Dramatic Poem by C. Williams," Inklings Jahrbuch 5 (1987): 134.