Abrir menu principal
Cilia Flores
41.ª Primeira-dama da Venezuela
Período 5 de março de 2013
até a atualidade
Presidente Nicolás Maduro
Antecessor Marisabel Rodríguez de Chávez
4.º Presidente da Assembleia Nacional da Venezuela
Período 15 de agosto de 2006
até 5 de janeiro de 2011
Presidente Hugo Chávez
Antecessor Nicolás Maduro
Sucessor Fernando Soto Rojas
Procuradora-Geral da Venezuela
Período 25 de janeiro de 2012
até 11 de março de 2013
Presidentes Hugo Chávez
Nicolás Maduro
Antecessor Carlos Escarrá
Sucessor Manuel Enrique Galindo
Membro da Assembleia Nacional da Venezuela
Período 5 de janeiro de 2016
até 2 de junho de 2017
Grupo Constituinte Cojedes
Período 30 de julho de 2000
até 2 de fevereiro de 2012
Grupo Constituinte Distrito Capital
Membro da Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela
Período 4 de agosto de 2017
até a atualidade
Dados pessoais
Nascimento 15 de outubro de 1956 (62 anos)
Tinaquillo, Cojedes
Nacionalidade Venezuela venezuelana
Cônjuge Walter Gavidia Rodríguez (div.)
Nicolás Maduro (2013–presente)
Partido PSUV
Religião Católica

Cilia Adela Gavidia Flores de Maduro (Tinaquillo, 15 de outubro de 1956), é uma advogada e política venezuelana.[1][2] Ela é casada com o presidente da Venezuela Nicolás Maduro, fazendo dela a primeira-dama do país. Desde 2015, é também deputada na Assembleia Nacional da Venezuela (da qual foi presidente de 2006 a 2011) pelo seu estado natal de Cojedes.[3] Em 2017, foi constituída a Assembleia Nacional Constituinte, onde é membro da Comissão Presidencial. Seus sobrinhos, Efraín Antonio Campo Flores e Francisco Flores de Freitas, foram presos em novembro de 2015 pela Administração de Repressão às Drogas dos Estados Unidos em Porto Príncipe, Haiti, depois de tentar transportar 800 kg de cocaína para os Estados Unidos.[4]

Índice

Vida pessoalEditar

É casada com o presidente Nicolás Maduro e o substituiu como presidente da Assembléia Nacional em agosto de 2006, quando renunciou para se tornar Ministro das Relações Exteriores, se tornando a primeira mulher a servir como presidente da Assembléia Nacional.[5] Os dois estavam em um relacionamento desde a década de 1990, quando ela era a advogada de Hugo Chávez, após as tentativas de golpe de Estado venezuelano de 1992[6] e se casaram em julho de 2013, meses após Maduro se tornar presidente. Seu marido, Maduro, tem um filho, Nicolás Maduro Guerra, que ele nomeou para cargos de alto escalão: chefe do Corpo Especial de Inspetores da presidência, chefe da Escola Nacional de Cinema e assento na Assembléia Nacional Constituinte de 2017,[7] enquanto ela tem um filho adotivo, Efraín Campos, que é seu sobrinho, filho de sua falecida irmã.[6]

Carreira políticaEditar

Como principal advogada da equipe de defesa de Hugo Chávez, ela foi fundamental para garantir a libertação de Chávez da prisão em 1994, após seu golpe mal sucedido em 1992.[8]

Comando Tático para a RevoluçãoEditar

Enquanto atuava como presidente do Comando Político da Revolução Bolivariana, Flores fazia parte do Comando Tático para a Revolução, uma organização que comandava a maioria das máquinas políticas de Hugo Chávez. Em 7 de abril, dias antes da tentativa de golpe venezuelano de 2002, ela juntamente com Guillermo García Ponce e Freddy Bernal compartilharam os planos de usar os Círculos Bolivarianos como uma força paramilitar para acabar com marchas de oposição e defender Chávez no Palácio de Miraflores, organizando-os em brigadas.[9]

Em 11 de abril, enquanto os manifestantes da oposição se dirigiam para o Palácio de Miraflores em protesto, Círculos Bolivarianos se reuniram em torno do palácio armado com pedras, porretes e coquetéis molotov, todos dentro da visão da Guarda Nacional que estava estacionada nas proximidades. Os Círculos Bolivarianos então participaram de manifestações que se tornaram violentas.[10]

Assembleia NacionalEditar

Membro do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), ela substituiu seu marido Maduro como presidente da Assembléia em agosto de 2006, quando ele foi nomeado ministro das Relações Exteriores. Ela se tornou a primeira mulher a servir como presidente da Assembleia Nacional (2006-2011). Em 10 de janeiro de 2007, tomou posse por Chávez após a eleição presidencial de 2006.[5]

Cilia disputou um assento na Assembleia Nacional nas eleições parlamentares da Venezuela em 2015 como candidata ao Grande Pólo Patriótico.[11] Ela disse que usaria seu assento para defender os direitos sociais dos cidadãos e as conquistas da Revolução Bolivariana.[12]

Primeira-damaEditar

Após a apertada vitória de Maduro nas eleições presidenciais de 2013 sobre Henrique Capriles, Cilia Flores tornou-se a primeira-dama da Venezuela, uma posição que há muito estava vaga.

ControvérsiasEditar

NepotismoEditar

 
Cilia com o Presidente Hugo Chávez em 2009.

Foi acusada de nepotismo com indivíduos alegando que vários de seus parentes próximos se tornaram funcionários da Assembléia Nacional, enquanto ela era deputada.[13][14] De acordo com Tal Cual, 16 familiares dela estavam em um escritório enquanto ela estava na Assembléia Nacional.[15] Ela respondeu aos repórteres que compartilhavam as alegações de nepotismo afirmando que fazia parte de uma campanha de difamação, chamando-os de "mercenários da caneta".[13] Tanto a oposição quanto os membros do governo denunciaram o suposto nepotismo como uma injustiça, com um membro do PSUV levando as acusações ao Ministério do Trabalho da Venezuela.[13] Em 2012, parentes de Flores foram demitidos[15], embora alguns tenham recebido outras ocupações no governo um ano depois.[16]

O filho de Flores, Walter Jacob Gavidia Flores, cujo último salário até 2015 foi de menos de US $ 1.000, fez várias viagens internacionais em 2015 e 2016 em voos privados que custam aproximadamente US $ 20.000 por viagem. Gavidia Flores passou a maior parte do tempo nos Estados Unidos, mas também fez voos fretados para a França, Alemanha, Malta e Espanha.[17]

Incidente com os sobrinhosEditar

 
Efraín Antonio Campo Flores e Francisco Flores de Freitas após sua prisão pela Administração de Repressão às Drogas dos Estados Unidos em 10 de novembro de 2015.

Em 10 de novembro de 2015, dois sobrinhos de Cilia Flores, Efraín Antonio Campos Flores e Francisco Flores de Freitas, foram presos em Porto Príncipe, no Haiti, pela polícia local, enquanto tentavam fazer um acordo para transportar 800 kg de cocaína[18] destinada para a cidade de Nova York e foram entregues à Agência Antidrogas dos EUA (DEA), onde foram levados diretamente para os Estados Unidos.[19] Campos afirmou no avião da DEA que ele era o filho adotivo do presidente Maduro e que ele cresceu na casa de Maduro enquanto era criado por Flores. Os homens viajaram para o Haiti com passaportes diplomáticos venezuelanos, mas não tiveram imunidade diplomática, de acordo com o ex-chefe das operações internacionais da DEA, Michael Vigil. Os dois foram previamente monitorados e filmados pela DEA entre outubro e novembro de 2015, depois que contataram um informante da DEA para aconselhamento sobre o tráfico de cocaína e trouxeram um quilo de cocaína para o informante para mostrar sua qualidade.[19] O incidente aconteceu em um momento em que vários membros do alto escalão do governo venezuelano estavam sendo investigados por seu envolvimento com o tráfico de drogas.[19]

Em 18 de novembro de 2016, os dois sobrinhos de Flores foram considerados culpados de tentar enviar drogas para os Estados Unidos, para que pudessem "obter uma grande quantia de dinheiro para ajudar sua família a permanecer no poder".[20]

SançõesEditar

Flores foi sancionada por vários países e está proibida de entrar na vizinha Colômbia. O governo colombiano mantém uma lista de pessoas proibidas de entrar na Colômbia ou sujeitas a expulsão; em janeiro de 2019, a lista contava com 200 pessoas com "estreita relação e apoio ao regime de Nicolás Maduro".[21][22]

Respondendo à eleição presidencial venezuelana de maio de 2018, o Canadá sancionou 14 venezuelanos, incluindo Flores,[23] afirmando que "a crise econômica, política e humanitária na Venezuela continuou a piorar à medida que se aproxima da ditadura total".[24] O governo disse que a eleição presidencial de 2018 foi "ilegítima e antidemocrática",[23] e sancionou Flores, junto com outros 13 membros do ANC e do TSJ.[25]

Em 27 de março de 2018, o Panamá sancionou 55 funcionários públicos[26] e 16 empresas que operam no Panamá,[27] relacionadas à família de Flores. As empresas sancionadas têm membros da família Malpica-Flores em seus conselhos de administração.[28] As empresas, chefiadas por vários membros da família de Flores e recentemente criadas, foram sancionadas por lavagem de dinheiro supostamente.[29]

O Departamento do Tesouro apreendeu um jato particular e impôs sanções ao círculo interno de Maduro em setembro de 2018;[30][31] Flores e altos funcionários da administração de Maduro foram sancionados.[32] Maduro respondeu às sanções de sua esposa, dizendo: "Você não mexe com Cilia. Você não mexe com a família. Não seja covarde! Seu único crime [é] ser minha esposa."[33] Os Estados Unidos disseram que as sanções eram uma resposta à "pilhagem" dos recursos da Venezuela.[34]

Referências

  1. «Procuraduria General de Venezuela». Consultado em 26 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 17 de novembro de 2015 
  2. Andrew Cawthorne/Mario Naranjo (9 de dezembro de 2012). «Who is Nicolas Maduro, possible successor to Hugo Chávez?». Consultado em 26 de janeiro de 2013 
  3. www.telesurtv.net https://www.telesurtv.net/news/-Diputada-Cilia-Flores-daremos-la-pelea-aqui-nadie-se-rinde-20160105-0040.html. Consultado em 1 de maio de 2019  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  4. Mele, Christopher (18 de novembro de 2016). «2 Nephews of Venezuela's First Lady Convicted on Drug Charges in U.S. Court». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  5. a b «Who is Nicolas Maduro, possible successor to Hugo Chávez?». Christian Science Monitor. 9 de dezembro de 2012. ISSN 0882-7729 
  6. a b Dreier, Hannah. «US court: Nephews of Venezuela first lady held without bail». AP NEWS. Consultado em 1 de maio de 2019 
  7. https://www.foxnews.com/category/
  8. «Cilia Flores Maduro Is Venezuela's President Nicolas Maduro's Wife». DailyEntertainmentNews.com (em inglês). 14 de abril de 2013. Consultado em 1 de maio de 2019 
  9. Nelson, Brian A. (2009). The silence and the scorpion : the coup against Chávez and the making of modern Venezuela (online ed.). New York: Nation Books. pp. 20–22. ISBN 1568584180.
  10. «UNHCR - The UN Refugee Agency». www.unhcr.org. Consultado em 1 de maio de 2019 
  11. «Cilia Flores formalizó su inscripción para las parlamentarias». El Nacional (em espanhol). 5 de agosto de 2015. Consultado em 1 de maio de 2019 
  12. www.eluniversal.com http://www.eluniversal.com/nacional-y-politica/150805/cilia-flores-inscribio-su-candidatura-parlamentaria. Consultado em 1 de maio de 2019  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  13. a b c Tiempo, Casa Editorial El (15 de julho de 2008). «Denuncian por nepotismo a la presidenta del Congreso venezolano, Cilia Flores». El Tiempo (em spanish). Consultado em 1 de maio de 2019 
  14. «Diario Versión Final». Diario Versión Final (em espanhol). Consultado em 1 de maio de 2019 
  15. a b Ayala Altuve, Dayimar (7 July 2012). "Fin al nepotismo Flores". Tal Cual. Retrieved 17 January2015.
  16. Sabater Navarro, Gregorio (2014). «La Transición Española en la prensa portuguesa a través de un estudio de caso: El diario de Noticias (1976-1979)». RIHC. Revista Internacional de Historia de la Comunicación. 1 (3): 95–118. ISSN 2255-5129. doi:10.12795/rihc.2014.i03.05 
  17. "Hijo de Cilia Flores pasa largas temporadas en los Estados Unidos". La Patilla.
  18. CNN, Kay Guerrero, Claudia Dominguez and Catherine E. Shoichet. «U.S. arrests Nicolas Maduro's family members». CNN. Consultado em 1 de maio de 2019 
  19. a b c Córdoba, José de (12 de novembro de 2015). «U.S. Arrests Two Relatives of Venezuelan President Nicolás Maduro on Drug-Trafficking Charges». Wall Street Journal (em inglês). ISSN 0099-9660 
  20. «Venezuelan first lady's nephews convicted in U.S. drug trial». Reuters (em inglês). 19 de novembro de 2016 
  21. Tiempo, Casa Editorial El (30 de janeiro de 2019). «Maduro encabeza lista de 200 venezolanos que no pueden entrar al país». El Tiempo (em spanish). Consultado em 1 de maio de 2019 
  22. «Lista de 30 colaboradores de Maduro que no pueden ingresar a Colombia». RCN Radio (em espanhol). 31 de janeiro de 2019. Consultado em 1 de maio de 2019 
  23. a b «Canada to Impose Sanctions on More Venezuelan Officials». VOA (em inglês). Consultado em 1 de maio de 2019 
  24. Government of Canada, Public Works and Government Services Canada (13 de junho de 2018). «Canada Gazette, Part 2, Volume 152, Number 12: Regulations Amending the Special Economic Measures (Venezuela) Regulations». gazette.gc.ca. Consultado em 1 de maio de 2019 
  25. «Canadá impone sanciones a la mujer de Maduro y otros trece cargos del régimen de Venezuela». abc (em espanhol). 30 de maio de 2018. Consultado em 1 de maio de 2019 
  26. Web, El Nacional (30 de março de 2018). «Los 55 funcionarios sancionados por Panamá por "blanqueo de capitales"». El Nacional (em espanhol). Consultado em 1 de maio de 2019 
  27. «Panamá sanciona a Nicolás Maduro, 54 funcionarios chavistas y a 16 empresas relacionadas (Lista) - Efecto Cocuyo». efectococuyo.com. Consultado em 1 de maio de 2019 
  28. «Latin American Herald Tribune - Panama Sanctions Venezuela, Including Maduro & 1st Lady Family Companies». www.laht.com. Consultado em 1 de maio de 2019 
  29. "¡Qué casualidad! Empresas sancionadas por Panamá son de la familia de "Cilita" Flores | El Cooperante". El Cooperante (in Spanish)
  30. «US slaps sanctions on Venezuela's first lady» (em inglês). 25 de setembro de 2018 
  31. Web, El Nacional (25 de setembro de 2018). «EEUU emite nuevas sanciones contra funcionarios del gobierno de Maduro». El Nacional (em espanhol). Consultado em 1 de maio de 2019 
  32. «Treasury Targets Venezuelan President Maduro's Inner Circle and Proceeds of Corruption in the United States | U.S. Department of the Treasury». home.treasury.gov. Consultado em 1 de maio de 2019 
  33. Kirby, Shannon (27 de setembro de 2018). «US Sanctions on Venezuela First Lady Solidify Country's Mafia State Status». InSight Crime (em inglês). Consultado em 1 de maio de 2019 
  34. https://www.washingtonpost.com/world/national-security/us-sanctions-target-venezuelas-first-lady-and-presidents-inner-circle/2018/09/25/e5994c9d-11ff-4060-8f38-349ef14e2f27_story.html
  Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.