Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Ciranda (desambiguação).
Lia de Itamaracá, uma das mais célebres cirandeiras.

Ciranda é um tipo de dança e música de Pernambuco. É originada mais precisamente na Ilha de Itamaracá, através das mulheres de pescadores que cantavam e dançavam esperando eles chegarem do mar. Caracteriza-se pela formação de uma grande roda, geralmente nas praias ou praças, onde os integrantes dançam ao som de ritmo lento e repetido.[1]

Um dos maiores expoentes do folguedo é Lia de Itamaracá, considerada a "rainha da ciranda".[2]

MúsicaEditar

O ritmo, quaternário simples, lento, com o compasso bem marcado por um toque grave da zabumba (ou bumbo) na cabeça do compasso e toques abafados nos outros tempos, acompanhado pelo tarol, o ganzá, o maracá, é coreografado pelo movimento dos cirandeiros. São utilizados normalmente instrumentos de percussão.

DançaEditar

Na marcação do zabumba, os cirandeiros pisam forte com o pé esquerdo à frente. Num andamento para a direita na roda de ciranda, os dançarinos dão dois passos para trás e dois passos para a frente, sempre marcando o compasso com o pé esquerdo à frente. Os passos podem ser simples ou coreografados.

As coreografias, quando há, são individuais. O dançarino pode aumentar o número de passos e fazer coreografias com as mãos e o corpo, sempre mantendo a marcação com o pé esquerdo à frente. "A Ciranda é uma dança comunitária que não tem preconceito quanto a sexo, cor, idade, condição social ou econômica dos participantes, assim como não há limite para o número de pessoas que dela podem participar. Começa com uma roda pequena que vai aumentando, à medida que as pessoas chegam para dançar, abrindo o círculo e segurando nas mãos dos que já estão dançando. Tanto na hora de entrar como na hora de sair, a pessoa pode fazê-lo sem o menor problema. Quando a roda atinge um tamanho que dificulta a movimentação, forma-se outra menor no interior da roda maior." [3] [1][4] [5]

LetraEditar

A letra da ciranda pode ser improvisada ou já conhecida. De melodia simples e normalmente com estribilho, para facilitar o acompanhamento, é entoada pelo mestre cirandeiro, acompanhada pelos tocadores e pelos dançarinos.

Referências

  1. a b «Danças brasileiras: Ciranda». Consultado em 16 de outubro de 2009. Arquivado do original em 7 de junho de 2011 
  2. Lia de Itamaracá: a volta da rainha da ciranda
  3. *Fundaj - Lúcia Gaspar
  4. «Pernambucobeat - O que é Ciranda». Consultado em 16 de outubro de 2009. Arquivado do original em 31 de agosto de 2010 
  5. «Danças folclóricas: Ciranda». Consultado em 16 de outubro de 2009. Arquivado do original em 28 de março de 2010 

Ligações externasEditar