A Classe Aratu corresponde a uma classe de navios varredores de minas, que tem como origem a Schütze-Klasse da Alemanha. Os navios foram adquiridos pela Marinha do Brasil entre 1971 e 1975, e foram fabricados pelo estaleiro Abeking & Rasmussen, em Lemwerder, na ex-Alemanha Ocidental.

Estes navios foram construídos com casco de madeira e materiais amagnéticos para diminuir a influência do mesmo nos seus equipamentos de detecção. Devido a seu material de construção, após trinta anos de serviços, estas embarcações começaram a apresentar elevado nível de desgaste. Diante da falta de recursos para a sua substituição ou modernização, a Marinha Brasileira iniciou um programa de revitalização em 2001, desenvolvido na Base Naval de Aratu.

Os serviços compreenderam a substituição do convés e do tijupá, bem como a troca dos equipamentos programadores de varreduras por um console nacional desenvolvido pelo Instituto de Pesquisas da Marinha (IPqM)[1].

CaracterísticasEditar

  • Deslocamento: 241 ton (padrão), 280 ton (plena carga)
  • Comprimento: 47,4 m
  • Boca:7,2 m
  • Calado: 2,4 m
  • Velocidade :24 nós (máxima)
  • Raio de Ação: 710 milhas a 20 nós
  • Tripulação: 32 praças e 4 oficiais
  • Armamento: 1 canhão Bofors 40 mm
  • Capacidade de Varredura: mecânica, acústica e magnética
  • Propulsão: 4 motores diesel, 4.500 hp

Lista de naviosEditar

 
NV Araçatuba (M-18) da Classe Aratu.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Sistemas de Armas. «Modernização da Marinha do Brasil». 2005. Consultado em 10 de maio de 2010 
  • A Guerra de Minas na Marinha do Brasil. Revista Tecnologia e Defesa, n° 104.

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Classe Aratu


  Este artigo sobre a Marinha do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.