Colin Renfrew

Andrew Colin Renfrew (Stockton-on-Tees, 25 de julho de 1937) é um arqueólogo britânico. Seu nome é relacionado à hipótese anatólica sobre a Urheimat (pátria originária) dos Indo-europeus (Teoria da continuidade), segundo a qual os proto-indo-europeus teriam surgido entre o sétimo e o sexto milênio a.C. em Anatólia e dali se teriam espalhado, por irradiação cultural, não por migração física, para Europa, difundindo as conquistas da Revolução agro-pecuária do Neolítico. A hipótese de Renfrew opõe-se à hipótese Kurgan.

Colin Renfrew
Nascimento 25 de julho de 1937 (83 anos)
Stockton-on-Tees
Nacionalidade Britânico
Cidadania Reino Unido
Cônjuge Jane Margaret Ewbank
Filho(s) Helena M. Renfrew-Knight, Alban Renfrew, Magnus Renfrew
Alma mater
Ocupação arqueólogo, antropólogo, pré-historiador, político
Prêmios Prêmio Latsis Europeu (2003), Prêmio Balzan (2004)
Empregador Universidade de Sheffield, Universidade de Southampton, Universidade de Cambridge
Campo(s) Arqueologia

BiografiaEditar

Após ter estudado em St Albans (Hertfordshire), entre 1956 e 1958 prestou serviço militar na Royal Air Force. Uma vez licenciado, assistiu a cursos de Arqueologia e de Antropologia no St John's College da Universidade de Cambridge, na qual se graduou em 1961. Em 1965 defendeu a sua tese de doutoramento: Neolithic and Bronze Age cultures of the Cyclades and their external relations ("As culturas neolíticas e da Idade do Bronze das ilhas Cíclades e as suas relações externas").

Desde 1965 foi investigador adscrito ao departamento de Pré-História e Arqueologia da Universidade de Sheffield. Entre 1968 e 1970 dirigiu escavações arqueológicas em Sitagroi, Grécia. Em 1972 obteve a cátedra de Arqueologia na Universidade de Southampton, passando a dirigir escavações nas ilhas Orcadas (Grã-Bretanha) e em Milos. Voltou para Sitagroi, onde trabalhou com Marija Gimbutas.

Em 1981 foi chamado pela Universidade de Cambridge, na qual ensinou Arqueologia ate à sua jubilação (2001). Em 1990 tornou-se diretor do Instituto de Investigação Arqueológica "McDonald". De 2004 é presidente do Managing Council for the British School em Atenas.

DistinçõesEditar

ObrasEditar

  • The Emergence of Civilization: The Cyclades and the Aegean in The Third Millennium BC, Londres. 1972.
  • Before Civilisation, the Radiocarbon Revolution and Prehistoric Europe, Pimlico, Londres. 1973. ISBN 0-7126-6593-5
  • An Island Polity, the Archaeology of Exploitation in Melos, com Malcolm Wagstaff (ed.), Cambridge University Press, Cambridge 1982.
  • The Archaeology of Cult, the Sanctuary at Phylakopi (ed.), British School at Athens and Thames & Hudson, Londres. 1985.
  • Archaeology and Language: The Puzzle of Indo-European Origins, Pimlico, Londres. 1987. ISBN 0-7126-6612-5
  • Archaeology: Theories, Methods and Practice, com Paul Bahn, Thames e Hudson, Londres 1991. ISBN 0-500-28147-5
  • Loot, Legitimacy and Ownership: The Ethical Crisis in Archaeology, Duckworth, Londres. 2000. ISBN 0-7156-3034-2
  • Figuring It Out: The Parallel Visions of Artists and Archaeologists, Thames and Hudson, Londres. 2003. ISBN 0-500-05114-3
  • Prehistoric Sitagroi : excavations in northeast Greece, 1968-1970, com Marija Gimbutas e Ernestine S. Elster (ed.), Cotsen Institute of Archaeology, University of California, Los Angeles, 1986-2003.

Ligações externasEditar