O Conclave de 1572 foi a reunião de eleição papal realizada após a morte do Papa Pio V. Durou de 12 a 13 de maio de 1572.[1][2]

Conclave de 1572
Conclave de 1572
O Papa Gregório XIII
Data e localização
Pessoas-chave
Decano Giovanni Gerolamo Morone
Vice-Decano Cristoforo Madruzzo
Camerlengo Luigi Cornaro
Protopresbítero Niccolò Caetani di Sermoneta
Protodiácono Innocenzo Ciocchi Del Monte
Eleição
Eleito Papa Gregório XIII
(Ugo Boncompagni)
Participantes 53
Ausentes 13
Escrutínios 1
Cronologia
Conclave de 1565–1566
Conclave de 1585
dados em catholic-hierarchy.org
Brasão papal de Sua Santidade o papa Gregório XIII

Divisão dos cardeais

editar

O Colégio Cardinalício foi dividido em várias facções. A maioria dos criados pelo Papa Pio IV seguiu a liderança de seus sobrinhos Carlos Borromeu e Mark Sittich von Hohenems. Michele Bonelli, sobrinho-neto de São Pio V, era o líder dos cardeais elevados por este pontífice. Alessandro Farnese era ainda muito influente, e tinha adeptos não só entre os criados por seu avô Papa Paulo III. Os interesses de Filipe II de Espanha foram representadas por Pacheco e Granvella. O cardeal Rambouillet foi o principal representante de Carlos IX da França no conclave[3][4].

Candidatos ao papado

editar

Cardeais Farnese, Savelli, Correggio, Ricci e Boncompagni foram considerados os principais papabili [4]. Farnese foi o mais ativo na promoção de sua candidatura própria, mas ele também se reuniu com a oposição mais forte. Seu principal adversário foi o Cardeal Médici, por causa da rivalidade entre a Casa de Medici (Grão-Ducado da Toscana) e da Casa de Farnese (Ducado de Parma), no norte da Itália. Também o rei Filipe II de Espanha era contra a candidatura Farnese, porque ele considerava sua elevação perigosa para o equilíbrio de poder na Itália. Os Farnese consideravam como inaceitável a eleição do austero Carlos Borromeu. Dessa forma, tinha-se a ideia de que o conclave iria durar muito tempo, talvez até vários meses [5].

Conclave

editar

Cinqüenta e dois Cardeais entraram no conclave, em 12 de maio. No mesmo dia à noite, juntou-se mais um, Granvella, vice-rei de Nápoles e representante oficial de Filipe II de Espanha[6]. O primeiro passo dado por Granvella foi informar Alessandro Farnese que o Rei de Espanha não iria aceitar a sua eleição e pedir-lhe que retirasse sua candidatura, a fim de manter a paz na Itália. Surpreso, Farnese entendeu que com a oposição tão forte, ele nunca iria obter a maioria necessária, mas, admitindo sua derrota, ele queria ser capaz de usar sua influência efetiva na escolha do novo pontífice[7]. Quase todo o dia seguinte, os líderes das facções principais, Farnese, Bonelli, Granvelle e Borromeo, passaram à procura de um candidato de consenso e, finalmente, concordaram em eleger aos setenta anos de idade Ugo Boncompagni[8]. O primeiro escrutínio teve lugar em 13 de maio às seis horas da noite. No final da fase de accessus[2] Ugo Boncompagni foi eleito Papa, recebendo todos os votos, exceto o de sua autoria, que deu a Granvella. Ele aceitou a sua eleição e tomou o nome de Gregório XIII, em honra do Papa Gregório I [9].

O povo de Roma foi surpreendido com uma eleição tão rápida, mas congratulou-se com o novo papa, porque ele não era nem religioso, nem um austero "teatino", como a maioria das pessoas temiam[9]. Em 25 de maio, Gregório XIII foi solenemente coroado pelo Cardeal Protodiácono Innocenzo del Monte[2].

Cardeais votantes

editar
* Eleito Papa

Cardeais Bispos

editar

Cardeais Presbíteros

editar

Cardeais Diáconos

editar

Cardeais ausentes

editar

Cardeais Presbíteros

editar

Cardeal Diácono

editar

Referências

  1. «Catholic Hierarchy» (em inglês). Consultado em 11 de abril de 2011 
  2. a b c «The Cardinals of the Holy Roman Church» (em inglês). Consultado em 11 de abril de 2011 
  3. Ludwig von Pastor, History of the Popes vol. XIX[ligação inativa], Londres 1930, p. 12-15
  4. a b «História Vaticana» (em alemão) 
  5. L. Pastor, p. 12-13
  6. L. Pastor, p. 12
  7. L. Pastor, p. 13
  8. L. Pastor, p. 13-15
  9. a b L. Pastor, p. 15