Abrir menu principal

Os Condes de Ânglia Oriental eram governadores da região inglesa da Ânglia Oriental durante o século XI. O cargo foi criado por Canuto em 1017 e desapareceu após a participação de Raul de Gael na fracassada Revolta dos Condes em 1075.

Índice

Ancião da Ânglia OrientalEditar

Até 917 Ânglia Oriental era um reino, que desde 870 estava sob controle dinamarquês. Nesse ano, a Ânglia Oriental dinamarquesa submeteu-se ao rei Eduardo, o Velho e a região tornou-se parte da expansão do Reino da Inglaterra. Não está claro quem foi colocado no comando, mas é provável que o ancião Atelfrido do Sudeste da Mércia pode ter recebido autoridade sobre a área recém-restaurada por Eduardo.[1] Ele morreu por volta de 927[2] e foi sucedido por seu filho, Atelstano, o Meio-Rei, um aristocrata muito poderoso que governou um extenso território e testemunhou inúmeras cartas em 932, e cuja família permaneceu poderosa na área.[3]

Condes dinamarqueses, ingleses e normandosEditar

Seguindo a conquista de Canuto da Inglaterra, em 1016, no ano seguinte, ele dividiu o reino em algumas regiões administrativas grandes regidas por condes, que seguiram os contornos territoriais dos antigos reinos de Wessex, Mércia, Nortúmbria e Ânglia Oriental, mais ou menos o que tinha existido em meados do século IX. O núcleo do condado da Ânglia Oriental composto por Norfolk e Suffolk, enquanto outros, tais como os condados de Essex, Middlesex e Cambridgeshire, também foram incluídos na mesma, em vários momentos. O primeiro conde de Ânglia Oriental foi Thorkell, o Alto, nomeado em 1017. Thorkell e sua família foram banidos por Canuto em 1021, apenas para serem perdoados novamente em 1023. Seus sucessores imediatos são desconhecidos.

A dinastia inglesa nativa foi restaurada com a ascensão do rei Eduardo, o Confessor em 1042. Durante o seu reinado na Ânglia Oriental, menor do que os outros três condados originais e não contendo a base de poder de qualquer um dos pequenos punhados de famílias que então dominavam a política inglesa, tornou-se uma postagem detida por membros mais jovens de duas destas grandes famílias. Em 1045 o condado estava nas mãos de Haroldo, o segundo filho de Goduíno. Em 1051 Goduíno e seus filhos foram levados para o exílio e seus condados atribuídos a outros; Ânglia Oriental foi para Alfgar, filho de Leofrico, Conde da Mércia. No entanto, em 1052 Goduíno e seus filhos voltaram com força para a Inglaterra e recuperaram suas posições anteriores. Quando Goduíno morreu em 1053 Haroldo foi nomeado conde de Wessex, em seu lugar, e ele foi novamente substituído na Ânglia Oriental por Alfgar. Em 1055 Alfgar foi proscrito e conduzido para o exílio, mas dentro de um ano ele havia recuperado sua antiga posição. Ele também recebeu propriedades maiores em 1057, quando seu pai Leofrico morreu e foi nomeado conde de Márcia em seu lugar. O condado da Ânglia Oriental foi então atribuído a Girto, um dos irmãos mais novos de Haroldo, que o manteve até sua morte na Batalha de Hastings em 1066.[4]

Após a conquista normanda da Inglaterra, Guilherme, o Conquistador nomeou Raul, o Escudeiro, um aristocrata de ascendência bretã nascido em Norfolk, ao condado.[5] Em sua morte, ele foi substituído por seu filho Raul de Gael, que foi um dos líderes de uma rebelião contra Guilherme, conhecida como a Revolta dos Condes, em 1075. Com o fracasso desta revolta Raul fugiu para suas terras na Bretanha e nenhum sucessor foi designado (embora muitas das posses de Raul passaram para o grande magnata bretão Alano, o Vermelho). Condados posteriores criados na região eram em menor escala. Isso estava de acordo com a evolução no resto do país. Considerando que, em meados do século XI a Inglaterra tinha sido administrada através de um punhado de grandes condados que cobriam todo o país, sob os reis normandos os condados logo foram reduzidos a unidades que cobrem apenas um único condado, encontrado apenas em algumas partes do reino, e em pouco tempo eles haviam se tornado essencialmente títulos honoríficos, em vez de posições de poder governamental real.

Lista de anciões e condesEditar

Anciões ingleses da Ânglia Oriental
De Até Incumbente Fonte(s) Notas
930 931 Alfredo [6]
932 956 Atelstano, o Meio-Rei [6]
957 962 Atelvaldo [6]
962 992 Atelvino [6]
993 1002 Leofsige [6]
condes dinamarqueses da Ânglia Oriental
De Até Incumbente fonte(s) Notas
1017 1021 Thorkell, o Alto [6]
? c. 1026 1044 ou 1045 Osgod Clapa * [6] * Incerto[6]
Condes ingleses da Ânglia Oriental
De Até Incumbente Fonte(s) Notas
1044 ou 1045 1051 Haroldo Godwinson [6]
1051 1052 Alfgar [6]
1052 1053 Haroldo Godwinson [6]
1053 1057 Alfgar [6]
1057 1066 Girto [6]
Condes normandos da Ânglia Oriental
De Até Incumbente Fonte(s) Notas
1067 1069 Raul, o Escudeiro [6]
c. 1069 1075 Raul de Gael [6]

Referências

  1. Walker, Ian W. Mercia and the making of England Sutton 2000 ISBN 0-7509-2131-5 p130
  2. Aemyers Genealogy: Earl Athelfrith Consultado em 28 de fevereiro de 2016.
  3. "Æthelstan 26". Prosopography of Anglo-Saxon England. Consultado em 28 de fevereiro de 2016.
  4. la Zouche, Lucy. Den of Spies. Lulu.com, 2015. pp. 152. ISBN 1326384384
  5. R. Huscroft. The Norman Conquest: A New Introduction. Londres: Routledge, 2013. pp. 148. ISBN 1317866274
  6. a b c d e f g h i j k l m n o Cyril Hart, The Danelaw, Londres (1992), p. 195, índice 5.2