Congregação das Escravas do Sagrado Coração de Jesus


Congregação das Escravas do Sagrado Coração de Jesus
 
Ancillae Cordis Iesu
Brasão Congregação das Escravas do Sagrado Coração de Jesus
sigla
A.C.I
Tipo: Congregação religiosa católica
Fundador (a): Santa Rafaela Maria
Local e data da fundação: Madrid, 14 de abril de 1877
Aprovação: 1886, por Leão XIII
Superior geral: Ir. Rosario Fernandez-Villarán,A.C.I


Atividades: missionário e educacional
Sede: Via Parre 16, Roma
Site oficial: http://www.congregacion-aci.org/
Portal Catolicismo · uso desta caixa



A Congregação das Escravas do Sagrado Coração de Jesus[1] (em latim, Ancillae Cordis Iesu, A.C.I.) é uma congregação religiosa católica cuja primeira comunidade foi erigida em Madrid, a 14 de abril de 1877. Fundada por duas irmãs: Rafaela Maria Porras y Ayllón e Dolores Porras y Aillón, respectivamente a primeira e segunda Superioras Gerais desta Ordem, deve o seu nome à missão de reparação do Sagrado Coração de Jesus, que assumem as suas religiosas, o que fazem pela dedicação ao culto da Eucaristia e à educação evangelizadora.[2][3]

A intenção das suas fundadoras, Santa Rafaela Maria e Madre Pilar, foi criar uma família com uma missão particular na Igreja: reparar o Coração de Jesus, com uma vida centrada na Eucaristia, através da sua celebração e adoração.

A missão centra-se essencialmente na educação evangelizadora, em colégios, nas paróquias, em escolas e bairros, em residências universitárias e em casas de oração.

O Instituto teve a sua origem em Espanha, terra das fundadoras, Pedro Abad, uma aldeia perto de Córdova. Desde o início Santa Rafaela Maria[4]quis que a Congregação tivesse como princípios o de ser “universal como a Igreja Católica”, deste modo, as irmãs deveriam estar disponíveis para servir onde seja necessário com o intuito de “pôr Cristo à adoração dos povos” levando sua mensagem para qualquer lugar ou situação onde o Seu Coração necessite de ser reparado.

Atualmente a comunidade conta com cerca de 1000 membros, espalhadas por 130 comunidades, em 23 países do Mundo. A partir da Santa Rafaela Maria a congregação herdou como “herança” uma forma de olhar para o mundo com esperança e misericórdia, descobrindo nele as faltas de vida, as necessidades de reparação, as “feridas” que pedem o amor do Coração manso e humilde de Jesus.

Referências

  1. «Website da Congregação das Escravas do Sagrado Coração de Jesus» 
  2. «Congregação». Consultado em 11 de setembro de 2011. Arquivado do original em 14 de setembro de 2011 
  3. «Vida Religiosa: Escravas do Sagrado Coração de Jesus projectam futuro de mãos dadas com os leigos». Agência Ecclesia. 22 de Fevereiro de 2011. Consultado em 11 de Setembro de 2011. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2011 
  4. «Saint Rafaela Porras y Ayllón» 

Ligações externasEditar

  Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.