Constituição portuguesa de 1933

(Redirecionado de Constituição de 1933)

A Constituição Política da República Portuguesa de 1933 foi a constituição política que vigorou em Portugal entre 1933, ano em que foi terminada a Ditadura Nacional, e 1976, data em que a a atual Constituição entrou em vigor, no seguimento de, em 1974, o regime do Estado Novo ter sido deposto pela Revolução de 25 de Abril.

ElaboraçãoEditar

Documento fundador do Estado Novo em Portugal, o seu projeto[1] foi elaborado, a partir de um primeiro esboço da autoria de Quirino Avelino de Jesus[2], por um grupo de professores de Direito convidados por António de Oliveira Salazar e por ele diretamente coordenado. Marcello Caetano, que secretariou o processo de revisão do articulado do projeto, destacou o papel técnico de Domingos Fezas Vital, professor Direito Constitucional da Universidade de Coimbra.[3]

O projeto foi objecto de apreciação pelo Conselho Político Nacional[4] e publicado na imprensa para discussão pública[5].

Aprovação e entrada em vigorEditar

O texto final da Constituição foi publicado em suplemento ao Diário do Governo de 22 de Fevereiro de 1933 e objecto de plebiscito em 19 de Março do mesmo ano[6].

A Constituição entrou em vigor em 11 de Abril de 1933, data da publicação no Diário do Governo da acta de apuramento final dos resultados do plebiscito.

AlteraçõesEditar

O texto inicial foi objecto das seguintes alterações:

Após a Revolução, a Constituição foi alvo das seguintes revisões:

CaracterizaçãoEditar

Tendo como principais influências a Constituição de 1911 (por oposição), a Carta Constitucional de 1826 e as Constituições alemãs de 1871 e 1919, a Constituição de 1933 representou a concretização dos ideais de Salazar, inspirados no corporativismo, na doutrina social da Igreja e nas concessões nacionalistas. A figura do Chefe de Estado encontrava-se subalternizada, efectivando-se a confiança política ao contrário no disposto na Constituição: na prática, era o Presidente da República que respondia perante o Presidente do Conselho, Oliveira Salazar. Assim, não é de estranhar que a partir de 1959, ano de revisões à Constituição, a eleição do Presidente da República passasse a ser por sufrágio indirecto. Deste modo, havia um único partido, a União Nacional, sendo todos os outros abolidos. O Parlamento era bicamaral, composto por uma Assembleia Nacional, constituída por deputados escolhidos através de um processo eleitoral nominal que acaba eventualmente influenciado fortemente pelo Governo, de forma a assegurar que se discutiam, problemas e soluções concretas ao invés de ideologias, e por uma Câmara Corporativa, representante da sociedade civil, com um papel consultivo.

Os principais pontos da Constituição eram[7]

  • Compartimentalizar e isentar os vários pólos de governação dos territórios Portugueses através de autonomia governamental e orçamental
  • Estabelecer um Governo de autarcia
  • Criar uma Assembleia Nacional de eleição nominal
  • Dar ao Executivo o poder de legislar por força de Decretos-lei e rever a letra da lei emitida pela Assembleia Nacional
  • Responsabilizar o Presidente do Conselho de Ministros perante o Chefe de Estado para assegurar a sua honestidade e rectidão perante a pessoa que nele investia os poderes públicos.
  • Criar uma Câmara Corporativa para permitir a representação da sociedade civil

Assim, o tipo de Estado era uma República Corporativa de forma unitária regional, incorporando as "províncias ultramarinas", consagrando o ideal de Salazar de preservar a Nação Portuguesa "do Minho a Timor". O Acto Colonial no entanto preconizava a separação completa da governação entre a metrópole e as Províncias Ultramarinas.

Fontes e bibliografiaEditar

  • CAETANO, Marcelo. História Breve das Constituições Portuguesas. Lisboa, Verbo, 3.ª ed., 1971.
  • CANOTILHO, Margarida. «A Constituição de 1933», in 1933: A Constituição do Estado Novo. Lisboa, Planeta De Agostini, 2008, pp. 6–29.
  • MIRANDA, Jorge. As Constituições Portuguesas: de 1822 ao Texto Actual da Constituição. Lisboa, Livraria Petrony Lda., 4.ª ed., 1997.ISBN 972-685-077-0
  • MOREIRA, Vital. «O Sistema Jurídico-Constitucional do Estado Novo», in MEDINA, João (dir). História de Portugal: Dos Tempos Pré-Históricos aos Nossos Dias. Amadora: Ediclube, Edição e Promoção do Livro, Lda., 2004, vol. XV. ISBN 972-719-283-1
  • CAETANO, Marcelo. Manual de Ciências Políticas e Direito Constitucional TOMO I ISBN 978-972-400-517-1

Ver tambémEditar

Acto Colonial

Referências

  1. SANTOS, Paula Borges; Santos, Paula Borges (2018-08). «In the genesis of the political constitution of 1933: the corporate ideology and the economic-social structure of portuguese authoritarianism». Estudos Históricos (Rio de Janeiro). 31 (64): 173–196. ISSN 0103-2186. doi:10.1590/s2178-14942018000200004  Verifique data em: |data= (ajuda)
  2. Marcelo Caetano, Minhas Memórias de Salazar, 3.ª ed., Lisboa, 1985, p. 44
  3. Marcelo Caetano, obra citada
  4. ARAÚJO, António de (2007). A lei de Salazar: estudos sobre a Constituição Política de 1933. Coimbra: Tenacitas 
  5. RIBEIRO, Maria da Conceição Nunes de Oliveira (1990). O debate em torno do projecto de constituição do Estado Novo na imprensa de Lisboa e Porto (1932-1933). Lisboa: Universidade Nova de Lisboa 
  6. O plebiscito foi regulado pelo Decreto n.º 22229, de 21 de Fevereiro de 1933
  7. *CAETANO, Marcelo. Manual de Ciências Políticas e Direito Constitucional TOMO I ISBN 978-972-400-517-1
  Este artigo sobre História de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

ISBN 978-972-400-517-1