Abrir menu principal

Crioulo de Guadalupe

Crioulo de Guadalupe
Falado em: Guadalupe
Total de falantes: 430.000 em Guadalupe (2001)[1][2]
Família: Crioulo de base francesa
 Crioulo antilhano
  Crioulo de Guadalupe
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---

O crioulo de Guadalupe[3][4] é uma língua crioula com seu vocabulário baseado francês e é falado em Guadalupe e Dominica. Esta língua crioula reflete a história de seus falantes, os descendentes de escravos das Antilhas Francesas, e imigrantes oriundos da Índia. Em 2001, este crioulo era falado por cerca de 430.000 pessoas em Guadalupe.[1][2]

História e característicasEditar

O crioulo de Guadalupe foi formado a partir do francês por volta do século XVIII, também contou com contribuições de muitas línguas da África Ocidental, mas o incessante jogo de conquista e perdas territoriais entre ingleses, portugueses e neerlandeses também influenciou. Ainda hoje, as palavras das línguas caribes, africanas, ou indianas estão sempre presentes no crioulo de Guadalupe. Ao contrário do crioulo haitiano, que já esteve mais próximo do francês, mas que se encontra em um processo de afastamento contínuo, o crioulo de Guadalupe segue o movimento inverso, devido à contínua influência da cultura francesa e também da mídia francesa sobre a vida cotidiana da população local.

É muito semelhante aos crioulos da Martinica, das Ilhas dos Santos, da Guiana Francesa e do Haiti, bem como as formas dos crioulos falados nas ex-ilhas francófonas (Dominica e Santa Lúcia). Às vezes, o crioulo de Guadalupe, o crioulo da Dominica, o crioulo da Martinica, o crioulo de Marie-Galante, o crioulo das Ilhas dos Santos, o crioulo de São Bartolomeu, o crioulo francês de Granada e o crioulo de Santa Lúcia são considerados uma única língua, o crioulo antilhano.

G.E.R.E.CEditar

O G.E.R.E.C (Groupe d'Études et de Recherches en Espace Créolophone), fundado em 1975 pelo professor Jean Bernabé, reúne pesquisadores que trabalham com a língua, a cultura e as pessoas crioulas (de Martinica, Guadalupe, Guiana Francesa...), com um olhar específico sobre os crioulos com base lexical derivada do francês e da área francófona. O principal trabalho do G.E.R.E.C foi desenvolver uma escrita para o crioulo, incluindo uma família de padrões para a ortografia, que refere-se a partir de 1976.

Referências

  1. a b «Guadeloupean Creole French» (em inglês). Ethnologue. Consultado em 22 de setembro de 2016 
  2. a b «Guadeloupe» (em inglês). Ethnologue. Consultado em 22 de setembro de 2016 
  3. «Cours de créole très riche (guadeloupéen)» (em francês). Consultado em 17 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 12 de abril de 2010 
  4. «Guide de conversation français/créole (Martinique et Guadeloupe)» (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 13 de abril de 2010 

Ligações externasEditar