Abrir menu principal

Crise dos reféns do teatro de Dubrovka

Crise dos reféns do teatro de Dubrovka
As forças especiais russas entram no teatro Dubrovka durante a crise de reféns em Moscou em 2002.
Local Rússia Moscou
Data 23 de outubro de 2002 - 26 de outubro de 2002 (17 anos)
Mortes 130
Feridos Mais de 700
Responsável(is) Chechen Special Operations Regiment patch.jpg Regimento Islâmico para Propósitos Especiais

Movsar Barayev (líder)  
Abu Bakar (vice-líder)  
Shamil Basayev (reivindicou responsabilidade pela organização)
Motivo Conflito russo-checheno

A crise dos reféns no teatro Dubrovka foi a tomada do teatro lotad por 40 a 50 chechenos armados em 23 de outubro de 2002 e que envolveu 850 reféns e terminou com a morte de pelo menos 170 pessoas. Os terroristas, liderados por Movsar Barayev, reivindicaram lealdade ao movimento separatista islâmico na Chechênia.[1] Eles exigiram a retirada das forças russas da Chechênia e o fim da Segunda Guerra Chechena.

Devido à estrutura do teatro, as forças especiais teriam que lutar por 30 metros de corredor e atacar uma escada bem defendida antes que pudessem chegar ao salão em que os reféns eram mantidos. Os agressores possuíam vários explosivos, sendo que os mais poderosos estavam no centro do auditório. Após o assassinato de duas reféns em dois dias e meio, os grupos de elite da Spetsnaz do Serviço Federal de Segurança (SFS) Alpha e Vympel, apoiadas por uma unidade SOBR do Ministério de Assuntos Internos da Rússia (MVD), bombearam um agente químico não revelado sistema de ventilação do edifício e iniciou a operação de resgate.[1]

Todos os 40 insurgentes foram mortos[2] e até 204 reféns morreram durante o cerco, incluindo nove estrangeiros, devido ao envenenamento pelo gás usado pelas forças russas.[3] Todos, exceto dois dos reféns que morreram durante o cerco, foram mortos pela substância tóxica bombeada para o teatro para subjugar os insurgentes.[4][5] A identidade do gás nunca foi divulgada, embora se acredite que alguns tenham sido um derivado do fentanil, como o carfentanil.[6]

O atentadoEditar

Durante a apresentação do espetáculo musical Nord-Ost ("Norte-Leste" em alemão), 42 militantes chechenos armados ocuparam o teatro lotado, anunciando pertencer ao movimento separatista da Chechênia, e tomaram as 850 pessoas presentes como reféns. Em troca da libertação dessas pessoas, exigiram a retirada das forças russas da Chechênia, bem como o fim da Segunda Guerra da Chechênia. Oficialmente, a ação foi liderada por Movsar Barayev, de 23 anos.[1]

Depois de mais de dois dias de ocupação do teatro, as forças especiais russianas (Spetsnaz) bombearam um gás tóxico desconhecido através do sistema de ventilação do edifício e começaram a invasão.[1] Oficialmente, 39 dos sequestradores foram mortos pelas forças russas, além de pelo menos 129 reféns (incluindo nove estrangeiros), sendo que algumas estimativas referem-se a mais de 200.

Quase todos os reféns que morreram durante a ocupação foram mortos pela substância tóxica bombeada para dentro do teatro. Poucos morreram em consequência de ferimentos por arma de fogo.[7][8]

O uso do gás foi amplamente condenado.[9] Os médicos de Moscou também condenaram o segredo acerca da natureza da substância, pois, se ela fosse conhecida, eles poderiam administrar um antídoto específico e salvar mais vidas. Vários reféns morreram a caminho do hospital ou logo que chegaram.[10]

VítimasEditar

 
O presidente Vladimir Putin visita o Instituto de Medicina de Emergência Sklifosovsky para se encontrar com reféns resgatados do teatro Dubrovka.

O número de vítimas estimadas varia significativamente porque muitos reféns permaneceram desaparecidos e não foram incluídos na lista oficial.[3] Algumas estimativas colocam o número de civis mortos em mais de 200,[11] com 204 nomes em uma lista[12] ou até 300, incluindo pessoas que morreram em um ano após o cerco por consequências do gás venenoso.[3] Alguns ex-reféns e parentes das vítimas alegam que o número de mortos pelo agente químico está sendo mantido em segredo.[13] Segundo números oficiais, 40 terroristas e cerca de 130 reféns morreram durante o ataque ou nos dias seguintes.[14]

O doutor Andrei Seltsovsky, presidente do comitê de saúde de Moscou, anunciou que todos, exceto um dos reféns mortos no ataque, morreram mais pelos efeitos do gás desconhecido do que por ferimentos a bala.[7] A causa da morte listada para todos os reféns foi declarada "terrorismo", alegando que eles morreram de ataques cardíacos ou outras doenças físicas.[15] Entre as mortes, 17 eram membros do elenco do espetáculo Nord-Ost, incluindo dois atores mirins.[16]

Dos estrangeiros, três eram da Ucrânia e os outros eram cidadãos da Áustria, Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Países Baixos e Estados Unidos.[16] Cerca de 700 reféns sobreviventes foram envenenados por gás e alguns deles sofreram ferimentos que resultaram em incapacidades de segunda e terceira classe (pelo sistema russo/ex-soviético de classificação de incapacidades; indicam gravidade média e máxima e debilitação). Vários agentes das forças especiais russas também foram envenenados pelo gás durante a operação. De acordo com o testemunho do prof. A. Vorobiev, diretor do Centro de Bacteriologia Acadêmica da Rússia, a maioria, se não todas, as mortes foram causadas por asfixia quando os reféns desabaram em cadeiras com a cabeça para trás ou foram transportados e deixados deitados de bruços por equipes de resgate; nessa posição, o prolapso da língua causa obstrução da respiração.[17]

ResponsáveisEditar

O grupo militante radical checheno, o Regimento Islâmico para Propósitos Especiais (SPIR), conduziu a operação. O grupo foi liderado por Movsar Barayev. O comandante militar Shamil Basayev postou em seu site uma declaração reivindicando a responsabilidade final pelo incidente, renunciando a todas as posições oficiais dentro do governo checheno e prometendo novos ataques. Ele também pediu desculpas ao presidente eleito da Chechênia e ao líder separatista Aslan Maskhadov por não o informar sobre o planejamento do ataque e pediu perdão.[18][19] Basayev defendeu a tomada de reféns por dar a "todos os russos uma visão em primeira mão de todos os encantos da guerra desencadeada pela Rússia e levá-la de volta à sua origem" e disse que seu próximo "objetivo principal será destruir o inimigo e exigir dano máximo" e "da próxima vez, quem vier não fará nenhuma exigência, não fará reféns".[18][20] Uma série de atentados suicidas contra alvos civis na Rússia se seguiu em 2003 e 2004.

O governo russo alegou que conversas telefônicas com grampos provam que Maskhadov sabia dos planos antecipadamente, o que ele negou.[21] Aslan Maskhadov e seus representantes no Ocidente condenaram o ataque, que eles disseram não ter nada a ver com a política oficial. Maskhadov disse que se sentia responsável por "quem recorreu ao autossacrifício em desespero", mas também disse que as "políticas bárbaras e desumanas" da liderança russa deveriam culpar e criticar o assalto ao teatro. Ele se ofereceu para iniciar negociações de paz incondicionais com o governo russo para encontrar uma solução política para o conflito na Chechênia.[22]

O cerco foi visto como um desastre de relações públicas para Maskhadov, e seus comandantes de campo islâmicos mais radicais se beneficiaram correspondentemente.[23] Alguns comentaristas sugeriram que Movladi Udugov estava no comando nos bastidores.[24] O especialista militar russo Pavel Felgenhauer sugeriu que o objetivo dos líderes extremistas parecia ter sido provocar as forças do governo russo "para matar russos étnicos em Moscou em larga escala", o que aconteceu.[11] Segundo o relatório dos investigadores russos, Zura Barayeva, viúva de Arbi Barayev, liderou as integrantes do grupo, enquanto um homem conhecido como Yasir, identificado por seus documentos como Idris Alkhazurov, era o "ideólogo" do grupo para ser treinado na Arábia Saudita.[25] As autoridades russas disseram que os militantes chechenos receberam financiamento de grupos baseados na Turquia e que interceptaram telefonemas dos captores para embaixadas não identificadas em Moscou, bem como para a Turquia e os Emirados Árabes Unidos.[16]

ConsequênciasEditar

Os ataques levaram o governo de Vladimir Putin a apertar o controle russo sobre a Chechênia. Em 28 de outubro, dois dias após a crise, ele anunciou que "medidas adequadas à ameaça" não especificadas seriam adotadas em resposta a atividades terroristas, com relatos de 30 combatentes mortos perto da capital chechena, Grozny.[26] O Ministério da Defesa da Rússia cancelou planos para reduzir a presença de 80.000 tropas na pequena república separatista.[27]

No início de novembro, o ministro da Defesa, Sergei Ivanov, anunciou que as forças russas haviam lançado operações em larga escala contra separatistas em toda a Chechênia.[28] As ações dos militares causaram uma nova onda de refugiados, de acordo com o oficial checheno pró-Moscou e o negociador de crises de reféns Aslanbek Aslakhanov.[27]

Em 29 de maio de 2008, o Tribunal Europeu de Direitos Humanos (TEDH) condenou por unanimidade a Rússia por desaparecimentos forçados em cinco casos da Chechênia, incluindo o desaparecimento de duas jovens mulheres em Ulus-Kert (a promotoria declarou inicialmente à mídia que Aminat Dugayeva e Kurbika Zinabdiyeva haviam sido presas por suspeita de envolvimento com o cerco de Moscou)..[29]

A oferta incondicional do presidente Maskhadov para negociações de paz com a Rússia foi rapidamente rejeitada e o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, comparou esses apelos com a sugestão de que a Europa deveria conduzir conversações com o ex-líder da Al-Qaeda, Osama bin Laden.[30] A Rússia também acusou Akhmed Zakayev de envolvimento no ataque. Quando ele visitou a Dinamarca para um congresso de paz em outubro de 2002 (o evento do Congresso Mundial da Chechênia em Copenhague), os russos exigiram sua prisão e extradição;[18]] Zakayev ficou preso por mais de um mês, mas foi libertado depois que as autoridades dinamarquesas declararam que não estavam convencidas de que foram fornecidas provas suficientes.[31] O Kremlin também acusou as autoridades dinamarquesas de "solidariedade com terroristas", permitindo que a reunião de cerca de 100 chechenos, ativistas russos de direitos humanos e legisladores da Rússia e de outros países europeus para discutir maneiras de acabar com o conflito.[22]

No início de novembro, a Duma russa aprovou uma ampla variedade de legislação antiterrorista, que abrange desde extensas restrições à cobertura da mídia de incidentes relacionados ao terrorismo, até enterros secretos para terroristas mortos (um parlamentar chegou a sugerir envolver cadáveres de terroristas em pele de porco e outra sugeriram "transportá-los pela cidade com as pernas balançando").[32] A nova lei restringiu severamente as denúncias da mídia sobre operações antiterroristas, proibindo a publicação ou transmissão de "qualquer declaração que impeça uma operação de romper tal cerco ou tente justificar os objetivos dos sequestradores".[18] Essas novas políticas provocaram temores renovados na Rússia de que Putin assumisse sistematicamente o controle de toda a mídia.[33]

Em 2003, a Human Rights Watch relatou que os chechenos em Moscou foram submetidos a um aumento de assédio policial após a crise dos reféns.[34] Os chechenos de Moscou aumentaram em número de cerca de 20.000 no período soviético para cerca de 80.000 em 2002.[35]

Muitos na imprensa russa e na mídia internacional alertaram que a morte de tantos reféns na operação de resgate das forças especiais prejudicaria gravemente a popularidade do presidente Putin. Esta previsão supostamente estava errada. Logo após o cerco, o presidente russo obteve índices recordes de aprovação pública; em dezembro de 2002, 83% dos russos declararam-se satisfeitos com o domínio de Putin e com o manejo do cerco.[36]

Reação internacionalEditar

Nas Nações Unidas, ao dotar por unanimidade a Resolução 1440 (2002), o Conselho de Segurança condenou o ato "hediondo" e exigiu a libertação imediata e incondicional de todos os reféns. O Conselho também exigiu a libertação imediata e incondicional de todos os reféns desse ato terrorista e expressou a mais profunda simpatia e condolências ao povo e ao governo da Federação Russa e às vítimas do ataque terrorista e suas famílias. Além disso, o Conselho instou todos os Estados a cooperarem com as autoridades da Federação Russa em seus esforços para encontrar e levar à justiça os autores, organizadores e patrocinadores desse ataque terrorista. [117]

Em um comunicado lido na televisão estatal, o então presidente do Iraque, Saddam Hussein, disse que a tomada de reféns acabaria por beneficiar os Estados Unidos e Israel ao minar o Islã: "Não é prudente que os chechenos percam a simpatia da Rússia e do povo russo. O tirano da nossa época é o sionismo e a América, e não a Rússia, a China ou a Índia. "[118]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d «Modest Silin, Hostage, Nord-Ost siege, 2002». Russia Today. 27 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 26 de junho de 2008 
  2. «Moscow theatre siege: Questions remain unanswered». BBC News. 24 de outubro de 2012 
  3. a b c Satter, David (13 de dezembro de 2011). It Was a Long Time Ago, and It Never Happened Anyway: Russia and the Communist Past. [S.l.]: Yale University Press. p. 303. ISBN 978-0300111453 
  4. «Gas 'killed Moscow hostages'». 27 de outubro de 2002 – via news.bbc.co.uk 
  5. «Moscow court begins siege claims». BBC News. 24 de dezembro de 2002 
  6. MacKenzie, Debora (29 de outubro de 2002). «Mystery of Russian gas deepens». New Scientist 
  7. a b «Gas 'killed Moscow hostages'». BBC News. 27 de outubro de 2002 
  8. Moscow court begins siege claims, BBC News, 24 de dezembro de 2002
  9. Moscow siege gas 'not illegal'. BBC, 29 October, 2002
  10. Mystery of Russian gas deepens por Debora MacKenzie. New Scientist, 29 de outubro de 2002.
  11. a b Dunlop, John B. (18 de dezembro de 2003). «The October 2002 Moscow Hostage-Taking Incident (Part 1)». Radio Free Europe Reports 
  12. Putley, Jeremy (22 de julho de 2006). «Russia's colluders». Prospect 
  13. «Families claim death toll from gas in Moscow siege kept secret». The Guardian. 18 de outubro de 2003 
  14. «Nord-Ost Tragedy Goes On». Moscow News. Cópia arquivada em 29 de fevereiro de 2008 
  15. «At a scene of tragedy in Moscow, an act of hope». The Christian Science Monitor. 10 de fevereiro de 2003 
  16. a b c «Hostage Drama In Moscow: Russia Responds». The New York Times. 29 de outubro de 2002 
  17. «Переадресация...». feedbackgroup.narod.ru. Consultado em 3 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 27 de novembro de 2018 
  18. a b c d «Chechen warlord claims theatre attack». BBC News. 1 de novembro de 2002 
  19. Baker, Peter (2 de novembro de 2002). «Russian Lawmakers Vote to Curb News Media – Terrorism Reporting Restricted After Crisis». The Washington Post. p. A.18. Cópia arquivada em 13 de março de 2007 
  20. «Warlord admits Moscow theatre raid». CNN. 1 de novembro de 2002. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2008 
  21. Baker, Peter (1 de novembro de 2002). «Russia Defends Actions Taken in Theater Siege – No Regrets About Use of Gas or Secrecy». The Washington Post. p. A30. Cópia arquivada em 13 de março de 2007 
  22. a b «Chechen terrorists seek talks with Moscow». BBC News. 28 de outubro de 2002 
  23. «Analysis: Chechen danger for Putin». BBC News. 24 de outubro de 2002 
  24. «The Riyadus-Salikhin Reconnaissance and Sabotage Battalion of Chechen Martyrs». cdi.org. Cópia arquivada em 9 de maio de 2007 
  25. «Moscow kidnappers 'posed as traders'». BBC News. 9 de dezembro de 2002 
  26. «Putin vows to crush terrorists». BBC News. 28 de outubro de 2002 
  27. a b «Russian backlash against Chechens begins». The Christian Science Monitor. 7 de novembro de 2002 
  28. «Chechnya: Is Russian retaliation the answer?». BBC News. 6 de novembro de 2002 
  29. «Judgment: Gekhayeva and Others v. Russia». Tribunal Europeu de Direitos Humanos. 29 de maio de 2008 
  30. «Is It Too Late For Peace Talks In Chechnya?». RFE/RL. 11 de fevereiro de 2005 
  31. «Russia pushes for Chechen extradition». BBC News. 2 de novembro de 2002 
  32. «Duma Votes to Limit News Coverage]». The Moscow Times. 4 de novembro de 2002. Cópia arquivada em 25 de fevereiro de 2012 – via Yabloko 
  33. «Russian Duma Approves Anti-Terror Measures». PBS. 13 de novembro de 2002. Cópia arquivada em 10 de novembro de 2012 
  34. «On the Situation of Ethnic Chechens in Moscow». Human Rights Watch. 2003 
  35. «Moscow's Chechens fear siege fall-out». BBC News. 26 de outubro de 2002 
  36. «Moscow siege leaves dark memories». BBC News. 16 de dezembro de 2002 

Ligações externasEditar