Abrir menu principal

NRP Adamastor

navio de guerra português
Adamastor
Cruzador Adamastor fundeado em Shangai a 5 de outubro de 1927
Carreira   Bandeira da marinha que serviu Bandeira da marinha que serviu Portugal
Construção Fratelli Orlando - Livorno
Lançamento Julho de 1896
Patrono Adamastor
Período de serviço 3 de agosto de 1897 - 1933
Estado Abatido
Características gerais
Deslocamento 1757 ton
Comprimento 73.8m
Boca 10,70 m
Calado 4,70 m
Propulsão 4 000 cv (2 máquinas a vapor com 4 caldeiras alimentadas a carvão)
Velocidade 18 nós
Autonomia 5 400 milhas náuticas a 10 nós
Tripulação 215 homens
(16 ofciais)
(36 sargentos)
(163 praças)

O Adamastor ComTE foi um cruzador da Marinha Portuguesa.

Índice

Detalhes técnicosEditar

Características geraisEditar

Construído nos Estaleiros Navais de Livorno, na Itália em 1896 e financiado pelas receitas proveninentes de uma subscrição pública organizada como resposta portuguesa ao ultimato britânico de 1890, o seu custo na altura foi de 381.629.000$000 de reis (1.900€00, cerca de 8.000.000€00 de euros em valores actuais).

ArmamentoEditar

2 x Krupp 15.0/cm 30 Cal Mod.1895 (Calibre: 150mm/Alcance: 14Km)[1]

4 x Krupp 105mm GR Mod. 1895 (Calibre: 105mm/Alcance: 9Km)

8 x Hotchkiss & Comp. 4.7 cm/44 Mk.I Mod.1886 (Calibre: 47mm/Alcance: 7.2Km)

3 Tubos Lança-Torpedos e 3 Metralhadoras

História operacionalEditar

 
Adamastor em Lisboa durante Implantação da República Portuguesa, onde abriu fogo sobre a cidade.

O seu primeiro comandante foi o Capitão de Mar-e-Guerra Ferreira do Amaral.

O Adamastor desempenhou um papel importante no golpe de 5 de Outubro de 1910, que levou à implantação da República Portuguesa, sendo responsável pelo bombardeamento do Palácio Real das Necessidades.

Durante o seu período de serviço o Adamastor percorreu em missões de soberania quase todos os territórios ultramarinos portugueses, desde Angola a Timor. Também fez várias visitas oficiais a países estrangeiros, como o Brasil ou o Japão.

Na Primeira Guerra Mundial, o Adamastor tomou parte activa nas operações militares contra os alemães, no norte de Moçambique.

A 6 de Novembro de 1922 foi feito Comendador da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito.[2]

Foi desactivado em 1934 e vendido à Firma F. A. Ramos & Cª., pelo preço de 60.850$00 (303€51, cerca de 52.000€00 euros em valores actuais).


ComandantesEditar

Comandante Data
CFR Silva Nogueira Setembro de 1929


A nota escrita, tipo postal, que indica o navio da foto como sendo o Adamastor, não está correcta. A foto é do Cruzador D. Carlos.

Referências

  1. Pinto, José. «Cruzador Adamastor» (PDF). COMISSÃO COORDENADORA DA EVOCAÇÃO DO CENTENÁRIO DA I GUERRA MUNDIAL. Consultado em 23 de outubro de 2018 
  2. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Cruzador Adamastor". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 

Ligações externasEditar

Ver tambémEditar