Dario (filho de Artaxerxes II)

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Dario, veja Dario.

Dario foi o filho mais velho de Artaxerxes II, e seria seu sucessor se não tivesse conspirado contra o pai.

FamíliaEditar

Artaxerxes II era filho de Dario II e Parisátide, filha de Artaxerxes I.[1] Artaxerxes II casou-se com Estatira, filha do sátrapa Hidarnes.[2]

O reino de Artaxerxes II iniciou-se com a revolta de seu irmão Ciro, o Jovem, que era o favorito de sua mãe Parisátide.

Artaxerxes II teve vários filhos, dentre os quais Dario, Oco, Atossa[3] e Ariaspes.[4] Dario, o mais velho, foi nomeado sucessor quando tinha cinquenta anos de idade.[5] De acordo com o genealogista inglês William Berry, Dario, Ariaspes e Oco eram filhos de Estatira.[6]

Herdeiro do reiEditar

Oco, mais novo que Dario, pretendeu obter a sucessão, usando sua irmã Atossa.[3] Após a morte de Estatira,[7] Artaxerxes ficou apaixonado por sua filha Atossa,[8] e, por sugestão de sua mãe Parisátide, casou-se com ela, tornando-a sua esposa legítima.[9] Oco, porém, conseguiu o favor de Atossa, prometendo torná-la sua esposa e dividir o poder com ela após a morte do pai; segundo algumas versões, Oco tinha um caso com Atossa mesmo antes da morte de Artaxerxes II.[5]

De acordo com o costume dos persas, quando um sucessor era nomeado, ele tinha o direito a um pedido, e Dario pediu Aspásia, que havia sido a favorita de Ciro, o Jovem, e agora era uma concubina do rei.[10] Este pedido era ofensivo, pois o bárbaros eram muito ciumentos de suas mulheres,[11] mesmo Artaxerxes II tendo sua filha Atossa por esposa e 360 concubinas.[12] Artaxerxes respondeu que Aspásia era uma mulher livre, e poderia escolher quem ela quisesse, e ela escolheu Dario; Artaxerxes entregou Aspásia para Dario, mas logo depois pegou-a de volta,[12] colocando-a como sacerdotisa de Ártemis em Ecbátana, para que ela ficasse casta o resto da vida, como punição para Dario.[13]

ConspiraçãoEditar

Dario ficou ressentido, ou por desejo por Aspásia, ou por ter sido ofendido pelo rei,[13] e ainda foi inflamado por Teribazo, que dizia que ter uma tiara na cabeça não significava nada sem ter tomar conta dos negócios do estado e enquanto seu irmão menor tomava conta do estado através do harém.[14] Teribazo estava ressentido com Artaxerxes II por causa de Amástris, filha de Artaxerxes, que havia sido prometida em casamento a Teribazo mas que depois virou esposa de Artaxerxes II; em seguida Artaxerxes havia prometido Atossa a Teribazo,[15] mas Artaxerxes também rompeu o acordo e se casou com Atossa.[16]

Dario e Teribazo conspiraram contra Artaxerxes, mas um eunuco soube da trama e contou a Artaxerxes.[17] Artaxerxes foi sábio, e preparou uma cilada para os conspiradores,[18] que foram reconhecidos e descobertos.[19]

Teribazo foi morto pelos guardas, mas Dario e seus filhos foram levados a julgamento.[20] Plutarco menciona duas versões, em uma delas, o executor cortou a cabeça de todos mas não quis cortar a cabeça do filho do rei,[21] apenas executando Dario após ser ameaçado; em outra versão, Dario foi julgado pelo próprio pai, pediu perdão,[22] mas foi morto a golpes de cimitarra pelo pai.[23]

ConsequênciasEditar

Oco ainda tinha receios de Ariaspes, o último filho legítimo de Artaxerxes, e de Arsames, filho ilegítimo.[4] Ariaspes era mais novo que Oco, mas por ser moderado e humano, era considerado digno de ser rei pelos persas, e Arsames era considerado sábio, e era amado por seu pai.[4] Oco induziu Ariaspes a se suicidar, fazendo-o acreditar que Artaxerxes o executaria de forma cruel,[24] e Arsames foi assassinado por Arpates, filho de Teribazo.[25]

Após a morte dos filhos, Artaxerxes II, que tinha noventa e quatro anos e havia reinado por sessenta e dois, morreu de tristeza, sendo sucedido por Oco [26] (Artaxerxes III).

Referências

  1. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 1.1 [em linha]
  2. Ctésias de Cnido, Pérsica, texto em epítome por Fócio, Biblioteca de Fócio, 55 [em linha]
  3. a b Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 26.1
  4. a b c Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 30.1
  5. a b Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 26.2
  6. William Berry, Genealogia antiqua: or, Mythological and classical tables, compiled from the best authors on fabulous and ancient history (1816)
  7. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 19.3
  8. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 23.2
  9. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 23.3
  10. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 26.3
  11. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 27.1
  12. a b Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 27.2
  13. a b Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 27.3
  14. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 28.1
  15. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 27.4
  16. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 27.5
  17. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 29.1
  18. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 29.2
  19. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 29.3
  20. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 29.4
  21. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 29.5
  22. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 29.6
  23. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 29.7
  24. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 30.3
  25. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 30.4
  26. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Artaxerxes (II) 30.5