Abrir menu principal

Declaração de Cantanhede

declaração de 1360
(Redirecionado de Declaração de Cantanhede (1360))
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde maio de 2016)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
O casamento de D. Pedro e Inês de Castro

A declaração de Cantanhede, feita pelo rei Pedro I de Portugal em 12 de junho de 1360, na igreja de Cantanhede, é o juramento pelo qual o rei declarou ter casado com a dama galega D. Inês de Castro em Bragança, haveria então uns sete anos, em mês e dia de que não se lembrava, em cerimonia religiosa, e secreta, celebrada por D. Gil, deão da Sé da Guarda e testemunhada por um dos criados do rei.

A declaração foi confirmada em Coimbra em 18 de junho do mesmo ano, pela notificação de D. João Afonso, Conde de Barcelos, a prelados, fidalgos e povo, nos paços da escola de Coimbra. Foram testemunhas Estevão Lobato, seu criado, e o dito D. Gil da Guarda, que era então bispo da Guarda.

Em que pese algumas dúvidas, o motivo principal da declaração de Cantanhede foi legitimar os filhos nascidos desse matrimónio, os infantes Beatriz, João e Dinis.

BibliografiaEditar

  • O julgamento de Inês de Castro, de Artur Pedro Gil, Lisboa (2008)!Artigos que necessitam de esclarecimento[necessário esclarecer]
  • D. Pedro I, entre o Reino e a recordação de Inês, de Cristina Pimenta, (2007)!Artigos que necessitam de esclarecimento[necessário esclarecer]
  • Inês de Castro na vida de D. Pedro, de Mario Domingues, Lisboa (2002)!Artigos que necessitam de esclarecimento[necessário esclarecer]

Ligações externasEditar