Desastre na mina de jade de Hpakant em 2020

deslizamento de terra na área de Hpakant, Myanmar, resultando na morte de pelo menos 172 pessoas
Desastre na mina de jade de Hpakant em 2020
Mina de jade de Hpakant está localizado em: Myanmar
Mina de jade de Hpakant
Mina de jade de Hpakant, em Myanmar
Data 2 de julho de 2020 (2020-07-02)
Local Hpakant, estado de Cachim, Myanmar
Mortes 172
Lesões relatadas 54
Desaparecimentos Pelo menos 100

O desastre na mina de jade de Hpakant ocorreu em 2 de julho de 2020, quando um deslizamento de terra matou pelo menos 172 pessoas em um local de mineração de jade na área de Hpakant, no estado de Cachim, em Myanmar. A 3 de julho de 2020, cerca de 100 pessoas estão desaparecidas e 54 ficaram feridas e foram levadas para o hospital. As vítimas eram "catadores de jade" independentes que vasculhavam rejeitos de operadores maiores e viviam em alojamentos desorganizados na base de grandes montes de entulhos escavados por máquinas pesadas. Às 06:30, horário local, fortes chuvas provocaram o colapso de um monte de lixo de mineração que desabou em um lago. Isso gerou uma onda de lama e água que enterrou os mineradores que trabalhavam no local.

Vertente da mina de jade

Embora a indústria de jade de Myanmar seja conhecida por mortes e acidentes, este desastre de 2020 é o acidente mais mortal da história.

AntecedentesEditar

Myanmar é o maior fornecedor de jade em um comércio no valor de 30 bilhões de dólares por ano; no entanto, acidentes são frequentes em seus locais de mineração. A maior mina de jade do mundo está em Hpakant, no estado de Cachim.[1] Um deslizamento de terra matou pelo menos 116 pessoas no desastre na mina de jade de Hpakant em 2015.[2] Em 2019, cinquenta trabalhadores foram enterrados em um colapso da mina, resultando na morte de quatro deles e de dois trabalhadores de resgate.[2]

Dezenas de mineradores foram mortos em acidentes menores nos últimos anos, com "catadores de jade" independentes que vasculham rejeitos de operadores maiores, particularmente em risco.[3] Esses mineradores freelancers vivem em locais desorganizados na base de grandes montes de entulho escavados por máquinas pesadas.[4] Os mineradores freelancers geralmente são migrantes de outras regiões de Mianmar e não são registrados, o que dificulta o cálculo de pessoas desaparecidas.[4] A mineração é realizada no local por centenas de pessoas que vasculham os rejeitos despejados por caminhões no local. Os rejeitos formam grandes encostas, em uma cena semelhante à paisagem lunar, desprovida de árvores, suscetível ao colapso.[1]

Enquanto o gabinete de Htin Kyaw, liderado por Htin Kyaw e Aung San Suu Kyi, prometeu reformar a indústria de jade e reduzir os acidentes quando assumiu o poder em 2016, pouco foi feito na prática.[3]

Em 1 de julho, as autoridades emitiram um alerta contra a mineração na área devido às fortes chuvas. No entanto, esse aviso foi desafiado por muitos mineradores.[1]

DeslizamentoEditar

 
Mineração de jade no estado de Cachim

As pessoas que encontravam-se no local eram mineradores freelancers que vasculhavam os rejeitos da Yadanar Kyay, uma companhia de mineração.[3][5]

Às 06:30, horário local,[6] fortes chuvas provocaram o colapso de uma pilha de resíduos de mineração que desabaram em um lago. Isso gerou uma onda de lama e água que enterrou os mineradores que trabalhavam no local.[3] A onda foi descrita pelas testemunhas como sendo de "6 metros de altura".[7] O colapso e a subsequente onda de lama e água foram filmados em vídeo,[1] assim como as frenéticas tentativas de fuga dos mineradores.[3]

Um sobrevivente disse que viu uma pilha de resíduos prestes a desabar quando as pessoas gritaram "corra, corra". Segundo Khaing: "Dentro de um minuto, todas as pessoas no fundo [da colina] simplesmente desapareceram. Sinto-me vazio no coração [...] Havia pessoas presas na lama gritando por ajuda, mas ninguém pôde ajudá-las".[1]

Número de mortesEditar

Em 3 de julho de 2020, 172 corpos foram recuperados do local,[5] pelo menos 100 estão desaparecidos[8] e outras 54 pessoas ficaram feridas.[2][8] Além disso, teme-se que muitos mineradores estejam presos e soterrados.[2][6] Os esforços de resgate foram dificultados pelas fortes chuvas.[2] Fotografias da área mostravam filas de corpos recuperados colocados em uma colina.[3] É esperado que o número de mortos aumente, pois outros corpos estão na lama.[3] Na sexta-feira, 3 de julho, dezenas de corpos recuperados foram enterrados em uma vala desenterrada por uma escavadeira mecânica perto do deslizamento de terra.[5]

Embora a indústria de jade de Myanmar seja conhecida por mortes e acidentes, este desastre de 2020 é o acidente mais mortal da história.[9]

Referências

  1. a b c d e «Myanmar jade mine landslide kills 160» (em inglês). BBC. 2 de julho de 2020. Consultado em 3 de julho de 2020 
  2. a b c d e «Jade mine landslide kills at least 100 in Myanmar, with more people still missing» (em inglês). CNN. 2 de julho de 2020. Consultado em 3 de julho de 2020 
  3. a b c d e f g «At least 113 killed as Myanmar jade mine collapse buries workers» (em inglês). Reuters. 2 de julho de 2020. Consultado em 3 de julho de 2020 
  4. a b «Landslide kills more than 100 in "dystopian wasteland" of Myanmar's jade mines» (em inglês). CBS News. 2 de julho de 2020. Consultado em 3 de julho de 2020 
  5. a b c «Mass burial for scores killed in Myanmar jade mine disaster» (em inglês). CNA. 4 de julho de 2020. Consultado em 4 de julho de 2020 
  6. a b «Myanmar jade mine accident: 125 killed, some 200 trapped» (em inglês). CGTN. 2 de julho de 2020. Consultado em 3 de julho de 2020 
  7. Nang, Saw; Paddock, Richard C. (2 de julho de 2020). «Myanmar Jade Mine Collapse Kills at Least 168». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 3 de julho de 2020 
  8. a b «Myanmar Jade Mine Collapse Kills at Least 168» (em inglês). The New York Times. 3 de julho de 2020. Consultado em 3 de julho de 2020 
  9. «Myanmar: Over 100 dead in jade mine landslide disaster» (em inglês). Deutsche Welle. 2 de julho de 2020. Consultado em 3 de julho de 2020