Abrir menu principal

Designação provisória na astronomia

Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde abril de 2013). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Designação provisória na astronomia é uma convenção de nomenclatura aplicada a corpos celestes imediatamente após suas descobertas. A designação provisória geralmente é substituída por um nome permanente quando a órbita do objeto é determinada, mas no caso de asteroides, são tantos descobertos que muitos nunca receberão uma designação permanente.

Corpos menores do sistema solarEditar

O sistema atual de designação provisória de asteroides, centauros e objetos transneptunianos existe desde 1925, e substituiu diversas outras convenções de nomenclatura, que foram obsoletas pelo crescente número de asteroides descobertos.

O primeiro elemento na designação provisória é o ano de descoberta, seguido por duas letras e, opcionalmente, um número.

A primeira letra indica a metade de mês da descoberta do objeto naquele ano. "A" indica descoberta na primeira metade de janeiro, "D" é para a segunda metade de fevereiro, "J" é para a segunda metade de março ("I" não é usado), e assim sucessivamente até "Y" para a segunda metade de dezembro.

A segunda letra e o número indicam a ordem de descoberto na metade do mês. O oitavo asteroide descoberto na segunda metade de março de 1950, por exemplo, receberia a designação provisória 1950 JH. Mas como técnincas modernas geralmente acham bem mais de 25 asteroides numa metade de mês (novamente "I" não é usado), um número subscrito é usado para indicar o número de vezes que as letras se repetiram. Assim, o 28º asteroide descoberto na segunda metade de março de 1950 seria 1950 FC1. Por razões técnicas, como limitações ASCII, o subscrito é às vezes retirado, então isso poderiam ser escrito 1950 FC1.

Designações especiaisEditar

Os asteroides descobertos durante quatro levantamentos astronómicos especiais têm designações que consistem de um número (de ordem no levantamento), seguido por um espaço e um dos identificadores:

  • P-L Pesquisa Palomar-Leiden (1960)
  • T-1 Primeira pesquisa de troianos (1971)
  • T-2 Segunda pesquisa de troianos (1973)
  • T-3 Terceira pesquisa de troianos (1977)

Por exemplo, o 4659º asteroide descoberto na Pesquisa Palomar-Leiden é 4659 P-L. A maioria destes corpos têm já atribuído um número.

Satélites e anéis planetáriosEditar

Quando satélites ou anéis são descobertos, eles recebem uma designação provisória como "S/2000 J 11" (o 11° satélite de Júpiter descoberto em 2000), "S/2005 P 1" (o primeiro satélite de Plutão descoberto em 2005), ou "R/2004 S 2" (o segundo anel de Saturno descoberto em 2004). A inicial "S/" ou "R/" se refere a "satélite" ou "anel", respectivamente, distinguindo a designação dos prefixos "C/", "D/", "P/", e "X/" usada para cometas. Às vezes essas designações são escritas como "S/2005 P1", sem o segundo espaço.

O prefixo "S/" ou "R/" é seguido pelo ano de descoberta do satélite ou anel. Um código de uma letra identifica o planeta, e então um número identifica a ordem de descoberta de satélites ou anéis em um planeta naquele ano. Por exemplo, Náiade, a lua mais interna de Netuno, foi designada "S/1989 N 6". Mais tarde, após a confirmação de sua existência e órbita, ela recebeu uma designação permanente, Náiade.

Ver tambémEditar