Abrir menu principal
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde março de 2012). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A desobsessão é um tratamento, segundo a Doutrina Espírita, de pessoas que estejam sofrendo de prejudicial interferência por Espíritos, encarnados ou desencarnados. Espíritos como nós que acabaram praticando o mal, mas como todos possuem capacidade de recuperação. A desobsessão trata a vítima e o obsessor.

Para o Espiritismo, não há demônios, espíritos dedicados eternamente ao mal. Esses obsessores são espíritos inferiores que influenciam alguém para praticar o mal, enviando-o pensamentos negativos. Espíritos superiores são imunes a esses fluidos pois não permitem que esses pensamentos os influenciem. Por isso aquele que não controla seus pensamentos e suas atitudes acaba se dando mal, sendo necessária a educação moral e o aprimoramento dos sentimentos para que os obsessores não retornem. Os dois precisam de ajuda e orações sinceras e com amor ajudam muito.

Na concepção espírita, portanto, o tratamento engloba o tratamento das duas partes envolvidas no processo: o obsediado e o obsessor. A desobsessão não se objetiva o "afastamento" puro e simples do obsessor pois se crê que isso nenhum efeito duradouro possua, sendo necessário conscientizar (esclarecer) tanto o encarnado como o desencarnado. Portanto, não é uma "guerra" entre os dois.

O espiritismo afirma reportar-se aos ensinamentos de Jesus que, sempre que afastava espíritos que perturbavam as pessoas, as alertava no sentido de não tornarem a errar para que não lhes acontecesse algo pior. Com base nesse ensinamento, parte importante do tratamento de desobsessão consiste da reforma íntima do obsediado e daqueles que lhe são próximos, sendo todos instados a rever seus conceitos de vida, seus hábitos e valores morais.

Ver tambémEditar