Diagnóstico errado do transtorno de personalidade borderline

O transtorno de personalidade borderline (TPB) é um transtorno psicológico caracterizado por instabilidade crónica nos relacionamentos, na autoimagem, humor e afeto, que é frequentemente mal diagnosticado.[1] Esse diagnóstico incorreto pode vir na forma de fornecer um diagnóstico de TPB a uma pessoa que não atende aos critérios ou fornecer um diagnóstico alternativo incorreto no lugar de um diagnóstico de TPB.

Diagnósticos alternativosEditar

Um diagnóstico incorreto de Transtorno de Personalidade Borderline (TPB) pode ser resultado de vários fatores. Um desses fatores é a sobreposição de sintomas entre diferentes transtornos.[2] Como o TPB consiste em instabilidade de humor, o Transtorno Bipolar é frequentemente dado como um diagnóstico alternativo.[3] Além disso, o trauma há muito tem sido visto como um componente do TPB, portanto, torna a diferenciação entre o transtorno de stress pós-traumático complexo e o TPB um desafio.[4]

Transtorno de stress pós-traumático complexo (TEPT-C)Editar

O transtorno de stress pós-traumático complexo (TEPT-C) é um diagnóstico que foi introduzido na 11ª edição da Classificação Internacional de Doenças (CID-11), mas não está presente na 5ª edição do Manual de Diagnóstico de Transtornos Mentais (DSM-5) da Associação Americana de Psicologia. O TEPT-C é caracterizado por uma combinação de critérios do TEPT previamente definidos (reexperiência, evitação e hipervigilância) e outros critérios exclusivos (desregulação emocional, dificuldades interpessoais e autoconceito negativo).[4] O fato de que esses critérios exclusivos de TEPT-C também são características essenciais do TPB torna a distinção entre o TEPT-C e o TPB comórbido com TEPT difíceis. Uma avaliação que procura distinguir a diferença entre TEPT-C e TPB comóbido pode avaliar fatores como a forma como os critérios se apresentam de maneira diferente entre esses grupos. Critérios como desregulação emocional apresentam-se com mais frequência na forma de raiva reativa e/ou uso de substâncias em pessoas com TEPT-C. Em contraste, esta apresenta-se mais na forma de autolesão ou suicídio em pessoas com TPB.[5] A instabilidade nos relacionamento apresenta-se mais como uma rápida mudança entre a idealização intensa e a desvalorização do relacionamento entre as pessoas com TPB. Em contraste, as pessoas com TEPT-C tendem a ter instabilidade nos relacionamentos como resultado de não formarem uma conexão próxima com o seu parceiro.[6] Quanto à autoimagem, as pessoas com TPB podem ter mudanças frequentes no seu autoconceito, enquanto que as pessoas com TEPT-C tendem a ter uma autoimagem negativa mais persistente. Essas diferenças principais oferecem uma visão sobre as maneiras pelas quais o TEPT-C pode ser diagnosticado incorretamente em vez de TPB comórbido com TEPT ou vice-versa. É por isso que é importante que os médicos tenham concluído uma avaliação abrangente antes de fornecer qualquer um desses diagnósticos.

Transtorno bipolar (TB)Editar

O transtorno bipolar (TB) é um transtorno do humor caracterizado por vários graus de alterações do humor. O TB pode ainda ser especificado como transtorno bipolar do tipo I ou II. O DSM-5 requer que uma pessoa com TB I tenha experimentado pelo menos um episódio maníaco e uma pessoa com Bipolar II tenha experimentado pelo menos um episódio hipomaníaco e pelo menos um episódio depressivo.[7] Os episódios maníacos e hipomaníacos consistem num "humor anormal e persistente elevado, expansivo e irritável e ... aumento da atividade ou energia direcionada a um objetivo..." Embora o diagnóstico incorreto do TPB em relação ao TB possa vir na forma de diagnosticar alguém com TPB que na verdade tem TB ou vice-versa, a ocorrência mais comum é em pessoas diagnosticadas com TB que, na verdade, atendem melhor aos critérios para TPB.[8] Um estudo citou que quase 40% das pessoas que foram diagnosticadas com TPB receberam um diagnóstico incorreto de TB em algum momento das suas vidas, em comparação com apenas 10% das pessoas na população em geral que receberam um diagnóstico errado de TB. O motivo exato para essa alta taxa de diagnósticos incorretos é debatido entre os pesquisadores. Algumas teorias postulam que esses erros estão sendo cometidos devido à instabilidade do TPB ser confundida com os sintomas de um episódio maníaco ou hipomaníaco[3] Outro estudo cita a simples ambiguidade dos critérios do TPB como sendo a razão para diagnósticos errados, já que as pessoas que preenchiam mais critérios para um diagnóstico de TPB eram menos propensas a serem diagnosticadas erroneamente com TB.

Consequências de diagnósticos erradosEditar

O diagnóstico incorreto de TPB pode resultar em uma série de consequências negativas. O raciocínio para o diagnóstico é debate no campo da saúde mental. Ainda assim, é visto principalmente como tendo a função de fornecer aos profissionais da saúde o estado da saúde mental do paciente, para informar as abordagens de tratamento e ajudar a relatar com precisão as abordagens de tratamento bem-sucedidas.[9] Portanto, o diagnóstico incorreto pode resultar não ter acesso a medicamentos psiquiátricos apropriados ou não receber tratamento psicológico baseado em evidências para os transtornos sofridos.[10]

MédicoEditar

Como o diagnóstico é uma parte essencial para determinar quais medicamentos prescrever a um paciente ou se um paciente beneficiaria de psicofarmacoterapia, o diagnóstico incorreto pode ter uma série de resultados adversos. Pesquisas atuais indicam que, embora alguns medicamentos prescritos possam ajudar com sintomas específicos de TPB, não há medicamento comprovado que diminua os sintomas do TPB como um todo.[10] Em contraste, distúrbios como TB têm uma variedade de medicamentos psiquiátricos (por exemplo, lítio, anticonvulsivantes, análogos de GABA) sendo usados como uma abordagem de primeira linha para o tratamento.[11] Ao fornecer às pessoas com TPB diagnósticos erróneos, como TB, as pessoas com TPB podem estar sujeitas a receber medicamentos que não afetarão a sua sintomatologia e podem resultar em efeitos colaterais adversos. Alternativamente, as pessoas que são diagnosticadas com TPB que podem ter TB ou TEPT-C podem ser privadas de intervenções psicofarmacológicas que diminuiriam a gravidade dos seus sintomas.

PsicológicoEditar

O diagnóstico incorreto de TPB também pode resultar em consequências psicológicas adversas, pois o diagnóstico é usado para determinar as abordagens de tratamento baseadas em evidências usadas no ambiente terapêutico. Abordagens de tratamento, como a terapia dialético-comportamental e a terapia cognitivo-comportamental são dois tratamentos para o transtorno de personalidade limítrofe que demonstram eficácia.[8] Ao fornecer um diagnóstico incorreto, uma pessoa com TPB provavelmente não terá acesso a esses tratamento específicos e, portanto, o seu acesso a tratamentos baseados em evidências para o TPB serão adiados até que um diagnóstico preciso seja dado.

ReferênciasEditar

  1. BRADLEY, REBEKAH; WESTEN, DREW (2005). «The psychodynamics of borderline personality disorder: A view from developmental psychopathology». Development and Psychopathology. 17: 927–57. ISSN 0954-5794. PMID 16613425. doi:10.1017/s0954579405050443 
  2. Chanen, Andrew M; Thompson, Katherine N (1 de abril de 2016). «Prescribing and borderline personality disorder». Australian Prescriber. 39: 49–53. ISSN 0312-8008. PMC 4917638 . PMID 27340322. doi:10.18773/austprescr.2016.019 
  3. a b Kernberg, Otto F.; Yeomans, Frank E. (2013). «Borderline personality disorder, bipolar disorder, depression, attention deficit/hyperactivity disorder, and narcissistic personality disorder: Practical differential diagnosis». Bulletin of the Menninger Clinic. 77: 1–22. ISSN 0025-9284. PMID 23428169. doi:10.1521/bumc.2013.77.1.1  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome ":2" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  4. a b Jowett, Sally; Karatzias, Thanos; Shevlin, Mark; Albert, Idit (2019). «Differentiating symptom profiles of ICD-11 PTSD, complex PTSD, and borderline personality disorder: A latent class analysis in a multiply traumatized sample.». Personality Disorders: Theory, Research, and Treatment. 11: 36–45. ISSN 1949-2723. PMID 31259603. doi:10.1037/per0000346  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome ":0" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  5. Cloitre, Marylène; Garvert, Donn W.; Weiss, Brandon; Carlson, Eve B.; Bryant, Richard A. (15 de setembro de 2014). «Distinguishing PTSD, Complex PTSD, and Borderline Personality Disorder: A latent class analysis». European Journal of Psychotraumatology. 5. 25097 páginas. ISSN 2000-8198. PMC 4165723 . PMID 25279111. doi:10.3402/ejpt.v5.25097 
  6. Brewin, Chris R.; Cloitre, Marylène; Hyland, Philip; Shevlin, Mark; Maercker, Andreas; Bryant, Richard A.; Humayun, Asma; Jones, Lynne M.; Kagee, Ashraf (2017). «A review of current evidence regarding the ICD-11 proposals for diagnosing PTSD and complex PTSD». Clinical Psychology Review. 58: 1–15. ISSN 0272-7358. PMID 29029837. doi:10.1016/j.cpr.2017.09.001 
  7. «Bipolar and Related Disorders», ISBN 978-0-89042-559-6, American Psychiatric Publishing, Inc, Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, 5th Edition, 2013, doi:10.1176/appi.books.9780890425596.057204, consultado em 15 de outubro de 2020 
  8. a b Ruggero, Camilo J.; Zimmerman, Mark; Chelminski, Iwona; Young, Diane (2010). «Borderline personality disorder and the misdiagnosis of bipolar disorder». Journal of Psychiatric Research. 44: 405–408. ISSN 0022-3956. PMC 2849890 . PMID 19889426. doi:10.1016/j.jpsychires.2009.09.011  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome ":4" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  9. Sartorius, Norman (2015). «Why do we need a diagnosis? Maybe a syndrome is enough?». Dialogues in Clinical Neuroscience. 17: 6–7. PMC 4421902 . PMID 25987858. doi:10.31887/DCNS.2015.17.1/nsartorius 
  10. a b Paris, Joel; Black, Donald W. (2015). «Borderline Personality Disorder and Bipolar Disorder». The Journal of Nervous and Mental Disease. 203: 3–7. ISSN 0022-3018. PMID 25536097. doi:10.1097/nmd.0000000000000225  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome ":5" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  11. Thompson, Kevin. (2007). Medicines for mental health : the ultimate guide to psychiatric medication 2nd ed. North Charleston, S.C.: BookSurge Pub. ISBN 978-1-4196-6954-5. OCLC 226095173