Dinamite

explosivo à base de niroglicerina
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Dinamite (desambiguação).
Dinamite
Caisse dynamite nobel paulilles expo.JPG
Tipo
Características
Composto de
Sorbent (en)
nitroglicerina
Descoberto
Descobridor
Data

Dinamite é um artefato explosivo à base de nitroglicerina, misturado com terra diatomácea (dióxido de silício em pó) ou com outro material absorvente, como serragem, argila, polpa de celulose ou pó de conchas, mais seguro que a pólvora e que a própria nitroglicerina em seu estado puro. Dinamites usando materiais orgânicos como a serragem são menos estáveis, e seu uso está sendo gradualmente descontinuado. Foi inventado por Alfred Nobel em Krümmel (Geesthacht, Schleswig-Holstein, Alemanha), que a patenteou como pó de segurança para explodir, em 1867. A palavra dinamite vem do grego δυναμις (dinamis), com o sufixo sueco -it, o que em tradução livre quer dizer "conectado com a força".

Diagrama da dinamite:
A. Material absorvente poroso misturado à nitroglicerina
B. Capa cilíndrica que envolve o material explosivo
C. Ponta do detonador.
D. Cabo elétrico que se concecta a ponta do detonador

A dinamite é habitualmente vendida na forma de bastões com 20 cm de comprimento e 3,2 cm de diâmetro, em média, e peso aproximado de 230 gramas cada,[1] podendo estar disponível em outros tamanhos. A vida útil máxima da dinamite baseada em nitroglicerina é de um ano da sua data de fabricação, em boas condições de estocagem.[1]

A dinamite é um explosivo rápido, que detona mais do que deflagra. Usando o trinitrotolueno como base de mensuração, a dinamite tem densidade energética 60% maior que a do TNT.

Outra forma de dinamite consiste na nitroglicerina dissolvida em nitrocelulose e em uma pequena quantidade de cetona. Esta forma é similar à cordite e muito mais segura que a mistura simples de nitroglicerina com terra diatomácea. Há também a dinamite militar, que possui maior estabilidade por evitar o uso de nitroglicerina, priorizando o uso de substâncias químicas mais estáveis.[2]

Antes da dinamite, já se usava a nitroglicerina como explosivo, porém as explosões acidentais eram um obstáculo demasiadamente grande para o seu uso. A nitroglicerina é um líquido altamente sensível a qualquer movimentação, portanto, detonando com muita facilidade na sua produção, transporte e manuseio.

HistóriaEditar

A dinamite foi inventada pelo químico sueco Alfred Nobel na década de 1860 e foi o primeiro explosivo gerenciável com segurança mais forte do que a pólvora negra.

O pai de Alfred Nobel, Immanuel Nobel, era industrial, engenheiro e inventor. Ele construiu pontes e edifícios em Estocolmo e fundou a primeira fábrica de borracha da Suécia. Seu trabalho de construção o inspirou a pesquisar novos métodos de detonação de rocha que eram mais eficazes do que a pólvora negra. Depois de alguns maus negócios na Suécia, em 1838, Immanuel mudou-se com a família para São Petersburgo, onde Alfred e seus irmãos foram educados em particular com tutores suecos e russos. Aos 17 anos, Alfred foi mandado para o exterior por dois anos; nos Estados Unidos conheceu o engenheiro sueco John Ericsson e na França estudou com o famoso químico Théophile-Jules Pelouze e seu aluno Ascanio Sobrero, que sintetizou a nitroglicerina pela primeira vez em 1847. Foi na França que Nobel encontrou pela primeira vez a nitroglicerina, que Pelouze advertiu contra o uso como explosivo comercial devido à sua grande sensibilidade ao choque.[3]

Em 1857, Nobel registrou a primeira de várias centenas de patentes, principalmente relacionadas a medidores de pressão do ar, gases e fluidos, mas permaneceu fascinado com o potencial da nitroglicerina como explosivo. Nobel, junto com seu pai e irmão Emil, fez experiências com várias combinações de nitroglicerina e pólvora negra. Nobel propôs uma solução para detonar a nitroglicerina com segurança, inventando o detonador, ou tampa de detonação, que permitia uma explosão controlada à distância usando um fusível. No verão de 1863, Nobel realizou sua primeira detonação bem-sucedida de nitroglicerina pura, usando uma tampa de detonação feita de uma cápsula de percussão de cobre e fulminato de mercúrio. Em 1864, Alfred Nobel entrou com um pedido de patente para o detonador e seu método de síntese de nitroglicerina, usando ácido sulfúrico, ácido nítrico e glicerina. Em 3 de setembro de 1864, enquanto fazia experiências com nitroglicerina, Emil e vários outros foram mortos em uma explosão na fábrica da propriedade de Immanuel Nobel em Heleneborg. Depois disso, Alfred fundou a empresa Nitroglycerin Aktiebolaget AB em Vinterviken para continuar trabalhando em uma área mais isolada e no ano seguinte mudou-se para a Alemanha, onde fundou outra empresa, a Dynamit Nobel.

 
"Nobel extradynamit" fabricado pela antiga empresa do Nobel, Nitroglycerin Aktiebolaget

Apesar da invenção do detonador, a volatilidade da nitroglicerina a tornou inútil como explosivo comercial. Para resolver esse problema, Nobel procurou combiná-lo com outra substância que o tornasse seguro para transporte e manuseio, mas não reduziria sua eficácia como explosivo. Ele tentou combinações de cimento, carvão e serragem, mas não teve sucesso. Finalmente, ele experimentou terra diatomácea, algas fossilizadas, que trouxe do rio Elba, perto de sua fábrica em Hamburgo, que estabilizou com sucesso a nitroglicerina em um explosivo portátil.

Nobel obteve patentes para suas invenções na Inglaterra em 7 de maio de 1867 e na Suécia em 19 de outubro de 1867.[4] Após sua introdução, a dinamite rapidamente ganhou uso em larga escala como uma alternativa segura ao pó preto e nitroglicerina. A Nobel controlou rigidamente as patentes, e empresas de duplicação não licenciadas foram fechadas rapidamente. Alguns empresários americanos, no entanto, contornaram a patente usando absorventes diferentes da terra diatomácea, como a resina.[5]

Nobel originalmente vendeu dinamite como "Pó Explosivo de Nobel", mas decidiu mudar o nome para dinamite, da palavra grega antiga dýnamis (δύναμις), que significa "poder".[6]

Referências

  1. a b Austin Powder Co. Blaster Guide, Dynamite series Arquivado em 21 de março de 2012, no Wayback Machine. page 2.
  2. Ledgard, Jared (2007), A Soldiers Handbook, Volume 1: Explosives Operations, ISBN 0615147941 
  3. «Alfred Nobel - Dynamit». Tekniska museet (em sueco). Consultado em 6 de dezembro de 2020 
  4. Schück & Sohlman (1929), p. 101.
  5. US Patent 234489 issued to Morse 16 November 1880
  6. «dynamite». The Free Dictionary. Consultado em 6 de dezembro de 2020 
  Este artigo sobre Química é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.