Abrir menu principal

Economia estruturalista

corrente teórica em economia

A Economia Estruturalista é uma abordagem da economia que enfatiza a importância de levar em conta características tipicamente estruturais ao empreender a análise econômica. A abordagem surgiu com o trabalho da Comissão Econômica para a América Latina (CEPAL) e está associada principalmente ao seu diretor Raúl Prebisch e ao economista brasileiro Celso Furtado. Prebisch começou com argumentos de que a desigualdade econômica e o desenvolvimento distorcido eram uma característica estrutural inerente à troca global do sistema. Assim, os primeiros modelos estruturalistas enfatizavam os desequilíbrios internos e externos decorrentes da estrutura produtiva e suas interações com a relação de dependência que os países em desenvolvimento tinham com o mundo desenvolvido. O próprio Prebisch ajudou a fornecer a justificativa para a ideia da industrialização de substituição de importações, na esteira da Grande Depressão e da Segunda Guerra Mundial.[1] O alegado declínio dos termos de troca dos países em desenvolvimento, a hipótese Singer-Prebisch , desempenhou um papel fundamental nisso.[2]

Índice

DetalhesEditar

Dutt e Ros[3] argumentam que os economistas estruturalistas tentam identificar rigidezes específicas, atrasos e outras características da estrutura dos países em desenvolvimento, a fim de avaliar a maneira como as economias se ajustam, além de sua capacidade de resposta às políticas de desenvolvimento. Uma suposição normal dentro dessa abordagem é que o mecanismo de preço falha:

  • como um mecanismo de equilíbrio,
  • para entregar crescimento constante,
  • para produzir uma distribuição de renda "desejada".[4]

Nixson[5] relata o argumento de Bitar[6] de que havia se tornado um amplo consenso sobre o que equivalia à abordagem neo-estruturalista. Isso incluiu o reconhecimento de:

  • a importância de fatores políticos e institucionais na análise de problemas econômicos.
  • da necessidade de aumentar o nível de poupança interna, a fim de aumentar a taxa de investimento, uma vez que é provável que as fontes externas de financiamento sejam difíceis de obter
  • a inflação como um "fenômeno social" que requer a eliminação de mudanças sociais, psicológicas e político-institucionais, além de políticas monetárias e fiscais ortodoxas.
  • a natureza falsa dos dilemas entre, por exemplo, ISI e EOI - planejamento e mercado - agricultura e indústria.
  • a necessidade de fortalecer a base produtiva e tecnológica.
  • a importância de tentar melhorar os termos em que os países estão integrados na economia global e melhorar a competitividade internacional.
  • ajuste estrutural como apenas um componente da mudança estrutural.

Contribuições mais recentes para a economia estruturalista destacaram a importância das instituições e da distribuição nos setores produtivos e nos grupos sociais. Essas instituições e setores podem ser incorporados a modelos macroeconômicos ou multissetoriais. No nível macroeconômico, os estruturalistas modernos traçariam as origens de sua abordagem dos Problemas de Kalecki para o Financiamento do Desenvolvimento Econômico em uma Economia Mista.[7] A versão de FitzGerald deste modelo de economia industrializada tem três mercados de commodities (alimentos, manufaturas e bens de capital), comércio exterior e distribuição de renda que sustentam a especificação de um setor financeiro com saldos de poupança, investimento, fiscal e monetário.[8] Para modelos multissetoriais, as Matrizes de Contabilidade Social (SAMs) (uma extensão para tabelas de entrada-saída) são frequentemente usadas.[9] Lance Taylor forneceu tanto uma introdução técnica a uma forma de economia estruturalista e crítica de abordagens mais mainstream.[10]

Nova economia estruturalistaEditar

A nova economia estruturalista é uma estratégia de desenvolvimento econômico desenvolvida pelo economista-chefe do Banco Mundial, Justin Yifu Lin. A estratégia combina ideias da economia neoclássica e da economia estruturalista.[11]

Referências

  1. Hunt, Michael. The World Transformed, 1945 to the Present. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-19-937102-0 
  2. Palma, J.G. (1987). "structuralism," The New Palgrave: A Dictionary of Economics, v. 4, pp. 527-531.
  3. Dutt, Amitava Krishna and Ros, Jaime (2003) Development Economics and Structuralist Macroeconomics: Essays in honor of Lance Taylor, Edward Elgar, p. 55.
  4. Dutt, Amitava Krishna and Ros, Jaime (2003) Development Economics and Structuralist Macroeconomics: Essays in honor of Lance Taylor, Edward Elgar
  5. Colman, D. and Nixson, F. (1994) Economics of Change in Less Developed Countries, Harvester Wheatsheaf, p. 454
  6. Bitar, S. (1988) Neoconservatism versus Neostructuralism in Latin America, CEPAL Review, No. 34.
  7. Kalecki, M (1970) Problems of Financing Economic Development in a Mixed Economy.
  8. FitzGerald, E. V.K. (1990) Kalecki on Financing Development: An Approach to the Macroeconomics of the Semi-industrialised Economy Cambridge Journal of Economics, vol. 14, issue 2, pages 183-203.
  9. Taylor, L (1983) Structuralist macroeconomics: Applicable models for the third world, Basic Books, New York
  10. Taylor, L (2004) Reconstructing Macroeconomics: Structuralist Proposals and Critiques of the Mainstream, Harvard University Press.
  11. «New Structural Economics A Framework for Rethinking Development and Policy» (PDF) 

Ver tambémEditar