Egypt Exploration Society

A Egypt Exploration Society (EES) é uma organização britânica sem fins lucrativos. A sociedade foi fundada em 1882 por Amelia Edwards e Reginald Stuart Poole, com o objetivo de examinar e escavar nas áreas do Egito e do Sudão. A intenção era estudar e analisar os resultados das escavações e publicar as informações para o mundo acadêmico.[1] A EES trabalhou em muitas das principais escavações e locais do Egito. Suas conquistas incluem a descoberta de um santuário para a deusa Hathor, uma estátua de uma vaca de Deir el-Bahari, o templo mortuário da rainha Hatchepsut e o modelo esculpido de Nefertiti de Amarna. A Sociedade fez contribuições importantes para o estudo do mundo egípcio antigo.[2] A sociedade está sediada em Londres e é uma instituição de caridade registrada sob a lei inglesa.[3]

HistóriaEditar

 
Amelia Edwards nos Estados Unidos, 1890

Em 1873 a escritora inglesa Amelia Edwards foi levada aos locais do Egito, enquanto encontrava climas frios e úmidos na Europa. Ela e vários amigos acabaram viajando pelo rio Nilo do Cairo a Abu Simbel. Ela registrou os eventos e descobertas dessa jornada e acabou publicando-o como A Thousand Miles up the Nile em 1876. O livro tornou-se conhecido por sua descrição do Egito do século XIX e as antiguidades em grande parte não escavadas que ela encontrou. As descrições de Edwards mudaram a perspectiva do mundo tanto sobre o moderno quanto o Antigo Egito. Isso atraiu a atenção da sociedade acadêmica e do resto do mundo. O livro acabou se tornando um best-seller devido a esse aumento de interesse, o que levou Edwards a pensar em continuar seus estudos do Egito Antigo. Em 1882, Amelia Edwards e Reginald Stuart Poole, um funcionário do Departamento de Moedas e Medalhas do Museu Britânico, decidiram criar o Egypt Exploration Fund como uma forma de arrecadar recursos para mais escavações no Delta do Nilo, que havia sido notado como sendo raramente visitado.[1] Depois de anunciar suas intenções no The Times, eles começaram a ser financiados por indivíduos como o Arcebispo de Canterbury Edward White Benson, o poeta Robert Browning e Sir William James Erasmus Wilson. Wilson, em particular, mostrou interesse suficiente para prometer £ 500 ao Fundo de Exploração do Egito. Isso marcou o início da Egypt Exploration Society.[2]

ComeçoEditar

O primeiro escavador do Egypt Exploration Fund foi Édouard Naville, um egiptólogo suíço e estudioso da Bíblia. Em janeiro de 1883 Naville partiu para Tell el-Maskhuta. Seu objetivo era encontrar o caminho do êxodo bíblico, já que o Fundo havia decidido ampliar seus interesses para atrair um público mais amplo. O trabalho de Naville despertou grande interesse do público e na primeira Assembleia Geral do Fundo, ocorrida a 3 de julho de 1883, a sociedade obteve um bom montante de fundos nas suas contas. Uma cópia do trabalho de Naville foi distribuída aos subscritores do Fundo. Eventualmente, o Fundo decidiu que os subscritores se tornassem membros.[2]

Segunda escavaçãoEditar

Durante a segunda escavação, o Fundo enviou Flinders Petrie, um egiptólogo inglês, que foi para Tânis, um local ligado à cidade bíblica de Zoan. Petrie concentrou grande parte de seu trabalho nas habitações comuns do local. Isso apresentou uma nova gama de descobertas para a sociedade. Petrie foi um dos primeiros a entender que havia mais do que objetos esteticamente atraentes. Em vez disso, ele entendeu que muitos objetos poderiam fornecer informações sobre a sociedade daquela época. Ele desenvolveu muitas técnicas nas quais poderia escavar e registrar os objetos que encontrou e suas descobertas gerais. No final de sua escavação, Petrie conseguiu trazer de volta muitas descobertas e itens valiosos que doou ao Museu Britânico. A sociedade se tornou uma das primeiras a fornecer objetos escavados cientificamente na Grã-Bretanha e no exterior.[2][4]

Terceira escavaçãoEditar

Na época da terceira escavação, e no terceiro ano desde que o Fundo foi estabelecido, a sociedade foi capaz de enviar Édouard Naville, Flinders Petrie e Francis Llewellyn Griffith para o Egito. Durante este tempo e pelos próximos anos, o Fundo foi capaz de trazer de volta muitas descobertas, que resultaram no avanço do conhecimento sobre o Antigo Egito. Alguns dos locais incluíam o acampamento fortificado de Tell Dafana e o templo de Bastet.[2]

AtualidadeEditar

Em 1919, no final da Primeira Guerra Mundial, o Egypt Excavation Fund mudou seu nome para Egypt Exploration Society.[5] Hoje, a EES continua a publicar seu repórter anual, o Journal of Egyptian Archaeology, que detalha as descobertas da sociedade para todos os seus membros.[6] Também publica um boletim informativo semestral chamado Egyptian Archaeology.[7] A Egypt Exploration Society está sediada em Doughty Mews, Londres WC1N desde 1969.

Em outubro de 2019 funcionários da Egypt Exploration Society alegaram que o professor de Oxford Dirk Obbink se envolveu no roubo e venda de "pelo menos 11 fragmentos da Bíblia antigos para a família Green, os proprietários da Hobby Lobby que operam um museu da Bíblia e uma organização de caridade em Washington." O Museu da Bíblia disse que devolverá os fragmentos à Egypt Exploration Society e à Universidade de Oxford.[8]

Membros notáveisEditar

Referências

  1. a b «Egypt Exploration Society». ees.ac.uk. Consultado em 2 de maio de 2021 
  2. a b c d e «Egypt Exploration Society». Consultado em 2 de maio de 2021 
  3. «The Egypt Exploration Society, registered charity no. 212384». Charity Commission for England and Wales 
  4. Artefacts of Excavation. British Excavations in Egypt 1880-1980
  5. «UCL Bloomsbury Project». ucl.ac.uk. Consultado em 2 de maio de 2021 
  6. «Egypt Exploration Society». ees.ac.uk. Consultado em 2 de maio de 2021 
  7. «Egypt Exploration Society». ees.ac.uk. Consultado em 2 de maio de 2021 
  8. Gleiter, Dan (15 de outubro de 2019). «Oxford professor allegedly sold ancient, stolen Bible artifacts to Hobby Lobby». Washington Post. Consultado em 2 de maio de 2021 
  9. «1969 Tell el-Fara'in | Artefacts of Excavation». egyptartefacts.griffith.ox.ac.uk. Consultado em 2 de maio de 2021 
  10. Seton-Williams, M.V. (1988). The Road to El-Aguzein. [S.l.: s.n.] 96 páginas 

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar