Emoções sociais

Emoções sociais são emoções que dependem de pensamentos, sentimentos ou ações de outras pessoas, "conforme experimentado, lembrado, antecipado ou imaginado em primeira mão".[1][2] As emoções sociais às vezes são chamadas de emoções morais, porque desempenham um papel importante na moralidade e na tomada de decisões morais.[3] Em neuroeconomia, o papel que as emoções sociais desempenham na teoria dos jogos e na tomada de decisões econômicas está apenas começando a ser investigado.[4]

Neurociência comportamentalEditar

Depois que a imagem funcional (fMRI) se tornou popular, os pesquisadores começaram a estudar a tomada de decisões econômicas com essa nova tecnologia. Isso permite que os pesquisadores investiguem, em um nível neurológico, o papel que as emoções desempenham na tomada de decisões.

DesenvolvimentoEditar

A capacidade de descrever situações em que uma emoção social será vivenciada surge por volta dos 7 anos,[5] e, na adolescência, a experiência da emoção social permeia as trocas sociais cotidianas.[12][6][7] Estudos usando fMRI descobriram que diferentes regiões do cérebro estão envolvidas em diferentes grupos de idade ao realizar tarefas sócio-cognitivas e socioemocionais. Estudos que comparam adultos com adolescentes em seus processos de emoções básicas e sociais também sugerem mudanças no desenvolvimento das áreas cerebrais envolvidas. Em comparação com os adolescentes, o pólo temporal esquerdo tem uma atividade mais forte em adultos quando eles leem histórias que provocam emoções sociais.[8] Pesquisadores acreditam que os pólos temporais são para armazenar conhecimento social abstrato.[9] Isso sugere que o adulto pode usar o conhecimento semântico social com mais frequência ao pensar em situações socioemocionais do que os adolescentes.[8]

Aspecto moralEditar

Algumas emoções sociais também são chamadas de emoções morais devido ao papel fundamental que desempenham na moralidade.[10] Por exemplo, a culpa é o desconforto e o arrependimento que alguém sente por ter feito algo errado.[11] É uma emoção social, pois requer a percepção de que outra pessoa está sendo magoada por esse ato; e também tem implicações na moralidade, de tal forma que o culpado, em virtude de se sentir angustiado e culpado, assume a responsabilidade pela transgressão, que pode causar o desejo de reparar ou punir a si mesmo.[12]

Ver tambémEditar

Referências

  1. HARELI, SHLOMO; PARKINSON, BRIAN (junho de 2008). «What's Social About Social Emotions?». Journal for the Theory of Social Behaviour (2): 131–156. ISSN 0021-8308. doi:10.1111/j.1468-5914.2008.00363.x. Consultado em 28 de dezembro de 2021 
  2. Burnett, Stephanie; Bird, Geoffrey; Moll, Jorge; Frith, Chris; Blakemore, Sarah-Jayne (1 de setembro de 2009). «Development during Adolescence of the Neural Processing of Social Emotion». Journal of Cognitive Neuroscience (9): 1736–1750. ISSN 0898-929X. doi:10.1162/jocn.2009.21121. Consultado em 28 de dezembro de 2021 
  3. editor., Erdogdu, M. Mustafa, 1962- editor. Batrancea, Larissa-Margareta, editor. Çevik, Savaş,. Behavioural public finance: individuals, society, and the state. [S.l.: s.n.] OCLC 1158509769 
  4. Sanfey, Alan G.; Rilling, James K.; Aronson, Jessica A.; Nystrom, Leigh E.; Cohen, Jonathan D. (13 de junho de 2003). «The Neural Basis of Economic Decision-Making in the Ultimatum Game». Science (em inglês). doi:10.1126/science.1082976. Consultado em 28 de dezembro de 2021 
  5. Harris, Paul L.; Olthof, Tjeert; Terwogt, Mark Meerum; Hardman, Charlotte E. (1 de setembro de 1987). «Children's Knowledge of the Situations that Provoke Emotion». International Journal of Behavioral Development (em inglês) (3): 319–343. ISSN 0165-0254. doi:10.1177/016502548701000304. Consultado em 28 de dezembro de 2021 
  6. Zeman, Janice; Cassano, Michael; Perry-Parrish, Carisa; Stegall, Sheri (abril de 2006). «Emotion Regulation in Children and Adolescents». Journal of Developmental & Behavioral Pediatrics (em inglês) (2): 155–168. ISSN 0196-206X. Consultado em 28 de dezembro de 2021 
  7. Elkind, David; Bowen, Robert (janeiro de 1979). «Imaginary audience behavior in children and adolescents.». Developmental Psychology (em inglês) (1): 38–44. ISSN 1939-0599. doi:10.1037/0012-1649.15.1.38. Consultado em 28 de dezembro de 2021 
  8. a b Burnett, Stephanie; Bird, Geoffrey; Moll, Jorge; Frith, Chris; Blakemore, Sarah-Jayne (setembro de 2009). «Development during Adolescence of the Neural Processing of Social Emotion». Journal of cognitive neuroscience (9): 1736–1750. ISSN 0898-929X. PMC 4541723 . PMID 18823226. doi:10.1162/jocn.2009.21121. Consultado em 28 de dezembro de 2021 
  9. Frith, Chris D (29 de abril de 2007). «The social brain?». Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences (1480): 671–678. ISSN 0962-8436. PMC 1919402 . PMID 17255010. doi:10.1098/rstb.2006.2003. Consultado em 28 de dezembro de 2021 
  10. Eisenberg, N. (2000). «Emotion, regulation, and moral development.». Annual review of psychology. doi:10.1146/ANNUREV.PSYCH.51.1.665. Consultado em 28 de dezembro de 2021 
  11. Dorofeyeva, L. V. (novembro de 1975). «Obtaining of measles virus haemagglutinin from strain L-16 grown in primary cell cultures». Acta Virologica (6). 497 páginas. ISSN 0001-723X. PMID 1998. Consultado em 28 de dezembro de 2021 
  12. Zaunbrecher, Barbara S.; Arning, Katrin; Ziefle, Martina (2018). «The Good, the Bad and the Ugly: Affect and its Role for Renewable Energy Acceptance». SCITEPRESS - Science and Technology Publications. doi:10.5220/0006795003250336. Consultado em 28 de dezembro de 2021 
  Este artigo sobre sociologia ou um(a) sociólogo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.