Enéas de Paris

Enéas de Paris ou Eneias de Paris (em latim: Aeneas Parisiensis ou Æneas Parisiensis; m. 27 de dezembro de 870) foi bispo de Paris entre 858 e 870. É conhecido principalmente por ser o autor de um dos controversos tratados contra os bizantinos ("gregos") citados pelas cartas encíclicas de Fócio. Sua completa "Liber adversus Græcos"[1] trata da processão do Espírito Santo, do casamento do clero, dos jejuns, do batismo infantil (consignatio infantium), da tonsura, da primazia romana e da elevação de diáconos para a sé de Roma. Para terminar, ele declara que as acusações apresentadas pelos bizantinos contra os latinos são "questões supérfluas relacionadas mais a assuntos seculares que espirituais".

A obra é principalmente uma coleção de citações ou "sentenças" de Padres da Igreja, latinos e gregos, sendo as frases destes traduções de Enéas.

Em sua "Epistola tractoria ad Wenilonem", escrita em 856 durante a controvérsia da predestinação, Prudêncio de Troyes vincula sua aprovação à ordenação Enéas como bispo de Paris à sua subscrição a quatro artigos que favorecem a dupla predestinação[2].

Referências

  1. In D'Achery, Spicilegium, Paris, i., 1723, 113-148; Migne, Patrologia Latina, 121:681-762; cf. MGH, Epist., vi., 1902, p. 171, no. 22.
  2.   "Prudentius" na edição de 1913 da Enciclopédia Católica (em inglês). Em domínio público.

AtribuiçãoEditar