Engolimento de espada

Engolimento de espada é uma performance, na qual o artista introduz uma espada em sua boca, fazendo-a deslizar pelo esôfago e podendo mesmo chegar ao estômago. O nome dado a este ato é tecnicamente enganador, visto que seus executores têm de suprimir o reflexo de engasgo e não engolir de verdade, enquanto a espada desce garganta abaixo. O engolimento de espada é uma atividade extremamente perigosa e potencialmente mortal, e muitos óbitos e complicações médicas sérias foram provocadas pela tentativa de emular o feito. Alguns engolidores de espadas são oficialmente reconhecidos como membros da Sword Swallowers' Association International (SSAI).[1] Destes, somente uns poucos são engolidores de espadas profissionais em atividade, sendo a parte restante composta por artistas amadores, acidentados ou aposentados.

Um engolidor de espadas num espetáculo de rua em Santa Fé, Novo México.

História da arteEditar

PrimórdiosEditar

Originada na Índia antes de 2000 A.C.,[2] a arte mortal do engolimento de espadas possui uma longa e variada história. Durante este período, era praticada por faquires como uma demonstração de seu controle corporal e de sua conexão com os deuses.[2]

A migração da arte para outras terras, principalmente a China no século VIII, viu sua transformação de demonstração divina em apresentação teatral. Migrou rapidamente para o Japão, onde tornou-se parte central do teatro acrobático japonês, Sangaku. Esta forma de teatro apresentava várias performances cênicas, incluindo pirofagia, equilibrismo, malabarismo e um ilusionismo incipiente.

Difusão no OcidenteEditar

Simultaneamente à migração oriental da arte, ocorreu sua difusão para o norte e oeste, até chegar à Grécia e Roma nos primeiros séculos A.D.. Na Europa ela desenvolveu-se num tipo distinto de performance, associada aos menestréis medievais, que faziam apresentações nas ruas.

O engolimento de espada foi realizado durante a Idade Média como parte do teatro de rua e era popular em festivais e outros grandes encontros. Todavia, com a fundação da Santa Inquisição em 1231, a intolerância religiosa começou lentamente a espalhar sua influência através da Europa. Engolidores de espadas, juntamento com malabaristas, mágicos, profetas e outros artistas, viram-se cada vez mais como alvos de perseguição religiosa, sendo condenados como hereges, bruxa(o)s e praticantes de artes das trevas.

Declínio e ressurgimentoEditar

Embora os praticantes tenham reaparecido com o fim da Inquisição e experimentado o ressurgimento em sua atividade e acolhida por parte do público, foi uma fase de curta duração. O engolimento de espadas começou a desaparecer em meados do século XIX, e chegou a ser mesmo posto fora da lei na Escandinávia em 1893.[2] Isto deveu-se ao declínio do interesse por festivais e teatro de rua e ao interesse crescente por parte do público em artes cênicas mais "sofisticadas" e "apropriadas".

Em 1819, o malabarista e engolidor de espadas indiano Ramo Sammee tornou-se popular nos Estados Unidos após uma breve temporada na Inglaterra. Ele apresentou-se nos Estados Unidos e na Inglaterra até sua morte em Londres, em agosto de 1850.[3] De 1850 até os anos 1890 um pequeno número de engolidores de espadas apresentou-se no Reino Unido, tais como Martha Mitchell (c. 1855) e Signor Benedetti (1863-1895), e nos Estados Unidos, Lawson Peck (anos 1850), Ling Look (c.1872), Signor Wandana (morto em 9 de maio de 1875) e Harry Parsons (morto em dezembro de 1880). Mas o mais famoso engolidor de espadas estadunidense de sua época foi Fred McLone, conhecido pelo público como "Chevalier Cliquot", que apresentou-se de 1878 até o início dos anos 1900.[3]

Popularidade e inovaçõesEditar

Em 1893, o engolimento de espadas foi apresentado na World Columbian Exposition da Chicago World's Fair. Isto marcou o início da popularidade da prática desta arte nos Estados Unidos.[3]

Circos e parques de diversão itinerantes rapidamente tornaram-se os locais dominantes para apresentações de engolidores de espadas. Viajando através da América do Norte e apresentando suas habilidades para o público frequentador, qualquer conexão com religião ou poderes divinos foi logo perdida. Engolimento de espadas tornou-se uma proeza, e como tal, instigou a competição. Enquanto que a prática europeia deu margem a artistas tentando engolir várias espadas ao mesmo tempo, a prática nos Estados Unidos parecia estar mais focado na bizarria e novidades. Isto era compreensível, visto haver um grande número de engolidores de espadas apresentando-se nesta época, e a inovação era o único recurso que os artistas dispunham no seu afã de fazer caixa, para si e seus patrões.

Foi durante esta época que verificou-se uma duvidosa explosão de criatividade, com o engolimento de espadas longas, espadas quentes, baionetas enfiadas garganta abaixo, tubos de neon acesos e assim por diante. O interesse crescente na arte foi o responsável por estas inovações arriscadas. Realmente, podia-se encontrar engolidores de espadas compartilhando os mesmos cartazes de grandes mágicos tais como Houdini, indicando claramente seu apelo popular.

A Europa Ocidental e a Inglaterra também experimentaram um aumento no interesse pelo engolimento de espadas durante este período, com muitas influências transatlânticas.

Durante o final do século XIX e início do século XX, espetáculos itinerantes de mágica vindos do Oriente excursionaram pela Europa e América, trazendo algumas mudanças singulares na técnica-padrão e efeitos totalmente novos (cujos segredos eram motivo de cobiça dos mágicos locais), e que também apresentavam outras façanhas, tais como engolimento de espadas, pirofagia, malabarismo e acrobacias.

No século XXEditar

Em meados do século XX, os circos em geral e os parques de diversões itinerantes em particular entraram em declínio. Hoje nos Estados Unidos, resta somente um destes parques permanentes, o Coney Island Sideshows by the Seashore, em Nova York, e um pequeno número de parques itinerantes. Algumas das causas para o declínio deste tipo de atração está no surgimento dos parques temáticos fixos, repletos de atrações sofisticadas, e no crescimento de outras formas de entretenimento, tais como televisão, cinema, vídeos e internet.

No século XXIEditar

O engolimento de espadas, tais como a pirofagia e muitas outras artes de espetáculos mambembes, experimentaram uma nova onda de interesse nos últimos anos. Em 2001, foi fundada a Sword Swallowers Association International[1] para interligar os engolidores de espada profissionais ao redor do mundo. Hoje, muitas habilidades consideradas tipicamente circenses ou de parques itinerantes foram apropriadas por artistas autônomos e incorporadas em suas performances, o que deu um novo impulso à estas artes cênicas.

Referências

  1. a b SSAI
  2. a b c «The History of Sword Swallowing» (em inglês). Consultado em 29 de março de 2009 
  3. a b c «Sword Swallower's Hall of Fame» (em inglês). Consultado em 29 de março de 2009 

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar