Abrir menu principal
Erich Hoepner
Bundesarchiv Bild 146-1971-068-10, Erich Hoepner.jpg
Dados pessoais
Nascimento 14 de setembro de 1886
Morte 8 de agosto de 1944 (57 anos) Prisão de Plötzensee, Berlim
Vida militar
Força Wehrmacht
Anos de serviço 1905–42
Hierarquia Generaloberst
Comandos 4.º Exército Panzer
Batalhas Primeira Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
Honrarias Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro

Erich Hoepner (14 de setembro de 1886 – 8 de agosto de 1944) foi um general alemão da Wehrmacht, durante a II Guerra Mundial. Como o comandante do 4.º Exército Panzer na Frente Oriental, ele seguiu uma política de terra arrasada, cooperou estreitamente com a Einsatzgruppen e colaborou ativamente na implementação da Ordem dos Comissários. Hoepner foi envolvido na realização do atentado de 20 de julho contra Adolf Hitler, e por esse motivo foi executado em 1944.

Índice

Primeira Guerra Mundial e o período entre-guerrasEditar

Hoepner entrou para o exército alemão em 1905, e serviu durante Primeira Guerra Mundial. Após a guerra ele permaneceu na Reichswehr, durante a República de Weimar e, em seguida, na Wehrmacht da Alemanha Nazista, onde atingiu o posto de general em 1936. Em 1938, foi-lhe dado o comando do XVI Corpo de Exército.

Segunda Guerra MundialEditar

Hoepner comandou o XVI Corpo de Exército, constituído de veículos motorizados, nas invasões da Polônia (1939) e da França (1940), recebendo a Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro. Em 1941 ele foi promovido ao posto de Generaloberst, equivalente ao de coronel-general, e recebeu o comando do 4.º Exército Panzer, para a invasão da União Soviética.

Hoepner apoiou ativamente o plano de guerra de aniquilação, chamada Vernichtungskrieg, contra a União Soviética. Como comandante do 4.º Exército Panzer, ele escreveu em 2 de maio de 1941:[1]

A guerra contra a Rússia é um importante capítulo no esforço para existência da nação germânica. É a antiga batalha entre os povos germânico e eslavo, de defesa da cultura européia contra a inundação moscovita-asiática e de repulsa do bolchevismo judeu. O objetivo dessa batalha deve ser a destruição da atual Rússia e portanto ela deve ser conduzida com severidade sem precedentes. Toda ação militar deve ser guiada, em seu preparo e execução, por uma determinação inabalável de exterminar impiedosamente e completamente o inimigo. Em particular, nenhum aderente do atual bolchevismo judeu deve ser poupado.

Frente OrientalEditar

Durante o seu comando na Frente Oriental, Hoepner prosseguido uma política de terra arrasada, exigindo a "implacável e completa destruição do inimigo".[2]

Como com todos os exércitos alemães na Frente Oriental, o Exército Panzer de Hoepner implementou a Ordem dos Comissários.[3] Franz Walter Stahlecker, o comandante da Einsatzgruppe A, o esquadrão de extermínio seguindo a Wehrmacht nos territórios ocupados da União Soviética, descreveu a cooperação da Wehrmacht para com suas tropas como "geralmente muito boa", e "em determinados casos, como por exemplo com o 4.o Exército Panzer sob o comando do General Hoepner, muito próxima, pode-se dizer até mesmo calorosa".[4]

Em 5 de dezembro de 1941 Hoepner ordenou um retiro de suas forças prolongadas, recusando-se a cumprir com a ordem categórica de Hitler para deter-se. Um mês depois, em 8 de janeiro de 1942, Hoepner foi demitido da Wehrmacht com a perda de todos os seus direitos de aposentadoria. Ele lançou uma ação judicial bem sucedida contra o Reich.[5]

Atentado de 20 de JulhoEditar

 
Hoepner no Volksgerichtshof.

Hoepner participou da conspiração responsável pelo Atentado de 20 de Julho de 1944, e estava presente no Bendlerblock com o general de infantaria (General der Infanterie) Friedrich Olbricht, o oberst Claus von Stauffenberg, o oberst Albrecht Mertz von Quirnheim e o oberleutnant Werner von Haeften. Após o fracasso da tentativa de golpe de estado, ele teve uma conversa privada com o coronel-general (Generaloberst) Friedrich Fromm, e não foi imediatamente fuzilado, com os outros.

Foi contudo preso na mesma noite e, em seguida, torturado pela Gestapo, recebendo um julgamento sumário do Volksgerichtshof e condenado à morte. Como outros acusados, incluindo o generalfeldmarschall Erwin von Witzleben, Hoepner foi forçado a vestir roupas inapropriadas e, como humilhação, em seu julgamento não pôde portar sua dentadura. Embora o juiz Roland Freisler tenha atacado verbalmente Hoepner de maneira brutal, mesmo ele se opôs a Hoepner ter sido forçado a se vestir de tal forma.[6] Hoepner foi enforcado no dia 8 de agosto, em Berlim, na prisão de Plötzensee.[7]

Em acordo com prática nazista de sippenhaft, pela qual os membros da família eram punidos coletivamente pelos crimes de seus parentes, a mulher, a filha, o filho, a irmã e o irmão de Hoepner foram presos[8] e enviado para o campo de concentração de Ravensbrück, onde sua esposa e filha foram postas no famoso Strafblock, para quatro semanas adicionais de punição.[9]

Em 1956, uma escola de Berlim foi nomeada em homenagem a Hoepner, porque ele havia se juntado à conspiração do 20 de julho e fora enforcado pelos nazistas. A escola decidiu abandonar esse nome em 2008. A publicação The National citou a diretora da escola, dizendo em 2009 que "o nome tinha sido controverso desde o início e foi repetidamente discutido. Eu não posso julgar o seu papel [Hoepner] na resistência a Hitler, mas muitos aspectos do seu papel na Segunda Guerra Mundial são menos do que saudáveis".[10]

CondecoraçõesEditar

Referências

  1. Burleigh, Michael (1997). Ethics and extermination: reflections on Nazi genocide (em inglês). New York: Cambridge University Press. p. 68. ISBN 9780511806162 
  2. Friedmann, Jan (4 de fevereiro de 2009). «Dubious Role Models: Study Reveals Many German Schools Still Named After Nazis» (em inglês). Der Spiegel. Consultado em 7 de novembro de 2016 
  3. Stahel, David (2015). The Battle for Moscow (em inglês). Cambridge, UK: Cambridge University Press. p. 28. ISBN 978-1-107-08760-6
  4. Stahel, David (2015). The Battle for Moscow (em inglês). Cambridge, UK: Cambridge University Press. p. 37. ISBN 978-1-107-08760-6
  5. Kershaw, Ian (2009). Hitler (em inglês) abridged ed. London: Penguin. p. 837, 899. ISBN 9780141035888. OCLC 559847896 
  6. Gill, Anton (1994). An Honourable Defeat, The Fight Against National Socialism in Germany 1933-1945 (em inglês). Mandarin. p. 256. ISBN 0-7493-1457-5.
  7. Scherzer, Veit (2007). Die Ritterkreuzträger : die Inhaber des Ritterkreuzes des Eisernen Kreuzes 1939 von Heer, Luftwaffe, Kriegsmarine, Waffen-SS, Volkssturm sowie mit Deutschland verbündeter Streitkräfte nach den Unterlagen des Bundesarchivs (em alemão) 2 ed. Ranis: Scherzers Militaire-Verlag. p. 141. ISBN 9783938845172. OCLC 213394371 
  8. Loeffel, Robert (2012). Family Punishment in Nazi Germany: Sippenhaft, Terror and Myth (em inglês). Basingstoke: Palgrave Macmillan. p. 130 e ss. ISBN 9780230343054 
  9. Helm, Sarah (2015). Ravensbrück : life and death in Hitler's concentration camp for women (em inglês). New York: Nan A. Talese/Doubleday, p. 396-97. ISBN 9780385520591
  10. Crossland, David (2009). «Nazi era lives on in German schools». The National (em inglês). Consultado em 26 de julho de 2017 
  11. Fellgiebel, Walther-Peer (1986). Die Träger des Ritterkreuzes des Eisernen Kreuzes, 1939-1945 : die Inhaber der höchsten Auszeichnung des Zweiten Weltkrieges aller Wehrmachtteile (em alemão). Friedberg: Podzun-Pallas. p. 230. ISBN 9783790902846 

Ligações externasEditar