Invasão da Polônia

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Invasão da Polônia (desambiguação).
Invasão da Polônia
Parte da Frente europeia da Segunda Guerra Mundial
Battle of Poland.png
Bombardeiros da Luftwaffe sobre a Polônia; SMS Schleswig-Holstein atacando o Westerplatte; Polícia de Danzigue destruindo o posto de fronteira polonês; Formação de blindados alemães; Tropas alemãs e soviéticas apertando as mãos; Bombardeio de Varsóvia.
Data 1 de setembro de 19396 de outubro de 1939
Local Polônia, Alemanha oriental e Cidade Livre de Danzigue (atual Gdańsk)
Desfecho Vitória Alemã-Soviética
(consulte a seção Consequências)
Mudanças territoriais
Beligerantes
 Alemanha Nazista
 União Soviética
(desde 17 de setembro)
 República Eslovaca
(veja detalhes)
 Cidade Livre de Danzigue
 Polônia
Comandantes
Alemanha Nazista Fedor von Bock
Alemanha Nazista Gerd von Rundstedt
União Soviética Mikhail Kovalyov
União Soviética Semyon Timoshenko
República Eslovaca (1939-1945) Ferdinand Čatloš
Segunda República Polonesa Edward Rydz-Śmigły
Segunda República Polonesa Wacław Stachiewicz
Segunda República Polonesa Emil Krukowicz-Przedrzymirski
Segunda República Polonesa Władysław Bortnowski
Segunda República Polonesa Tadeusz Kutrzeba
Segunda República Polonesa Juliusz Rómmel
Segunda República Polonesa Antoni Szylling
Segunda República Polonesa Kazimierz Fabrycy
Segunda República Polonesa Stefan Dąb-Biernacki
Forças
  • Total: 2.000.000+

  • Alemanha Nazista:
  •        66 divisões
  •        6 brigadas
  •        9.000 canhões[1]
  •        2.750 tanques
  •        2.315 aeronaves[2]

  • União Soviética:
  •        33+ divisões
  •        11+ brigadas
  •        4.959 canhões
  •        4.736 tanques
  •        3.300 aeronaves

  • República Eslovaca:
  •        3 divisões

  •        39 divisões[5]
  •        16 brigadas[5]
  •        4.300 canhões[5]
  •        210 tanques
  •        670 tanquetes
  •        800 aeronaves[1]
Baixas
  • Total: 59.000

  • Alemanha Nazista:[Nota 2]
  •        17.269 mortos
  •        30.300 feridos
  •        3.500 desaparecidos
  •        236 tanques
  •        800 veículos
  •        246 aeronaves

  • União Soviética:[Nota 3]
  •        1.475 mortos
  •        2.383 feridos[10]
  • ou   5.327 baixas[11]
  •        43 tanques

  • República Eslovaca:
  •        37 mortos
  •        11 desaparecidos
  •        114 feridos
  •        2 aeronaves[12]

  •        66,000 mortos
  •        133.700 feridos
  •        ~675.000 capturados
  •        132 tanques e veículos
  •        327 aeronaves

A Invasão da Polônia (Campanha de Setembro, em polonês/polaco: Kampania wrześniowa; Guerra Defensiva de 1939, em polonês/polaco: Wojna obronna 1939 roku; Campanha da Polônia, em alemão: Überfall auf Polen) marcou o início da Segunda Guerra Mundial. A invasão alemã começou em 1 de setembro de 1939, uma semana após a assinatura do Pacto Molotov-Ribbentrop entre a Alemanha Nazista e a União Soviética, e um dia após o Soviete Supremo da União Soviética ter aprovado o pacto.[13] Os soviéticos invadiram a Polônia em 17 de setembro. A campanha terminou em 6 de outubro com a Alemanha e a União Soviética dividindo e anexando toda a Polônia sob os termos do Tratado Fronteiriço Alemão-Soviético.

As forças alemãs invadiram a Polônia pelo norte, sul e oeste na manhã após o Incidente de Gleiwitz. As forças militares eslovacas avançaram ao lado dos alemães no norte da Eslováquia. À medida que a Wehrmacht avançava, as forças polonesas se retiravam de suas bases avançadas de operação perto da fronteira Alemanha-Polônia para linhas de defesa mais estabelecidas a leste. Após a derrota polonesa em meados de setembro na Batalha de Bzura, os alemães ganharam uma vantagem indiscutível. As forças polonesas então se retiraram para o sudeste, onde se prepararam para uma longa defesa da cabeça de ponte romena e aguardaram o apoio e alívio esperados da França e do Reino Unido.[14] Esses dois países tinham pactos com a Polônia e declararam guerra à Alemanha em 3 de setembro; no final, sua ajuda à Polônia foi muito limitada, porém a França invadiu uma pequena parte da Alemanha na Ofensiva do Sarre.

Em 17 de setembro, o Exército Vermelho Soviético invadiu a Polônia Oriental, o território além da Linha Curzon que caiu na "esfera de influência" soviética de acordo com o protocolo secreto do Pacto Molotov-Ribbentrop; isso tornou o plano de defesa polonês obsoleto.[15] Enfrentando uma segunda frente, o governo polonês concluiu que a defesa da cabeça de ponte romena não era mais viável e ordenou uma evacuação de emergência de todas as tropas para a Romênia neutra.[16] Em 6 de outubro, após a derrota polonesa na Batalha de Kock, as forças alemãs e soviéticas ganharam controle total sobre a Polônia. O sucesso da invasão marcou o fim da Segunda República Polonesa, embora a Polônia nunca tenha se rendido formalmente.

Em 8 de outubro, após um período inicial de administração militar, a Alemanha anexou diretamente a Polônia Ocidental e a antiga Cidade Livre de Danzigue e colocou o bloco de território restante sob a administração do recém-estabelecido Governo Geral. A União Soviética incorporou suas áreas recém-adquiridas às repúblicas bielorussas e ucranianas constituintes e imediatamente iniciou uma campanha de sovietização. No rescaldo da invasão, um coletivo de organizações de resistência clandestina formou o Estado Secreto Polaco dentro do território do antigo Estado polonês. Muitos dos exilados militares que conseguiram escapar da Polônia posteriormente se juntaram às Forças Armadas polonesas no Ocidente, uma força armada leal ao Governo polonês no exílio.

AntecedentesEditar

 Ver artigo principal: Causas da Segunda Guerra Mundial

Em 30 de janeiro de 1933, o Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães, sob seu líder Adolf Hitler, chegou ao poder na Alemanha Nazista.[17] Embora a República de Weimar tenha procurado há muito tempo anexar territórios pertencentes à Polônia, foi ideia do próprio Hitler e não uma realização dos planos de Weimar para invadir e dividir a Polônia,[18] anexar a Boêmia e a Áustria e criar estados-satélite ou fantoches economicamente subordinados à Alemanha.[19] Como parte dessa política de longo prazo, Hitler a princípio perseguiu uma política de reaproximação com a Polônia, tentando melhorar a opinião na Alemanha, culminando no Pacto de Não-Agressão Alemão-Polonês de 1934.[20] Anteriormente, a política externa de Hitler trabalhou para enfraquecer os laços entre a Polônia e a França, e tentou manobrar a Polônia no Pacto Anticomintern, formando uma frente cooperativa contra a União Soviética.[20][21] A Polônia receberia território a seu nordeste na Ucrânia e Bielorrússia se concordasse em travar uma guerra contra a União Soviética, mas as concessões que os poloneses deveriam fazer significavam que sua pátria se tornaria amplamente dependente da Alemanha, funcionando como pouco mais que um Estado cliente. Os poloneses temiam que sua independência acabasse sendo totalmente ameaçada;[21] historicamente, Hitler já havia denunciado o direito da Polônia à independência em 1930, escrevendo que poloneses e tchecos são uma "ralé que não vale um centavo a mais do que os habitantes do Sudão ou da Índia. Como eles podem exigir os direitos de estados independentes?"[22]

A população da Cidade Livre de Danzigue era fortemente a favor da anexação pela Alemanha, assim como muitos dos habitantes de etnia alemã do território polonês que separava o enclave alemão da Prússia Oriental do resto do Reich.[23] O Corredor Polonês constituía um terreno há muito disputado pela Polônia e Alemanha e era habitado por uma maioria polonesa. O corredor se tornou parte da Polônia após o Tratado de Versalhes. Muitos alemães também queriam que a cidade portuária urbana de Danzigue e seus arredores (incluindo a Cidade Livre de Danzigue) fossem reincorporados à Alemanha. A cidade de Danzigue tinha uma maioria alemã,[24] e foi separada da Alemanha depois do Tratado de Versalhes e transformada na Cidade Livre nominalmente independente. Hitler procurou usar isso como casus belli, um motivo de guerra, reverter as perdas territoriais pós-1918, e em muitas ocasiões apelou ao nacionalismo alemão, prometendo "libertar" a minoria alemã ainda no Corredor, assim como Danzigue.[25]

Eventos que levaram à
Segunda Guerra Mundial
  1. Tratado de Versalhes 1919
  2. Guerra Polaco-Soviética 1919
  3. Tratado de Trianon 1920
  4. Tratado de Rapallo 1920
  5. Aliança Franco-Polonês 1921
  6. Marcha sobre Roma 1922
  7. Incidente de Corfu 1923
  8. Ocupação do Ruhr 1923–1925
  9. Mein Kampf 1925
  10. Pacificação da Líbia 1923–1932
  11. Plano Dawes 1924
  12. Tratados de Locarno 1925
  13. Plano Young 1929
  14. Grande Depressão 1929–1941
  15. Invasão japonesa da Manchúria 1931
  16. Pacificação de Manchukuo 1931–1942
  17. Incidente de 28 de Janeiro 1932
  18. Conferência Mundial de Desarmamento 1932–1934
  19. Defesa da Grande Muralha 1933
  20. Batalha de Rehe 1933
  21. Ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha 1933
  22. Trégua de Tanggu 1933
  23. Pacto Ítalo-Soviético 1933
  24. Ações na Mongólia Interior 1933–1936
  25. Pacto de Não Agressão Alemão-Polonês 1934
  26. Tratado de Assistência Mútua Franco-Soviético 1935
  27. Tratado de Assistência Mútua Soviético-Checoslovaco 1935
  28. Acordo He–Umezu 1935
  29. Acordo Naval Anglo-Germânico 1935
  30. Movimento 9 de Dezembro
  31. Segunda Guerra Ítalo-Etíope 1935–1936
  32. Remilitarização da Renânia 1936
  33. Guerra Civil Espanhola 1936–1939
  34. Pacto Anticomintern 1936
  35. Campanha de Suiyuan 1936
  36. Incidente de Xi’an 1936
  37. Segunda Guerra Sino-Japonesa 1937–1945
  38. Incidente do USS Panay 1937
  39. Anschluss 1938
  40. Crise de Maio 1938
  41. Batalha do Lago Khasan 1938
  42. Acordo de Bled 1938
  43. Guerra não declarada Alemanha–Checoslováquia 1938
  44. Acordo de Munique 1938
  45. Primeira Arbitragem de Viena 1938
  46. Ocupação alemã da Checoslováquia 1939
  47. Invasão húngara de Carpatho–Ucrânia 1939
  48. Ultimato alemão à Lituânia 1939
  49. Guerra Eslováquia-Hungria 1939
  50. Ofensiva final da Guerra Civil Espanhola 1939
  51. Crise de Danzigue 1939
  52. Garantia britânica para a Polônia 1939
  53. Invasão italiana da Albânia 1939
  54. Negociações Soviético-Anglo-Franco de Moscou 1939
  55. Pacto de Aço 1939
  56. Batalhas de Khalkhin Gol 1939
  57. Pacto Molotov-Ribbentrop 1939
  58. Invasão da Polônia 1939

A invasão foi referida pela Alemanha como a Guerra Defensiva de 1939 (Verteidigungskrieg), uma vez que Hitler proclamou que a Polônia havia atacado a Alemanha e que "os alemães na Polônia são perseguidos com um terror sangrento e são expulsos de suas casas. A série de violações de fronteira, insuportáveis para uma grande potência, prova que os poloneses não estão mais dispostos a respeitar a fronteira alemã."[26]

A Polônia participou com a Alemanha na partição da Checoslováquia que se seguiu ao Acordo de Munique, embora não fizesse parte do acordo. Coagiu a Checoslováquia a render a região de Český Těšín, emitindo um ultimato nesse sentido em 30 de setembro de 1938, que foi aceito pela Checoslováquia em 1 de outubro.[27] Essa região tinha maioria polonesa e havia sido disputada entre a Checoslováquia e a Polônia após a Primeira Guerra Mundial.[28][29] A anexação polonesa do território eslovaco (várias aldeias nas regiões de Čadca, Orava e Spiš) mais tarde serviu de justificativa para o estado eslovaco aderir à invasão alemã.

Em 1937, a Alemanha começou a aumentar suas demandas por Danzigue, enquanto propunha que uma estrada extraterritorial, parte do sistema Reichsautobahn, fosse construída a fim de conectar a Prússia Oriental com a Alemanha, passando pelo Corredor Polonês.[30] A Polônia rejeitou essa proposta, temendo que, após aceitar essas demandas, ficaria cada vez mais sujeita à vontade da Alemanha e, eventualmente, perderia sua independência como os tchecos haviam feito.[31] Os líderes poloneses também não confiavam em Hitler.[31] Os britânicos também desconfiavam do aumento da força e da assertividade da Alemanha, que ameaçava sua estratégia de equilíbrio de poder.[32] Em 31 de março de 1939, a Polônia formou uma aliança militar com o Reino Unido e com a França, acreditando que a independência polonesa e a integridade territorial seriam defendidas com seu apoio se fosse ameaçada pela Alemanha.[33] Por outro lado, o primeiro-ministro britânico Neville Chamberlain e seu ministro das Relações Exteriores, Lord Halifax, ainda esperavam chegar a um acordo com Hitler sobre Danzigue (e possivelmente o Corredor Polonês). Chamberlain e seus apoiadores acreditavam que a guerra poderia ser evitada e esperavam que a Alemanha concordasse em deixar o resto da Polônia em paz. A hegemonia alemã sobre a Europa Central também estava em jogo. Em particular, Hitler disse em maio que Danzigue não era a questão importante para ele, mas a busca de Lebensraum para a Alemanha.[34]

Detalhamento das negociaçõesEditar

Com o aumento das tensões, a Alemanha Nazista se voltou para uma diplomacia agressiva. Em 28 de abril de 1939, Adolf Hitler se retirou unilateralmente do Pacto de Não-Agressão Alemão-Polonês de 1934 e do Acordo Naval Anglo-Germânico de 1935. As negociações sobre a Cidade Livre de Danzigue e o Corredor Polonês foram interrompidas e meses se passaram sem interação diplomática entre a Alemanha e a Polônia. Durante esse período intermediário, os alemães souberam que a França e o Reino Unido não conseguiram garantir uma aliança com a União Soviética contra a Alemanha e que a União Soviética estava interessada em uma aliança com a Alemanha contra a Polônia. Hitler já havia emitido ordens para se preparar para uma possível "solução do problema polonês por meios militares" por meio do cenário Fall Weiss.

Em maio, em um comunicado aos generais enquanto eles planejavam a invasão da Polônia, Hitler deixou claro que a invasão não viria sem resistência, como aconteceu na Checoslováquia:[35]

Com pequenas exceções, a unificação nacional alemã foi alcançada. Mais sucessos não podem ser alcançados sem derramamento de sangue. A Polônia estará sempre ao lado dos nossos adversários... Danzigue não é o objetivo. É uma questão de expandir o nosso espaço vital no Leste, de tornar seguro o nosso abastecimento alimentar e de resolver o problema dos Países Bálticos. Para fornecer comida suficiente, você deve ter áreas pouco povoadas. Portanto, não há como poupar a Polônia, e a decisão continua a ser atacar a Polônia na primeira oportunidade. Não podemos esperar uma repetição da Checoslováquia. Haverá luta.[35]

Em 22 de agosto, pouco mais de uma semana antes do início da guerra, Hitler fez um discurso para seus comandantes militares em Obersalzberg:

O objetivo da guerra é ... destruir fisicamente o inimigo. É por isso que preparei, por enquanto apenas no Leste, minhas formações de 'Cabeça de Morte' com ordens para matar sem piedade ou misericórdia todos os homens, mulheres e crianças de descendência ou língua polonesa. Só assim podemos obter o espaço vital de que necessitamos.[36]
 
Viatcheslav Molotov assinando o Pacto Molotov-Ribbentrop, um pacto Alemão-Soviético de não-agressão

Com a assinatura surpresa do Pacto Molotov-Ribbentrop em 23 de agosto, o resultado de conversas secretas nazistas-soviéticas mantidas em Moscou, a Alemanha neutralizou a possibilidade da oposição soviética a uma campanha contra a Polônia e a guerra se tornou iminente. Na verdade, os soviéticos concordaram em não ajudar a França ou o Reino Unido no caso de entrarem em guerra com a Alemanha pela Polônia e, em um protocolo secreto do pacto, os alemães e os soviéticos concordaram em dividir a Europa Oriental, incluindo a Polônia, em duas esferas de influência; um terço ocidental do país iria para a Alemanha e os dois terços do leste para a União Soviética.

O ataque alemão estava originalmente programado para começar às 04:00 da manhã de 26 de agosto. No entanto, em 25 de agosto, o Pacto de Defesa Comum Anglo-Polonês foi assinado como um anexo à Aliança Franco-Polonesa (1921). Nesse acordo, o Reino Unido se comprometeu com a defesa da Polônia, garantindo a preservação da independência polonesa. Ao mesmo tempo, os britânicos e os poloneses insinuavam a Berlim que estavam dispostos a retomar as discussões, de forma alguma como Hitler esperava enquadrar o conflito. Assim, ele hesitou e adiou seu ataque até 1 de setembro, conseguindo efetivamente deter toda a invasão "no meio do salto".

 
Partições planejadas e reais da Polônia, de acordo com o Pacto Molotov-Ribbentrop, com ajustes posteriores

No entanto, houve uma exceção: na noite de 25-26 de agosto, um grupo de sabotagem alemão que não tinha ouvido nada sobre o adiamento da invasão fez um ataque à estação ferroviária de Passo de Jablunkov e Mosty, na Silésia. Na manhã de 26 de agosto, esse grupo foi repelido pelas tropas polonesas. O lado alemão descreveu tudo isso como um incidente "causado por um indivíduo insano" (veja incidente de Jabłonków).

Em 26 de agosto, Hitler tentou dissuadir os britânicos e franceses de interferir no conflito que se aproximava, até mesmo prometendo que as forças da Wehrmacht que seriam colocadas à disposição do Império Britânico no futuro. As negociações convenceram Hitler de que havia pouca chance de os Aliados ocidentais declararem guerra à Alemanha e, mesmo que o fizessem, devido à falta de "garantias territoriais" para a Polônia, estariam dispostos a negociar um compromisso favorável à Alemanha após sua conquista da Polônia. Enquanto isso, o aumento do número de sobrevoos de aviões de reconhecimento de alta altitude e movimentos de tropas através da fronteira sinalizava que a guerra era iminente.

 
Mapa mostrando o início da Segunda Guerra Mundial em setembro de 1939 em um contexto europeu

Em 29 de agosto, instigada pelos britânicos, a Alemanha fez uma última oferta diplomática, com Fall Weiss ainda a ser reprogramada. Naquela noite, o governo alemão respondeu em uma comunicação que visava não só a restauração de Danzigue, mas também o Ccorredor Polonês (que não fazia parte das demandas de Hitler), além da salvaguarda da minoria alemã na Polônia. Afirma que está disposto a iniciar negociações, mas indica que um representante polaco com poderes para assinar um acordo deverá chegar a Berlim no dia seguinte, enquanto entretanto elaborará um conjunto de propostas.[37] O Gabinete Britânico ficou satisfeito que as negociações tenham sido acordadas, mas, ciente de como Emil Hácha foi forçado a deixar seu país em circunstâncias semelhantes apenas alguns meses antes, considerou a necessidade de uma chegada imediata de um representante polonês com plenos poderes de assinatura como um ultimato inaceitável.[38][39] Na noite de 30/31 de agosto, o Ministro das Relações Exteriores alemão Joachim von Ribbentrop leu uma proposta alemã de 16 pontos ao embaixador britânico. Quando o embaixador solicitou uma cópia das propostas para transmissão ao governo polonês, Ribbentrop recusou, com base em que o representante polonês solicitado não tinha chegado à meia-noite.[40] Quando o embaixador polonês Józef Lipski foi ver Ribbentrop depois no dia 31 de agosto para indicar que a Polônia estava favoravelmente disposta a negociações, ele anunciou que não tinha o poder total para assinar, e Ribbentrop o despediu. Foi então transmitido que a Polônia havia rejeitado a oferta da Alemanha e as negociações com a Polônia chegaram ao fim. Hitler deu ordens para que a invasão começasse logo depois.

Em 29 de agosto, o Ministro das Relações Exteriores da Polônia, Józef Beck, ordenou a mobilização militar, mas sob a pressão do Reino Unido e da França, a mobilização foi cancelada. Quando a mobilização final começou, aumentou a confusão.[41]

Em 30 de agosto, a Marinha da Polônia enviou sua flotilha de contratorpedeiros para o Reino Unido, executando o Plano Peking. No mesmo dia, o marechal da Polônia Edward Rydz-Śmigły anunciou a mobilização das tropas polonesas. No entanto, ele foi pressionado a revogar a ordem pelos franceses, que aparentemente ainda esperavam por um acordo diplomático, sem perceber que os alemães estavam totalmente mobilizados e concentrados na fronteira polonesa.[42] Durante a noite de 31 de agosto, o Incidente de Gleiwitz, um ataque de bandeira falsa à estação de rádio, foi encenado perto da cidade fronteiriça de Gleiwitz na Alta Silésia por unidades alemãs se passando por tropas polonesas, como parte da Operação Himmler.[43] Em 31 de agosto, Hitler ordenou que as hostilidades contra a Polônia começassem às 4:45 da manhã seguinte. No entanto, em parte por causa da paralisação anterior, a Polônia finalmente conseguiu mobilizar apenas cerca de 70% de suas forças planejadas (apenas cerca de 900.000 dos 1.350.000 soldados planejados para se mobilizar em primeira ordem), e por causa disso muitas unidades ainda estavam se formando ou se movendo para seu posições designadas na linha de frente. A mobilização tardia reduziu a capacidade de combate do Exército Polonês em cerca de um terço.

Forças de oposiçãoEditar

 
Aviadores alemães almoçando ao ar livre no leste

Alemanha NazistaEditar

A Alemanha Nazista tinha uma vantagem numérica substancial sobre a Polônia e havia desenvolvido um exército significativo antes do conflito. O Heer (exército) tinha 3.472 tanques em seu estoque, dos quais 2.859 estavam com o Exército de Campo e 408 com o Exército de Substituição.[44] 453 tanques foram atribuídos a quatro divisões leves, enquanto outros 225 tanques estavam em regimentos e companhias destacados.[45] Mais notavelmente, os alemães tinham sete divisões Panzer, com 2.009 tanques entre eles, usando uma nova doutrina operacional.[46] Sustentou que essas divisões deveriam agir em coordenação com outros elementos das forças armadas, abrindo buracos na linha inimiga e isolando unidades selecionadas, que seriam cercadas e destruídas. Isso seria seguido por infantaria mecanizada menos móvel e soldados de infantaria. A Luftwaffe (força aérea) forneceu poder aéreo tático e estratégico, particularmente bombardeiros de mergulho que interromperam as linhas de suprimento e comunicações. Juntos, os novos métodos foram apelidados de "Blitzkrieg" (guerra relâmpago). Enquanto o historiador Basil Liddell Hart afirmou que "a Polônia foi uma demonstração completa da teoria Blitzkrieg",[47] alguns outros historiadores discordam.[48]

As aviões desempenharam um papel importante na campanha. Os bombardeiros também atacaram cidades, causando enormes perdas entre a população civil por meio de bombardeios terroristas e fuzilamento. As forças da Luftwaffe consistiam em 1.180 caças, 290 bombardeiros de mergulho Ju 87 Stuka, 1.100 bombardeiros convencionais (principalmente Heinkel He 111 e Dornier Do 17) e uma variedade de 550 aviões de transporte e 350 aviões de reconhecimento.[49][50] No total, a Alemanha possuía cerca de 4.000 aviões, a maioria eram modernos. Uma força de 2.315 aviões foi atribuída a Fall Weiss.[51] Devido à sua participação anterior na Guerra Civil Espanhola, a Luftwaffe foi provavelmente a força aérea mais experiente, mais bem treinada e mais bem equipada do mundo em 1939.[52]

PolôniaEditar

 
Infantaria polonesa

Surgindo em 1918 como um país independente após 123 anos após as Partições da Polônia, a Segunda República Polonesa, quando comparada com países como o Reino Unido ou a Alemanha, era um país relativamente indigente e principalmente agrícola. Os potências de partição não investiram no desenvolvimento da indústria, especialmente na indústria de armamentos em áreas etnicamente polonesas. Além disso, a Polônia teve que lidar com os danos causados pela Primeira Guerra Mundial. Isso resultou na necessidade de construir uma indústria de defesa do zero. Entre 1936 e 1939, a Polônia investiu pesadamente na recém-criada Região Industrial Central. Os preparativos para uma guerra defensiva com a Alemanha estavam em andamento por muitos anos, mas a maioria dos planos presumia que os combates não começariam antes de 1942. Para levantar fundos para o desenvolvimento industrial, a Polônia vendeu muitos dos equipamentos modernos que produziu.[53] Em 1936, um Fundo de Defesa Nacional foi criado para coletar os fundos necessários para o fortalecimento das Forças Armadas Polacas. O Exército Polonês tinha aproximadamente um milhão de soldados, mas nem todos foram mobilizados até 1 de setembro. Os retardatários sofreram baixas significativas quando o transporte público se tornou alvos da Luftwaffe. Os militares poloneses tinham menos forças blindadas do que os alemães, e essas unidades, dispersas dentro da infantaria, foram incapazes de enfrentar os alemães com eficácia.[54]

As experiências na Guerra Polaco-Soviética moldaram a doutrina organizacional e operacional do Exército Polonês. Ao contrário da guerra de trincheiras da Primeira Guerra Mundial, a Guerra Polaco-Soviética foi um conflito no qual a mobilidade da cavalaria desempenhou um papel decisivo.[55] A Polônia reconheceu os benefícios da mobilidade, mas não conseguiu investir pesadamente em muitas das invenções caras e não comprovadas desde então. Apesar disso, as brigadas de cavalaria polonesas foram usadas como infantaria montada móvel e tiveram alguns sucessos contra a infantaria e a cavalaria alemãs.[56]

 
Arma antitanque Bofors 37mm no posto de fogo durante os exercícios

Uma divisão de infantaria polonesa média consistia de 16.492 soldados e estava equipada com 326 canhões leves e médios, 132 canhões pesados, 92 rifles antitanque e várias dezenas de artilharia de campanha leve, média, pesada, antitanque e antiaéreo. Ao contrário dos 1.009 carros e caminhões e 4.842 cavalos na divisão de infantaria alemã média, a divisão de infantaria polonesa média tinha 76 carros e caminhões e 6.939 cavalos.[57]

A Força Aérea Polaca (Lotnictwo Wojskowe) estava em grave desvantagem contra a Luftwaffe alemã devido à inferioridade em números e à obsolescência de seus aviões de combate. No entanto, ao contrário da propaganda alemã, não foi destruído no solo; na verdade, foi disperso com sucesso antes do início do conflito e nenhum dos seus aviões de combate foi destruído no solo nos primeiros dias do conflito.[58] Na era do rápido progresso na aviação, a Força Aérea Polaca carecia de caças modernos, em grande parte devido ao cancelamento de muitos projetos avançados, como o PZL.38 Wilk e ao atraso na introdução de um caça polonês moderno completamente novo PZL.50 Jastrząb. No entanto, seus pilotos estavam entre os mais bem treinados do mundo, como comprovado um ano depois na Batalha da Grã-Bretanha, na qual os poloneses desempenharam um papel notável.[59]

 
Avião de combate polonês PZL P.11
 
Bombardeiros médios poloneses PZL.37 Łoś com uma tripulação de quatro homens

No geral, os alemães desfrutaram de superioridade numérica e qualitativa em aviões. A Polônia tinha apenas cerca de 600 aviões, das quais apenas bombardeiros pesados PZL.37 Łoś eram modernos e comparáveis aos alemães. A Força Aérea Polaca tinha aproximadamente 185 PZL P.11 e cerca de 95 caças PZL P.7, 175 PZL.23 Karaś B, 35 Karaś como bombardeiros leves.[Nota 5] Porém, para a Campanha de Setembro, nem todos esses aviões foram mobilizados. Em 1 de setembro, de cerca de 120 bombardeiros pesados PZL.37 produzidos, apenas 36 PZL.37 foram implantados, o restante sendo principalmente de unidades de treinamento. Todos esses aviões eram de design polonês nativo, com os bombardeiros sendo mais modernos do que os caças, de acordo com o plano de expansão da força aérea de Ludomił Rayski, que contava com uma forte força de bombardeiros. A Força Aérea Polaca consistia em uma 'Brigada de Bombardeiros', 'Brigada de Perseguição' e aviões designados para os vários exércitos terrestres.[61] Os caças poloneses eram mais velhos do que os alemães; o caça PZL P.11, produzido no início dos anos 1930, tinha uma velocidade máxima de apenas 365 km/h, muito menos do que os bombardeiros alemães. Para compensar, os pilotos confiaram em sua manobrabilidade e alta velocidade de mergulho.[52] As decisões da Força Aérea Polaca de fortalecer seus recursos chegaram tarde demais, principalmente devido a limitações orçamentárias. Como um pedido de "última hora" no verão de 1939, a Polônia comprou 160 caças franceses Morane-Saulnier M.S.406 e 111 aviões ingleses (100 bombardeiros leves Fairey Battle, 10 Hawker Hurricane e 1 Supermarine Spitfire; a venda de 150 Spitfires solicitada pelo governo polonês foi rejeitada pelo Ministério da Aeronáutica).[62] Apesar do fato de alguns dos aviões terem sido embarcados para a Polônia (o primeiro transporte de aviões compradas no navio "Lassel" partiu de Liverpool em 28 de agosto),[63] nenhum deles participou do combate. No final de 1938, a Força Aérea Polaca também encomendou 300 bombardeiros leves PZL.46 Sum avançados, mas devido a um atraso no início da produção em massa, nenhum deles foi entregue antes de 1 de setembro.[64] Quando na primavera de 1939 descobriu-se que havia problemas com a implementação do novo caça PZL.50 Jastrząb, foi decidido implementar temporariamente a produção do caça PZL P.11.G Kobuz. No entanto, devido à eclosão da guerra, nenhum dos 90 aviões deste tipo encomendados foi entregue ao exército.[65]

 
Tanques leves poloneses 7TP em formação
 
Tanquetes poloneses TK-3 durante as manobras de outono em Volínia, 1938

A força de tanques consistia em duas brigadas blindadas, quatro batalhões de tanques independentes e cerca de 30 companhias de tanquetes TKS ligadas às divisões de infantaria e brigadas de cavalaria.[66] O tanque padrão do Exército Polonês durante a invasão de 1939 foi o tanque leve 7TP. Foi o primeiro tanque do mundo equipado com motor diesel e periscópio Gundlach 360°.[67] O 7TP estava significativamente melhor armado do que seus oponentes mais comuns, os Panzer I e II alemães, mas apenas 140 tanques foram produzidos entre 1935 e o início da guerra. A Polônia também tinha alguns projetos importados relativamente modernos, como 50 tanques Renault R35 e 38 tanques Vickers E.

A Marinha da Polônia era uma pequena frota de destróieres, submarinos e navios de apoio menores. A maioria das unidades de superfície polonesas seguiu a Operação Peking, deixando os portos poloneses em 20 de agosto e escapando pelo Mar do Norte para se juntar à Marinha Real Britânica. Forças submarinas participaram da Operação Worek, com o objetivo de envolver e prejudicar a navegação alemã no Mar Báltico, mas tiveram muito pouco sucesso. Além disso, muitos navios da marinha mercante se juntaram à frota mercante britânica e participaram de comboios de guerra.

DetalhesEditar

Plano alemãoEditar

 
Disposições das forças de oposição em 31 de agosto de 1939, com a ordem de batalha alemã sobreposta em rosa

A Campanha de Setembro foi planejada pelo general Franz Halder, o chefe do estado-maior, e dirigida pelo general Walther von Brauchitsch, o comandante-em-chefe da próxima campanha. Exigia o início das hostilidades antes de uma declaração de guerra e perseguia uma doutrina de cerco em massa e destruição das forças inimigas. A infantaria, longe de ser completamente mecanizada, mas equipada com artilharia móvel e apoio logístico, deveria ser apoiada por Panzers e um pequeno número de infantaria montada em caminhões (os regimentos Schützen, precursores dos panzergrenadiers) para auxiliar o movimento rápido de tropas e se concentre em partes localizadas da frente inimiga, eventualmente isolando segmentos do inimigo, cercando-os e destruindo-os. A "ideia blindada" do pré-guerra, que um jornalista americano em 1939 apelidou de Blitzkrieg, que foi defendida por alguns generais, incluindo Heinz Guderian, teria feito com que os blindados fizessem buracos na frente do inimigo e se estendesse profundamente nas áreas de retaguarda, mas a campanha na Polônia seria travada em linhas mais tradicionais. Isso se originou do conservadorismo por parte do Alto Comando Alemão, que restringia principalmente o papel das forças blindadas e mecanizadas para apoiar as divisões de infantaria convencionais.[68]

O terreno da Polônia era adequado para operações móveis quando o clima cooperava; o país tinha planícies planas, com longas fronteiras totalizando quase 5.600 km, a longa fronteira da Polônia com a Alemanha Nazista a oeste e ao norte, enfrentando a Prússia Oriental, se estendia por 2.000 km. A fronteira foi aumentada por mais 300 km no lado sul, após o Acordo de Munique de 1938. A incorporação alemã da Boêmia e da Morávia e a criação do estado fantoche alemão da Eslováquia significaram que o flanco sul da Polônia também foi exposto.[69]

Adolf Hitler exigiu que a Polônia fosse conquistada em seis semanas, mas os planejadores alemães pensaram que isso exigiria três meses.[70] Eles pretendiam explorar sua longa fronteira totalmente com a grande manobra envolvente de Fall Weiss. As unidades alemãs deveriam invadir a Polônia de três direções:

Todos os três ataques deveriam convergir para Varsóvia, e o principal Exército Polonês deveria ser cercado e destruído a oeste do Rio Vístula. Fall Weiss foi iniciado em 1 de setembro de 1939 e foi a primeira operação da Segunda Guerra Mundial na Europa.

Plano de defesa polonêsEditar

 
Implantação de divisões alemãs, polonesas e eslovacas imediatamente antes da invasão alemã

A determinação polonesa de posicionar forças diretamente na fronteira germano-polonesa, impulsionada pelo Pacto de Defesa Comum Anglo-Polonês, moldou o plano de defesa do país, o "Plano Zachód". Os recursos naturais, a indústria e a população mais valiosos da Polônia estavam ao longo da fronteira ocidental na Alta Silésia Oriental. A política polonesa se concentrava em sua proteção, especialmente porque muitos políticos temiam que, se a Polônia se retirasse das regiões disputadas pela Alemanha Nazista, o Reino Unido e a França assinariam um tratado de paz separado com a Alemanha, como o Acordo de Munique de 1938, e permitiriam que a Alemanha permanecesse nessas regiões.[71] O fato de nenhum dos aliados da Polônia ter especificamente garantido as fronteiras polonesas ou a integridade territorial era outra preocupação polonesa. Essas razões fizeram com que o governo polonês desconsiderasse o conselho francês de posicionar suas forças atrás de barreiras naturais, como o Rio Vístula e o Rio San, apesar de alguns generais poloneses apoiarem a ideia de ser uma estratégia melhor. O Plano Zachód permitiu que o Exército Polonês recuasse para dentro do país, mas isso deveria ser um recuo lento para trás das posições preparadas destinadas a dar às forças armadas tempo para completar sua mobilização e executar uma contra-ofensiva geral com o apoio dos Aliados Ocidentais.[66]

Em caso de falha em defender a maior parte do território, o exército deveria recuar para o sudeste do país, onde o terreno acidentado, os rios Stryi e Dniestre, vales, colinas e pântanos forneceriam linhas naturais de defesa contra o avanço alemão e a cabeça de ponte romena puderam ser criadas.

 
Um caça camuflado PZL P.11 polonês em um campo de aviação de combate

O Estado-Maior Polonês não havia começado a elaborar o plano de defesa do "Ocidente" até 4 de março de 1939. Supunha-se que o Exército Polonês, lutando sozinho na fase inicial da guerra, teria que defender as regiões ocidentais do país. O plano de operações levou em consideração a superioridade numérica e material do inimigo e, também assumiu o caráter defensivo das operações polonesas. As intenções polonesas eram defender as regiões ocidentais julgadas indispensáveis para travar a guerra, aproveitando as condições propícias para contra-ataques das unidades de reserva e evitando que fossem esmagadas antes do início das operações franco-britânicas na Europa Ocidental. O plano de operação não havia sido elaborado em detalhes e dizia respeito apenas à primeira fase das operações.[72]

Os britânicos e os franceses estimaram que a Polônia seria capaz de se defender por dois a três meses, e a Polônia estimou que poderia fazê-lo por pelo menos seis meses. Enquanto a Polônia redigia suas estimativas com base na expectativa de que os Aliados Ocidentais honrariam suas obrigações com o tratado e rapidamente iniciariam uma ofensiva própria, os franceses e os britânicos esperavam que a guerra se transformasse em uma guerra de trincheiras, como a Primeira Guerra Mundial. O governo polonês não foi notificado da estratégia e baseou todos os seus planos de defesa em promessas de alívio rápido pelos Aliados Ocidentais.[73][74]

As forças polonesas estavam pouco esticadas ao longo da fronteira polonesa-alemã e não tinham linhas de defesa compactas e boas posições de defesa em terreno desvantajoso. Essa estratégia também deixou as linhas de abastecimento mal protegidas. Um terço das forças da Polônia estavam concentradas no ou próximo ao Corredor Polonês, tornando-as vulneráveis a um duplo envolvimento da Prússia Oriental e do oeste. Outro terço concentrou-se na parte centro-norte do país, entre as principais cidades de Łódź e Varsóvia.[75] O posicionamento avançado das forças polonesas aumentou enormemente a dificuldade de realizar manobras estratégicas, agravada pela mobilidade inadequada, já que as unidades polonesas muitas vezes não tinham a capacidade de recuar de suas posições defensivas, pois estavam sendo invadidas por formações mecanizadas alemãs mais móveis.[76]

 
Plano Peking: os contratorpedeiros poloneses evacuam do Mar Báltico a caminho do Reino Unido

Como a perspectiva de conflito aumentou, o governo britânico pressionou o marechal Edward Rydz-Śmigły para evacuar as embarcações mais modernas da Marinha Polonesa do Mar Báltico.[77] Em caso de guerra, os líderes militares poloneses perceberam que os navios que permaneceram no Báltico provavelmente seriam afundados rapidamente pelos alemães. Além disso, uma vez que os estreitos dinamarqueses estavam bem dentro do alcance operacional da Kriegsmarine e da Luftwaffe, havia pouca chance de um plano de evacuação ser bem-sucedido se fosse implementado após o início das hostilidades. Quatro dias após a assinatura do Pacto de Defesa Comum Anglo-Polonês, três destróieres da Marinha Polonesa executaram o Plano Peking e evacuaram para o Reino Unido.[77]

Embora os militares poloneses tenham se preparado para o conflito, a população civil permaneceu amplamente despreparada. A propaganda polonesa antes da guerra enfatizava que qualquer invasão alemã seria facilmente repelida. Isso fez com que as derrotas polonesas durante a invasão alemã fossem um choque para a população civil.[76] Sem treinamento para tal desastre, a população civil entrou em pânico e recuou para o leste, espalhando o caos, baixando o moral das tropas e tornando o transporte rodoviário para as tropas polonesas muito difícil.[76] A propaganda também teve algumas consequências negativas para as próprias tropas polonesas, cujas comunicações, interrompidas por unidades móveis alemãs que operam na retaguarda e civis bloqueando estradas, foram lançadas no caos por notícias bizarras de estações de rádio e jornais poloneses, que frequentemente relatavam vitórias imaginárias e outras operações militares. Isso fez com que algumas tropas polonesas fossem cercadas ou se posicionassem contra todas as adversidades, quando pensavam que estavam realmente contra-atacando ou que logo receberiam reforços de outras áreas vitoriosas.[76]

Invasão alemãEditar

 
Mapa com os avanços dos alemães e a disposição de todas as tropas de 1 a 14 de setembro de 1939
 
Wieluń destruída pelo bombardeio da Luftwaffe

Após vários incidentes encenados na Alemanha Nazista, como o Incidente de Gleiwitz, parte da Operação Himmler, que a propaganda alemã usou como pretexto para alegar que as forças alemãs estavam agindo em legítima defesa, um dos primeiros atos de guerra ocorreu em 1 de setembro de 1939. Às 04h45, o antigo encouraçado alemão SMS Schleswig-Holstein abriu fogo contra o depósito militar polonês de Westerplatte, na Cidade Livre de Danzigue, no Mar Báltico. No entanto, em muitos lugares, unidades alemãs cruzaram a fronteira polonesa antes mesmo dessa época. Por volta dessa época, a Luftwaffe atacou uma série de alvos militares e civis, incluindo Wieluń, o primeiro bombardeio urbano em grande escala da guerra. Às 08:00, as tropas alemãs, ainda sem uma declaração formal de guerra, atacou a aldeia polonesa de Mokra. A Batalha da Fronteira havia começado. Mais tarde naquele dia, os alemães atacaram as fronteiras oeste, sul e norte da Polônia, e aviões alemães começaram atacando as cidades polonesas. O principal eixo de ataque conduziu para o leste da Alemanha através da fronteira ocidental da Polônia. Ataques de apoio vieram da Prússia Oriental, no norte, e um ataque terciário conjunto alemão-eslovaco por unidades (Exército de Campo "Bernolák") da República Eslovaca aliada à Alemanha, no sul. Todos os três ataques convergiram para a capital polonesa, Varsóvia.[78]

 
Primeira página do jornal francês Paris-Soir, "França Declara Guerra à Alemanha", 3 de setembro de 1939

A França e o Reino Unido declararam guerra à Alemanha em 3 de setembro, mas não forneceram nenhum apoio significativo a Polônia. A fronteira franco-alemã viu apenas algumas escaramuças menores, e a maioria das forças alemãs, incluindo 85% das forças blindadas, estavam engajadas na Polônia. Apesar de alguns sucessos poloneses em batalhas de fronteira menores, a superioridade técnica, operacional e numérica alemã forçou o Exército Polonês a recuar das fronteiras em direção a Varsóvia e Lwów. A Luftwaffe ganhou superioridade aérea no início da campanha. Ao destruir as comunicações, a Luftwaffe aumentou o ritmo do avanço que invadiu as pistas polonesas e locais de alerta antecipado, causando problemas logísticos para os poloneses. Muitas unidades da Força Aérea Polaca ficaram sem suprimentos e 98 aviões se retiraram para a Romênia neutra.[79] A força polonesa inicial de 400 aviões foi reduzida para 54 em 14 de setembro e a resistência aérea praticamente cessou,[79] com as principais bases aéreas polonesas destruídas durante as primeiras 48 horas da guerra.[80]

 
Adolf Hitler observando soldados alemães marcharem para a Polônia em setembro de 1939

A Alemanha atacou de três direções por terra. Günther von Kluge liderou 20 divisões que entraram no Corredor Polonês e encontraram uma segunda força rumo a Varsóvia vinda da Prússia Oriental. As 35 divisões de Gerd von Rundstedt atacaram o sul da Polônia.[80] Em 3 de setembro, quando von Kluge, no norte, alcançou o Rio Vístula, estavam a cerca de 10 km da fronteira alemã, e Georg von Küchler estava se aproximando do Rio Narew, os blindados de Walther von Reichenau já estava além do Rio Varta. Dois dias depois, sua ala esquerda estava bem na retaguarda de Łódź e sua ala direita na cidade de Kielce. Em 7 de setembro, os defensores de Varsóvia recuaram para uma linha a 48 km paralela ao Rio Vístula, onde se reuniram contra ataques aos tanques alemães. A linha defensiva ia de Płońsk a Pułtusk, respectivamente a noroeste e nordeste de Varsóvia. A ala direita dos poloneses havia sido repelida de Ciechanów, cerca de 40 km a noroeste de Pułtusk, e estava indo para Płońsk. Em determinado momento, os poloneses foram expulsos de Pułtusk e os alemães ameaçaram virar o flanco polonês e avançar para o Rio Vístula e Varsóvia. Pułtusk, no entanto, foi recuperado em face do devastador fogo alemão. Muitos tanques alemães foram capturados depois que um ataque alemão perfurou a linha, mas os defensores poloneses os flanquearam.[81] Em 8 de setembro, um dos corpos blindados de Reichenau, tendo avançado 225 km durante a primeira semana da campanha, chegou aos arredores de Varsóvia. Divisões leves à direita de Reichenau estavam no Rio Vístula entre Varsóvia e a cidade de Sandomierz em 9 de setembro, e Wilhelm List, no sul, ficava no Rio San ao norte e ao sul da cidade de Przemyśl. Ao mesmo tempo, Heinz Guderian liderou seus tanques do 3.º Exército através do Rio Narew, atacando a linha do Rio Bug Ocidental que já circundava Varsóvia. Todos os exércitos alemães progrediram no cumprimento de suas partes do plano. Os exércitos poloneses se dividiram em fragmentos não coordenados, alguns dos quais recuaram enquanto outros lançavam ataques desconexos às colunas alemãs mais próximas.

 
Soldados alemães e eslovacos alegres marchando com um grupo de Lemkos locais em Komańcza, setembro de 1939
 
Infantaria polonesa em ataque

As forças polonesas abandonaram as regiões de Pomerélia (o Corredor Polonês), Grande Polônia e Voivodia da Silésia na primeira semana. O plano polonês de defesa da fronteira foi um fracasso total. O avanço alemão, como um todo, não foi retardado. Em 10 de setembro, o comandante-em-chefe polonês, marechal Edward Rydz-Śmigły, ordenou uma retirada geral para o sudeste, em direção à cabeça de ponte romena.[82] Enquanto isso, os alemães estavam aumentando seu cerco às forças polonesas a oeste do Rio Vístula (na área de Łódź e, ainda mais a oeste, em torno de Posnânia) e penetrando profundamente no leste da Polônia. Varsóvia, que sofreu pesados bombardeios aéreos desde as primeiras horas da guerra, foi atacada em 9 de setembro e sitiada em 13 de setembro. Por volta dessa época, as forças alemãs avançadas também alcançaram Lwów, uma grande cidade no leste da Polônia, e 1.150 aviões alemãs bombardearam Varsóvia em 24 de setembro.

O plano defensivo polonês exigia uma estratégia de cerco. Isso permitiria que os alemães avançassem entre dois grupos do Exército Polonês na linha entre Berlim e Varsóvia-Łódź, o Exército Prusy então avançaria e repeliria a ponta de lança alemã, prendendo-a. Para que isso acontecesse, o Exército Prusy precisava ser totalmente mobilizado até 3 de setembro. No entanto, os planejadores militares poloneses não conseguiram prever a velocidade do avanço alemão e presumiram que o Exército Prusy precisaria ser totalmente mobilizado até 16 de setembro.[83]

 
Coluna bombardeada do Exército Polonês durante a Batalha de Bzura
 
Tropas alemãs durante os combates nas ruas de Varsóvia

A maior batalha durante esta campanha, a Batalha de Bzura, ocorreu perto do Rio Bzura, a oeste de Varsóvia, e durou de 9 a 19 de setembro. Os exércitos poloneses Poznań e Pomorze, recuando da área de fronteira do Corredor Polonês, atacaram o flanco do 8.º Exército Alemão em avanço, mas o contra-ataque falhou, apesar de um sucesso inicial. Após a derrota, a Polônia perdeu a capacidade de tomar a iniciativa e contra-atacou em grande escala. O poder aéreo alemão foi fundamental durante a batalha. A ofensiva da Luftwaffe quebrou o que restava da resistência polonesa em uma "impressionante demonstração de poder aéreo".[84] A Luftwaffe destruiu rapidamente as pontes sobre o Rio Bzura. Então, as forças polonesas ficaram presas a céu aberto e foram atacadas por onda após onda de Stukas, lançando bombas leves de 50 kg, que causaram um grande número de vítimas. As baterias antiaéreas polonesas ficaram sem munição e se retiraram para as florestas, mas foram destruídas pelos Heinkel He 111 e Dornier Do 17, lançando bombas incendiárias de 100 kg. A Luftwaffe deixou o exército com a tarefa de limpar os sobreviventes. Só as divisões Schlachtgeschwaders lançaram 388 toneladas de bombas durante a batalha.[84]

Em 12 de setembro, toda a Polônia a oeste do Rio Vístula havia sido conquistada, exceto a isolada Varsóvia.[80] O governo polonês, liderado pelo presidente Ignacy Mościcki, e o alto comando, liderado pelo marechal Edward Rydz-Śmigły, deixaram Varsóvia nos primeiros dias da campanha e se dirigiram para o sudeste, chegando a Lublin em 6 de setembro. De lá, se deslocaram em 9 de setembro para Kremenez e, em 13 de setembro, para Zaleshiki, na fronteira com a Romênia.[85] Rydz-Śmigły ordenou que as forças polonesas recuassem na mesma direção, atrás dos rios Vístula e San, iniciando os preparativos para a defesa da área da cabeça de ponte romena.[82]

Invasão eslovacaEditar

Invasão soviéticaEditar

 
Disposição de todas as tropas após a invasão soviética
 Ver artigo principal: Invasão soviética da Polónia

Desde o início, o governo alemão perguntou repetidamente a Viatcheslav Molotov se a União Soviética manteria sua parte na barganha da divisão.[86][87] As forças soviéticas estavam se segurando ao longo de seus pontos de invasão designados, aguardando a finalização da guerra não declarada de cinco meses com o Império do Japão no Extremo Oriente, o fim bem-sucedido do conflito para a União Soviética, que ocorreu nas Batalhas de Khalkhin Gol. Em 15 de setembro de 1939, Molotov e Shigenori Tōgō concluíram seu acordo que encerrou o conflito, e o cessar-fogo Nomonhan entrou em vigor em 16 de setembro de 1939. Agora livre de qualquer ameaça de "segunda frente" dos japoneses, o primeiro-ministro soviético Josef Stalin ordenou que suas forças entrassem na Polônia em 17 de setembro.[88] Foi acordado que os soviéticos abririam mão de seus interesses nos territórios entre a nova fronteira e Varsóvia em troca da inclusão da Lituânia na "zona de interesse" soviética.

Em 17 de setembro, a defesa polonesa já havia sido derrotada e a única esperança era recuar e se reorganizar ao longo da cabeça de ponte romena. No entanto, os planos se tornaram obsoletos quase da noite para o dia, quando mais de 800.000 homens do Exército Vermelho Soviético entraram e criaram as frentes bielorrussa e ucraniana depois de invadirem as regiões orientais da Polônia, em violação do Tratado de Paz de Riga, Pacto de Não-Agressão Soviético-Polonês e outros tratados internacionais, tanto bilaterais como multilaterais.[Nota 6] A diplomacia soviética mentiu que estava "protegendo as minorias ucranianas e bielorussas do leste da Polônia desde que o governo polonês abandonou o país e o estado polonês deixou de existir".[90]

 
Artilharia antiaérea polonesa em Leópolis, 1939

As forças de defesa da fronteira polonesa no leste, conhecidas como Korpus Ochrony Pogranicza, tinham cerca de 25 batalhões. Edward Rydz-Śmigły ordenou que eles recuassem e não enfrentassem os soviéticos.[82] Isso, no entanto, não evitou alguns confrontos e pequenas batalhas, como a Batalha de Hrodna, quando soldados e moradores tentaram defender a cidade. Os soviéticos executaram vários oficiais poloneses, incluindo prisioneiros de guerra como o general Józef Olszyna-Wilczyński.[91][92] A Organização dos Nacionalistas Ucranianos se levantou contra os poloneses e os partisans comunistas organizaram revoltas locais, roubando e matando civis.[93] Esses movimentos foram rapidamente disciplinados pelo NKVD. A invasão soviética foi um dos fatores decisivos que convenceu o governo polonês de que a guerra na Polônia estava perdida.[94] Antes do ataque soviético vindo do leste, o plano dos militares poloneses previa uma defesa de longo prazo contra a Alemanha Nazista no sudeste da Polônia e aguardava apoio de um ataque dos Aliados Ocidentais na fronteira oeste da Alemanha.[94] No entanto, o governo polonês se recusou a se render ou negociar a paz com a Alemanha. Em vez disso, ordenou que todas as unidades evacuassem a Polônia e se reorganizassem na França.

 
O Exército Vermelho entra na capital da província de Wilno durante a invasão soviética, 19 de setembro de 1939

Enquanto isso, as forças polonesas tentaram se mover em direção à área da cabeça da ponte romena, ainda resistindo ativamente à invasão alemã. De 17 a 20 de setembro, os exércitos poloneses Kraków e Lublin foram paralisados na Batalha de Tomaszów Lubelski, a segunda maior batalha da campanha. Lwów capitulou em 22 de setembro por causa da intervenção soviética; a cidade havia sido atacada pelos alemães mais de uma semana antes e, no meio do cerco, as tropas alemãs entregaram as operações aos seus aliados soviéticos.[95] Apesar de uma série de ataques alemães cada vez mais intensos, Varsóvia, protegida por unidades em retirada rapidamente reorganizadas, voluntários civis e milícias, resistiram até 28 de setembro. A Fortaleza de Modlin ao norte de Varsóvia capitulou em 29 de setembro, após uma batalha intensa de 16 dias. Algumas guarnições polonesas isoladas conseguiram manter suas posições muito depois de terem sido cercadas pelas forças alemãs. O enclave da pequena guarnição de Westerplatte capitulou em 7 de setembro e a guarnição de Oksywie se manteve até 19 de setembro; a Fortificado Área de Hel foi defendida até 2 de outubro.[96] Na última semana de setembro, Adolf Hitler fez um discurso em Danzigue e disse:

Nesse ínterim, a União Soviética sentiu-se motivada, por sua vez, a marchar pela proteção dos interesses do povo russo branco e ucraniano na Polônia. Percebemos agora que no Reino Unido e na França esta cooperação alemã e soviética é considerada um crime terrível. Um inglês até escreveu que é pérfido, bem, os ingleses deveriam saber. Eu acredito que o Reino Unido considera esta cooperação pérfida porque a cooperação do Reino Unido democrático com a União Soviética bolchevique falhou, enquanto a tentativa da Alemanha Nacional-Socialista com a União Soviética teve sucesso. A Polônia nunca mais se levantará na forma do Tratado de Versalhes. Isso é garantido não apenas pela Alemanha, mas também pela União Soviética. – Adolf Hitler, 19 de setembro de 1939[97]

Apesar da vitória polonesa na Batalha de Szack (os soviéticos mais tarde executaram todos os oficiais e sargentos que haviam capturado), o Exército Vermelho alcançou a linha dos rios Narew, Bug Ocidental, Vístula e San em 28 de setembro, em muitos casos encontrando unidades alemãs que avançavam da outra direção. Os defensores poloneses na Península de Hel, na costa do Mar Báltico, resistiram até 2 de outubro. A última unidade operacional do Exército Polonês, Samodzielna Grupa Operacyjna "Polesie" do general Franciszek Kleeberg, se rendeu após a Batalha de Kock de quatro dias perto de Lublin em 6 de outubro, marcando o fim da Campanha de Setembro.[98]

Mortes de civisEditar

 
Enfermeiras cuidando de bebês em uma maternidade improvisada no Hospital Santa Sofia, na Varsóvia sitiada. Durante o bombardeio

A Campanha Polonesa foi a primeira ação de Adolf Hitler em sua tentativa de criar o Lebensraum (espaço vital) para os alemães. A propaganda nazista foi um dos fatores por trás da brutalidade alemã dirigida a civis que trabalharam incansavelmente para convencer os alemães a acreditar que judeus e eslavos eram Untermenschen (subumanos).[99][100]

 
Uma menina chora sobre o corpo de sua irmã de 14 anos que foi morta em um ataque aéreo da Luftwaffe

Desde o primeiro dia da invasão, a Força Aérea Alemã (a Luftwaffe) atacou alvos civis e colunas de refugiados ao longo das estradas para aterrorizar o povo polonês, interromper as comunicações e direcionar o moral polonês. A Luftwaffe matou de 6.000 a 7.000 civis poloneses durante o bombardeio de Varsóvia.[101]

A invasão alemã viu atrocidades cometidas contra homens, mulheres e crianças poloneses.[102] As forças alemãs (tanto a SS quanto a Wehrmacht regular) assassinaram dezenas de milhares de civis poloneses (como a 1.ª Divisão SS Leibstandarte SS Adolf Hitler foi notória durante a campanha por incendiar vilas[103] e cometer atrocidades em várias cidades polonesas, incluindo massacres em Błonie, Złoczew, Bolesławiec, Torzeniec, Goworowo, Mława e Włocławek).[104]

Durante a Operação Tannenberg, uma campanha de limpeza étnica organizada por vários elementos do governo alemão, dezenas de milhares de civis poloneses foram fuzilados em 760 locais de execução em massa pelos Einsatzgruppen.

Ao todo, as perdas civis da população polonesa atingiram cerca de 150.000 a 200.000.[105] Cerca de 1.250 civis alemães também foram mortos durante a invasão. (Além disso, 2.000 morreram lutando contra as tropas polonesas como membros das forças da milícia alemã, como os Volksdeutscher Selbstschutz, que era uma Quinta-coluna durante a invasão.)[106]

ConsequênciasEditar

 
Adolf Hitler participando de um desfile de vitória da Wehrmacht em Varsóvia em 5 de outubro de 1939

John Gunther escreveu em dezembro de 1939 que "a campanha alemã foi uma obra-prima. Nada parecido foi visto na história militar".[80] O país foi dividido entre a Alemanha Nazista e a União Soviética. A Eslováquia recuperou os territórios conquistados pela Polônia no outono de 1938. A Lituânia recebeu a cidade de Vilnius e seus arredores em 28 de outubro de 1939 da União Soviética. Em 8 e 13 de setembro de 1939, o distrito militar alemão na área de Posnânia, comandado pelo general Alfred von Vollard-Bockelberg, e a Prússia Ocidental, comandada pelo general Walter Heitz, foram estabelecidos nas conquistadas Grande Polônia e Pomerélia, respectivamente.[107] Com base nas leis de 21 de maio de 1935 e 1 de junho de 1938, os militares alemães delegaram poderes administrativos civis aos Chefes da Administração Civil (CdZ).[107] Adolf Hitler nomeou Arthur Greiser para se tornar o CdZ do distrito militar de Posnânia, e o Gauleiter Albert Forster de Danzigue para se tornar o CdZ do distrito militar da Prússia Ocidental.[107] Em 3 de outubro de 1939, os distritos militares centralizados e nomeados "Lodz" e "Krakau" foram estabelecidos sob o comando dos grandes generais Gerd von Rundstedt e Wilhelm List, e Hitler nomeou Hans Frank e Arthur Seyss-Inquart como chefes civis, respectivamente.[107] Assim, toda a Polônia ocupada foi dividida em quatro distritos militares (Prússia Ocidental, Posnânia, Lodz e Krakau).[108] Frank foi ao mesmo tempo nomeado "administrador-chefe-supremo" para todos os territórios ocupados.[107] Em 28 de setembro, outro protocolo secreto alemão-soviético modificou os arranjos de agosto: toda a Lituânia foi transferida para a esfera de influência soviética; em troca, a linha divisória na Polônia foi movida em favor da Alemanha, para o leste, em direção ao Rio Bug Ocidental. Em 8 de outubro, a Alemanha anexou formalmente as partes ocidentais da Polônia com Greiser e Forster como Reichsstatthalter, enquanto as partes centro-sul eram administradas como o Governo Geral liderado por Frank.

 
Tropas alemãs e soviéticas apertando as mãos após a invasão

Mesmo que as barreiras de água separassem a maioria das esferas de interesse, as tropas soviéticas e alemãs se encontraram em várias ocasiões. O evento mais notável desse tipo ocorreu em Brest-Litovsk em 22 de setembro. O XIX Corpo de Exército alemão, comandado pelo general Heinz Guderian, ocupou a cidade, que estava dentro da esfera de interesse soviética. Quando a 29.ª Brigada de Tanques soviética (comandada por Semyon Krivoshein) se aproximou, os comandantes concordaram que as tropas alemãs se retirariam e as tropas soviéticas entrariam na cidade, saudando-se mutuamente.[109] Em Brest-Litovsk, os comandantes soviéticos e alemães realizaram um desfile de vitória conjunta antes que as forças alemãs se retirassem para o oeste atrás de uma nova linha de demarcação.[15][110] Apenas três dias antes, no entanto, as partes tiveram um encontro mais hostil perto de Lwow (Lviv, Lemberg), quando o 137.º Gebirgsjägerregimenter alemão (regimento de infantaria de montanha) atacou um destacamento de reconhecimento da 24.ª Brigada de Tanques soviética; após algumas baixas em ambos os lados, as partes iniciaram as negociações. As tropas alemãs deixaram a área e as tropas do Exército Vermelho entraram em Lviv em 22 de setembro.

O Pacto Molotov-Ribbentrop e a invasão da Polônia marcaram o início de um período durante o qual o governo da União Soviética tentou cada vez mais se convencer de que as ações da Alemanha eram razoáveis e não eram desenvolvimentos para se preocupar, apesar das evidências para o contrário.[111] Em 7 de setembro de 1939, poucos dias depois que a França e o Reino Unido entraram na guerra contra a Alemanha, Josef Stalin explicou a um colega que a guerra era vantajosa para a União Soviética, da seguinte maneira:[112]

Uma guerra está acontecendo entre dois grupos de países capitalistas ... pela re-divisão do mundo, pela dominação do mundo! Não vemos nada de errado em terem uma boa luta difícil e enfraquecerem um ao outro ... Hitler, sem entender ou desejar, está abalando e minando o sistema capitalista ... Podemos manobrar, colocar um lado contra o outro para fazê-los lutar um com o outro o mais ferozmente possível ... A aniquilação da Polônia significaria um estado fascista burguês a menos para enfrentar! Qual seria o mal se, como resultado da derrota da Polônia, estendêssemos o sistema socialista a novos territórios e populações?[112]
 
Tropas polonesas se retirando para a Hungria em setembro de 1939

Cerca de 65.000 soldados poloneses foram mortos na luta, com 420.000 outros sendo capturados pelos alemães e 240.000 ou mais pelos soviéticos (para um total de 660.000 prisioneiros). Até 120.000 soldados poloneses escaparam para a Romênia neutra (através da cabeça de ponte romena e Hungria), e outros 20.000 para a Letônia e a Lituânia, com a maioria finalmente indo para a França ou Reino Unido. A maior parte da Marinha da Polônia também conseguiu evacuar para o Reino Unido. As perdas alemãs foram menores do que seus inimigos (c. 16.000 mortos).

 
Soldados alemães removendo insígnias do governo polonês

Nenhuma das partes no conflito, Alemanha, os Aliados Ocidentais ou a União Soviética, esperavam que a invasão alemã da Polônia levasse a uma guerra que superaria a Primeira Guerra Mundial em sua escala e custo. Passariam-se meses até que Hitler percebesse a futilidade de suas tentativas de negociação de paz com o Reino Unido e a França, mas a culminação dos conflitos combinados na Europa e no Pacífico resultariam no que foi realmente uma "guerra mundial". Assim, o que não foi visto pela maioria dos políticos e generais em 1939 fica claro do ponto de vista histórico: A Campanha Polonesa de Setembro marcou o início de uma guerra pan-europeia, que combinada com a invasão japonesa da China em 1937 e a Guerra do Pacífico em 1941 para formar o conflito global conhecido como Segunda Guerra Mundial.

A invasão da Polônia levou o Reino Unido e a França a declarar guerra à Alemanha em 3 de setembro. No entanto, eles fizeram pouco para afetar o resultado da Campanha de Setembro. Nenhuma declaração de guerra foi emitida pelo Reino Unido e França contra a União Soviética. Essa falta de ajuda direta levou muitos poloneses a acreditar que haviam sido traídos por seus Aliados Ocidentais. O secretário de Relações Exteriores, Edward Wood, disse que eles só eram obrigados a declarar guerra à Alemanha devido à primeira cláusula do Acordo Anglo-Polonês em 1939.[113]

A atitude diferente dos aliados anglo-franceses da Polônia em relação à Alemanha Nazista e à União Soviética foi discutida nessa época, por exemplo, pelo futuro chefe do governo britânico, Winston Churchill:

Os soviéticos foram culpados de traição grosseira durante as negociações recentes, mas a exigência do marechal Kliment Vorochilov de que os exércitos soviéticos, se fossem aliados da Polônia, ocupassem Vilnius e Lvov era uma exigência militar perfeitamente razoável. Foi rejeitado pela Polônia, cujos argumentos, apesar da sua naturalidade, não podem ser considerados satisfatórios à luz dos acontecimentos atuais. Como resultado, a União Soviética assumiu as mesmas posições que um inimigo da Polônia que poderia ter tomado como um amigo muito duvidoso e suspeito. A diferença na verdade não é tão grande quanto pode parecer. Os soviéticos mobilizaram uma força muito grande e mostraram que eram capazes de se mover rapidamente e para longe de suas posições anteriores à guerra. Eles agora fazem fronteira com a Alemanha, e esta é completamente incapaz de expor a Frente Oriental. Um grande exército alemão terá que ser deixado para monitorá-lo. Pelo que eu sei, o General Hamelin estima sua força em pelo menos 20 divisões, mas pode muito bem haver 25 ou até mais. Portanto, a Frente Oriental existe potencialmente.[114]
A União Soviética segue uma política fria de seus próprios interesses. Preferiríamos que os exércitos soviéticos permanecessem em suas posições atuais como amigos e aliados da Polônia, em vez de invasores. Mas para proteger a Rússia da ameaça nazista, era claramente necessário que os exércitos soviéticos estivessem nessa linha. Em todo caso, essa linha existe e, consequentemente, foi criada a Frente Oriental, que a Alemanha Nazista não se atreverá a atacar...[114]

Em 23 de maio de 1939, Hitler explicou a seus oficiais que o objeto da agressão não era Danzigue, mas a necessidade de obter o Lebensraum e os detalhes desse conceito seriam posteriormente formulados no infame Generalplan Ost.[115][116] A invasão dizimou áreas residenciais urbanas, os civis logo se tornaram indistinguíveis dos combatentes e a futura ocupação alemã (tanto nos territórios anexados quanto no Governo Geral) foi um dos episódios mais brutais da Segunda Guerra Mundial, resultando entre 5.47 milhões e 5.67 milhões de mortes polonesas[117] (cerca de um sexto da população total do país e mais de 90% de sua minoria judia), incluindo o assassinato em massa de 3 milhões de cidadãos poloneses (principalmente judeus como parte da solução final) em campos de extermínio como Auschwitz, em campos de concentração, e em numerosos massacres, em que civis foram presos, levados para uma floresta próxima, fuzilados e depois enterrados, quer estivessem mortos ou não.[118] Entre as 100.000 pessoas assassinadas nas operações do Intelligenzaktion em 1939-1940, aproximadamente 61.000 eram membros da intelectualidade polonesa: estudiosos, clérigos, ex-oficiais e outros, que os alemães identificaram como alvos políticos no livro Sonderfahndungsbuch Polen, compilado antes do início da guerra em setembro de 1939.[119]

De acordo com o Instituto Polonês de Memória Nacional, a ocupação soviética entre 1939 e 1941 resultou na morte de 150.000 e na deportação de 320.000 cidadãos poloneses,[117][120] quando todos os que foram considerados perigosos para o regime soviético foram submetidos à sovietização, reassentamento forçado, prisão em campos de trabalho (os Gulags) ou assassinados, como os oficiais poloneses no Massacre de Katyn.[a]

 
1.º Corpo Polonês em exercício na Escócia em 1941

Desde outubro de 1939, o Exército Polonês que poderia escapar da prisão dos soviéticos ou nazistas dirigia-se principalmente para os territórios britânico e francês. Esses lugares eram considerados seguros, por causa da aliança pré-guerra entre Reino Unido, França e Polônia. Não apenas o governo escapou, mas também o suprimento nacional de ouro foi evacuado via Romênia e levado para o Ocidente, notadamente Londres e Ottawa.[121][122] Aproximadamente 75 toneladas de ouro foram consideradas suficientes para colocar um exército em campo durante a guerra.[123]

Relatos de testemunhas ocularesEditar

From Lemberg to Bordeaux ('Von Lemberg bis Bordeaux'), escrito por Leo Leixner, jornalista e correspondente de guerra, é um relato em primeira mão das batalhas que levaram à queda da Polônia, Países Baixos e França. Inclui uma rara descrição de uma testemunha ocular da Batalha de Węgierska Górka. Em agosto de 1939, Leixner ingressou na Wehrmacht como repórter de guerra, foi promovido a sargento e, em 1941, publicou suas lembranças. O livro foi originalmente publicado por Franz Eher Nachfolger, a editora central do Partido Nazista.[124]

O jornalista e cineasta americano Julien Bryan veio sitiar Varsóvia em 7 de setembro de 1939, durante o bombardeio alemão. Ele fotografou o início da guerra usando um rolo de filme colorido (Kodachrome) e muitos filmes em preto e branco. Ele fez um filme sobre crimes alemães contra civis durante a invasão. Em cores, ele fotografou soldados poloneses, civis em fuga, casas bombardeadas e um bombardeiro alemão Heinkel He 111 destruído pelo Exército Polonês em Varsóvia. Suas fotografias e filmes Siege estão armazenados no Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos.[125]

EquívocosEditar

Existem vários equívocos generalizados sobre a Campanha de Setembro na Polônia.

Combate entre cavalaria polonesa e tanques alemãesEditar

 
Campo de batalha em Krojanty
 
Ulano polonês com Fuzil anti-tanque Wz. 35, 1938

As unidades de cavalaria polonesas não enfrentaram tanques alemães com lanças e espadas. Na Batalha da Floresta de Tuchola em 1 de setembro de 1939, o 18.º Regimento Ulano da Pomerânia foi encarregado de cobrir a retirada da infantaria polonesa. À noite, os ulanos da Pomerânia encontraram contingentes da 20.ª Divisão de Infantaria Alemã do XIX Corpo de Exército de Heinz Guderian. O comandante Kazimierz Mastalerz ordenou um ataque, forçando a 20.ª de Infantaria a se retirar e se dispersar. O combate foi bem-sucedido, pois o avanço alemão foi adiado. No entanto, após a redistribuição, os 18.º Pomeranos sofreram súbitos e intensos tiros de metralhadora de veículos blindados de reconhecimento alemães. Apesar de sua rápida retirada, quase um terço dos ulanos foi morto ou ferido.[126]

Um grupo de correspondentes de guerra alemães e italianos, que visitaram o campo de batalha, notaram os homens e cavalos de cavalaria mortos entre os veículos blindados. O repórter italiano Indro Montanelli prontamente publicou um artigo no Corriere della Sera, sobre os bravos e heroicos homens da cavalaria polonesa, que atacaram os tanques alemães com sabres e lanças.

Historiador Steven Zaloga em Poland 1939: The Birth of Blitzkrieg (2004):

"Se uma única imagem domina a percepção popular da campanha polonesa de 1939, é a cena da cavalaria polonesa bravamente atacando os Panzers com suas lanças. Como muitos outros detalhes da campanha, é um mito criado pela propaganda alemã do tempo de guerra e perpetuado por estudos desleixados. No entanto, esses mitos também foram adotados pelos próprios poloneses como símbolos de sua galanteria durante a guerra, alcançando uma ressonância cultural apesar de sua variação com o registro histórico.".[127]

Em 1939, apenas 10% do Exército Polonês era composto por unidades de cavalaria.[128][129]

Força Aérea PolacaEditar

A Força Aérea Polaca não foi destruída em solo nos primeiros dias da guerra. Embora numericamente inferior, havia sido transferida das principais bases aéreas para pequenos campos de aviação camuflados pouco antes da guerra. Apenas alguns aviões de treinamento e auxiliares foram destruídos no solo. A Força Aérea Polaca, apesar de estar em desvantagem numérica significativa e com seus caças superados por caças alemães mais avançados, permaneceu ativa até a segunda semana de campanha, infligindo danos significativos à Luftwaffe.[130] A Luftwaffe perdeu 285 aviões para todas as causas operacionais, com mais 279 danificadas, e os poloneses perderam 333 aviões.[131]

Resistência polonesa à invasãoEditar

Outra questão é se a Polônia infligiu quaisquer perdas significativas às forças alemãs e se ela se rendeu muito rapidamente. Embora as estimativas exatas variem, a Polônia custou aos alemães cerca de 45.000 baixas e 11.000 veículos militares danificados ou destruídos, incluindo 993 tanques e carros blindados, 565 a 697 aviões e 370 peças de artilharia.[132][133][134] Quanto à duração, a Campanha de Setembro durou cerca de uma semana e meia menos que a Batalha da França em 1940, embora as forças anglo-francesas estivessem muito mais próximas da paridade com os alemães em força numérica e equipamento e fossem apoiadas pela Linha Maginot.[Nota 7] Além disso, o Exército Polonês estava preparando a cabeça de ponte romena, que teria prolongado a defesa polonesa, mas o plano foi invalidado pela invasão soviética da Polônia em 17 de setembro de 1939.[135] A Polônia também nunca se rendeu oficialmente aos alemães. Sob a ocupação alemã, houve resistência contínua de forças como Armia Krajowa, guerrilheiros de Henryk Dobrzański e Leśni ("partisans da floresta").

 
Soldados poloneses com artilharia antiaérea perto da Estação Central de Varsóvia nos primeiros dias de setembro de 1939
 
Embaixada americana em Varsóvia durante o ataque aéreo alemão em setembro de 1939. Janela visivelmente estilhaçada

Primeiro uso da estratégia BlitzkriegEditar

Frequentemente, presume-se que Blitzkrieg é a estratégia que a Alemanha Nazista usou pela primeira vez na Polônia. Muitas histórias do pós-guerra, como a de Barrie Pitt em The Second World War (1966), atribuem a vitória alemã ao "enorme desenvolvimento da técnica militar que ocorreu entre 1918 e 1940" e citam que "A Alemanha, que traduziu as teorias (britânicas do entreguerras) em ação ... chamou o resultado de Blitzkrieg". Essa ideia foi repudiada por alguns autores. Matthew Cooper escreve:

"Ao longo da Campanha da Polônia, o emprego das unidades mecanizadas revelou a ideia de que se destinavam unicamente a facilitar o avanço e a apoiar as atividades da infantaria..... Assim, qualquer exploração estratégica da ideia blindada nasceu morta. A paralisia do comando e o colapso do moral não foram considerados o objetivo final... Forças terrestres e aéreas alemãs, foram apenas subprodutos incidentais das manobras tradicionais de cerco rápido e das atividades de apoio da artilharia voadora da Luftwaffe, ambas as quais tinham como objetivo a destruição física das tropas do inimigo. Esse foi o Vernichtungsgedanke da campanha polonesa." – Cooper[136]

Vernichtungsgedanke era uma estratégia que remonta a Frederico, o Grande, e foi aplicada na campanha polonesa, pouco mudou em relação às campanhas francesas em 1870 ou 1914. O uso de tanques

...deixou muito a desejar... O medo da ação inimiga contra os flancos do avanço, medo que se provaria tão desastroso para as perspectivas alemãs no oeste em 1940 e na União Soviética em 1941, estava presente desde o início da guerra. – Cooper[48]

John Ellis, escrevendo em Brute Force, afirmou que

...há uma justiça considerável na afirmação de Matthew Cooper de que as divisões panzer não receberam o tipo de missão estratégica que caracterizava uma autêntica blitzkrieg blindada e quase sempre estavam intimamente subordinadas às várias massas exércitos de infantaria. – Ellis[137] (ênfase no original)

Zaloga e Madej, em The Polish Campaign 1939, também abordam o tema das interpretações míticas da Blitzkrieg e a importância de outras armas na campanha. Relatos ocidentais da Campanha de Setembro enfatizaram o valor de choque dos ataques panzers e Stuka, eles têm

...tendeu a subestimar o efeito punitivo da artilharia alemã sobre as unidades polonesas. Móvel e disponível em quantidade significativa, a artilharia destruiu tantas unidades quanto qualquer outro ramo da Wehrmacht. – Zaloga and Madej[138]

Ver tambémEditar

NotasEditar

  1. Várias fontes se contradizem, portanto, os números citados acima devem ser considerados apenas como uma indicação aproximada da estimativa de resistência. As diferenças de intervalo mais comuns e seus colchetes são: Total de alemães 1.490.900 (número oficial do Ministério das Relações Exteriores da Polônia) - ou 1.800.000. Tanques poloneses: 100-880, 100 é o número de tanques modernos, enquanto o número 880 inclui tanques mais antigos da era da Primeira Guerra Mundial, conhecidos como tanquetes.[3][4]
  2. A discrepância nas baixas alemãs pode ser atribuída ao fato de que algumas estatísticas alemãs ainda listavam soldados como desaparecidos décadas após a guerra. Hoje, os números mais comuns e aceitos são: 8.082 a 16.343 mortos, 320 a 5.029 desaparecidos, 27.280 a 34.136 feridos.[6] Para efeito de comparação, em seu discurso de 1939 após a campanha polonesa, Adolf Hitler apresentou estes números alemães: 10.576 mortos, 30.222 feridos e 3.400 desaparecidos.[7] De acordo com as primeiras estimativas dos Aliados, incluindo as do governo polonês no exílio, o número de vítimas alemãs de mortos foi de 90.000 e dos feridos foi de 200.000.[7][8] As perdas de equipamentos são dadas como 832 tanques alemães[9] com aproximadamente 236[9] a 341 como perdas irrecuperáveis e aproximadamente 319 outros veículos blindados como perdas irrecuperáveis (incluindo 165 Panzerspähwagen, deles 101 como perdas irrecuperáveis)[9] 522-561 Aviões alemães (incluindo 246-285 destruídos e 276 danificados), 1 minelayer alemão (M-85) e 1 navio torpedeiro alemão ("Tiger").
  3. As perdas oficiais soviéticas, cifras fornecidas por Grigori F. Krivosheev, são estimadas atualmente em 1.475 mortos ou desaparecidos presumivelmente mortos (Frente Ucraniana, 972, Frente Bielorrussa, 503) e 2.383 feridos (Frente Ucraniana, 1.741, Frente Bielorrussa, 642). Os soviéticos perderam cerca de 150 tanques em combate, dos quais 43 como perdas irrecuperáveis, enquanto outras centenas sofreram falhas técnicas.[10] No entanto, o historiador russo Igor Bunich estima as perdas de mão de obra soviética em 5.327 mortos ou desaparecidos sem deixar rastros e feridos.[11]
  4. Várias fontes se contradizem, portanto os números citados acima devem ser considerados apenas uma indicação aproximada das perdas. As faixas de alcance mais comuns para baixas são: Polônia: 63.000 a 66.300 mortos, 134.000 feridos.[6] O número frequentemente citado de 420.000 prisioneiros de guerra poloneses representa apenas aqueles capturados pelos alemães, já que os soviéticos capturaram cerca de 250.000 prisioneiros de guerra poloneses, perfazendo o número total de prisioneiros de guerra poloneses entre 660.000 e 690.000. Em termos de equipamento, a Marinha da Polônia perdeu 1 contratorpedeiro (ORP Wicher), 1 minelayer (ORP Gryf) e várias embarcações de apoio. As perdas de equipamento incluíram 132 tanques poloneses e carros blindados 327 aviões poloneses (118 caças).[9]
  5. P-11c (+43 reserva), 30 P-7 (+85 reserva), 118 bombardeiros leves P-23 Karaś, 36 bombardeiros P-37 Łoś (armados em linha, além disso, alguns do número total produzido foram usados em combate ), 84 reconhecimento RXIII Lublin, RWD14 Czapla (+115 reserva).[60]
  6. Outros tratados violados pela União Soviética foram o Pacto da Liga das Nações de 1919 (ao qual a União Soviética aderiu em 1934); o Pacto Kellogg-Briand de 1928 e a Convenção de Londres de 1933 sobre a Definição de Agressão.[89]
  7. Forças polonesas às alemãs na Campanha de Setembro: 1.000.000 soldados, 4.300 canhões, 880 tanques, 435 aviões (Polônia) a 1.800.000 soldados, 10.000 canhões, 2.800 tanques, 3.000 aviões (Alemanha). Aliados franceses e participantes das forças alemãs na Batalha da França: 2.862.000 soldados, 13.974 canhões, 3.384 tanques, 3.099 aviões (Aliados) a 3.350.000 soldados, 7.378 canhões, 2.445 tanques, 5.446 aviões (Alemanha).

ReferênciasEditar

  1. a b Ministry of Foreign Affairs. The 1939 Campaign Arquivado em 11 de dezembro de 2013[Erro data trocada] no Wayback Machine. Polish Ministry of Foreign Affairs, 2005.
  2. ER Hooton, p. 85
  3. Internetowa encyklopedia PWN, article on 'Kampania Wrześniowa 1939'
  4. Website of the Polish Ministry of Foreign Affairs – the Poles on the Front Lines
  5. a b c Переслегин. Вторая мировая: война между реальностями.— М.:Яуза, Эксмо, 2006, с.22; Р. Э. Дюпюи, Т. Н. Дюпюи. Всемирная история войн.—С-П,М: АСТ, кн.4, с.93.
  6. a b Wojna Obronna Polski 1939, p. 851
  7. a b «Polish War, German Losses». The Canberra Times. 13 de outubro de 1939. Consultado em 17 de janeiro de 2009 
  8. «Nazi Loss in Poland Placed at 290,000». The New York Times. 1941. Consultado em 16 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 7 de fevereiro de 2009 
  9. a b c d KAMIL CYWINSKI, Waffen und Geheimwaffen des deutschen Heeres 1933–1945
  10. a b Кривошеев Г. Ф., Россия и СССР в войнах XX века: потери вооруженных сил. Статистическое исследование (Krivosheev G.F., Russia and the USSR in the wars of the 20th century: losses of the Armed Forces. A Statistical Study Greenhill 1997 ISBN 1-85367-280-7)
  11. a b Bunich, Igor (1994). Operatsiia Groza, Ili, Oshibka V Tretem Znake: Istoricheskaia Khronika. [S.l.]: VITA-OBLIK. p. 88. ISBN 978-5-85976-003-9 
  12. "Axis Slovakia: Hitler's Slavic Wedge, 1938–1945", page 81
  13. Collier, Martin, and Pedley, Philip Germany 1919–45 (2000) p. 146
  14. Dariusz Baliszewski (19 September 2004), Most honoru. Tygodnik Wprost (weekly), 38/2004. ISSN 0209-1747.
  15. a b Kitchen, Martin (1990). A World in Flames: A Short History of the Second World War. [S.l.]: Longman. p. 74. ISBN 978-0-582-03408-2. Consultado em 2 de novembro de 2011 
  16. Sanford 2005, pp. 20–24.
  17. «The Nazification of Germany». University of South Florida. 2005 
  18. KIMMICH, CHRISTOPH M. (1 de janeiro de 1969). «The Weimar Republic and the German-Polish Borders». The Polish Review. 14 (4): 37–45. JSTOR 25776872 
  19. Majer, Diemut (2003). "Non-Germans" under the Third Reich: the Nazi judicial and administrative system in Germany and occupied Eastern Europe with special regard to occupied Poland, 1939–1945. [S.l.]: JHU Press. pp. 188–89. ISBN 978-0-8018-6493-3 
  20. a b Rothwell, Victor (2001). Origins of the Second World War. [S.l.]: Manchester University Press. p. 92. ISBN 978-0-7190-5958-2 
  21. a b Crozier, Andrew J. (1997). The causes of the Second World War. [S.l.]: Wiley-Blackwell. pp. 150–51. ISBN 978-0-631-18601-4 
  22. A ridiculous hundred million Slavs : concerning Adolf Hitler's world-view, Tadeusz Manteuffel Institute of History Polish Academy of Sciences, Jerzy Wojciech Borejsza p. 49, Warsaw 2017
  23. The Second World War: Volume 2 Europe 1939–1943, Tom 2 Robin Havers p. 25
  24. «Ergebnisse der Volks- und Berufszählung Vom 1. November 1923 in der Freien Stadt Danzig mit einem Anhang: Die Ergebnisse der Volkszählung vom 31. August 1924». Verlag des Statistischen Landesamtes der freien Stadt Danzig. 1926 
  25. Snyder, Louis Leo; Montgomery, John D (2003). The new nationalism. [S.l.]: Transaction Publishers. p. 88. ISBN 978-0-7658-0550-8 
  26. «German Army Attacks Poland; CitiesBombed, Port Blockaded; Danzig Is AcceptedInto Reich». The New York Times. Consultado em 26 de abril de 2016 
  27. Nowa Encyklopedia Powszechna PWN 1997, vol. VI, 981.
  28. Zahradnik "Korzenie Zaolzia. Warszawa – Praga – Trzyniec", 16–17.
  29. Gawrecká "Československé Slezsko. Mezi světovými válkami 1918-1938", Opava 2004, 21.
  30. «Elbing-Königsberg Autobahn». Euronet.nl. Consultado em 11 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 27 de setembro de 2007 
  31. a b «The Avalon Project: Documents in Law, History and Diplomacy». Yale. Consultado em 11 de janeiro de 2009 
  32. «World History in Context – Document» 
  33. Indiana University. «Chronology 1939». League of Nations Archives, Palais des Nations. Geneva: indiana.edu 
  34. A World at Total War: Global Conflict and the Politics of Destruction, 1937–1945, Roger Chickering, Stig Förster, Bernd Greiner, p. 97
  35. a b Clark, Lloyd, Kursk: The Greatest Battle: Eastern Front 1943, 2011, p. 26
  36. Piotrowski 1998, p. 115.
  37. Reply of the German Chancellor to the Communication of 28 August 1939, from His Majesty's Government Cited in the British Blue Book
  38. Viscount Halifax to Sir N. Henderson (Berlin) Cited in the British Blue book
  39. Sir H. Kennard to Viscount Halifax (received 10 a. m.). Cited in the British Blue Book
  40. Sir N. Henderson to Viscount Halifax (received 9:30 a. m. 31 August) Cited in the British Blue Book
  41. Oslon and Cloud,"A Question of Honor" p. 50
  42. Seidner, Stanley S. Marshal Edward Śmigły-Rydz Rydz and the defence of Poland, New York, 1978, ch. 2
  43. Roger Manvell, Heinrich Fraenkel, Heinrich Himmler: The SS, Gestapo, His Life and Career, Skyhorse Publishing Inc., 2007, ISBN 1-60239-178-5, Google Books, p. 76
  44. Jentz 1996, p. 88.
  45. Jentz 1996, p. 91.
  46. Jentz 1996, pp. 90–91.
  47. B.H. Hart & A.J.P. Taylor, p. 41
  48. a b Matthew Cooper, The German Army 1939–1945: Its Political and Military Failure
  49. Bombers of the Luftwaffe, Joachim Dressel and Manfred Griehl, Arms and Armour, 1994
  50. The Flying pencil, Heinz J. Nowarra, Schiffer Publishing, 1990, p. 25
  51. A History of World War Two, A.J.P. Taylor, OCTOPUS, 1974, p. 35
  52. a b Seidner 1978, p. 162.
  53. Seidner 1978, p. 177.
  54. Seidner 1978, p. 270.
  55. Seidner 1978, p. 135.
  56. Seidner 1978, p. 158.
  57. Zawadzki, Tadeusz (2009). «Porównanie sił». Polityka (3): 112 
  58. Michael Alfred Peszke, Poland's Preparation for World War II, Military Affairs 43 (Feb 1979): 18–24
  59. Michael Alfred Peszke, Polish Underground Army, the Western Allies, and the Failure of Strategic Unity in World War II, McFarland & Company, 2004, ISBN 0-7864-2009-X, Google Print, p.2
  60. Adam Kurowski 'Lotnictwo Polskie 1939' 129
  61. 'Duel for the Sky' by Christopher Shores
  62. Mazur, Wojciech (março de 2009). «Pomocnik Historyczny». Polityka. 3/2009: 103 
  63. «1::Pomoc wojenna Imperium Brytyjskiego dla Polski w okresie II Wojny ŚWIATOWEJ» 
  64. Banach, Michał (21 de março de 2018). «PZL 46 Sum Następca Karasia». smartage.pl. Consultado em 30 de novembro de 2018 
  65. «PZL P.11G Kobuz». 3 de fevereiro de 2014 
  66. a b Seidner 1978, p. 122.
  67. 7TP vol.II, Janusz Magnus#1, Militaria 317, Warszawa 2009.
  68. a b Tullio Pontecorvo, Tobias Lundqvist (1 de setembro de 2017). «Fall Weiss – The German Invasion of Poland». My country? Europe. Consultado em 21 de setembro de 2020 
  69. Stephan Janzyk (30 de agosto de 2017). Operation Fall Weiss: German Paratroopers in the Poland Campaign, 1939. [S.l.]: Pen & Sword Books. pp. 6–. ISBN 978-1-4738-9463-1 
  70. Knickerbocker, H.R. (1941). Is Tomorrow Hitler's? 200 Questions on the Battle of Mankind. [S.l.]: Reynal & Hitchcock. pp. 29–30. ISBN 978-1-4179-9277-5 
  71. Seidner 1978, p. 68.
  72. collective work (1979). Wojna Obronna Polski 1939 (em polaco). Warsaw: Wydawnictwo Ministerstwa Obrony Narodowej. p. 933 
  73. Henryk Piątkowski (1943). Kampania wrześniowa 1939 roku w Polsce (em polaco). Jerusalem: Sekcja Wydawnicza APW. p. 39. Consultado em 2 de novembro de 2011. Arquivado do original em 9 de fevereiro de 2008 
  74. Count Edward Raczyński (1948). The British-Polish Alliance; Its Origin and Meaning. London: Mellville Press 
  75. Seidner 1978, p. 304.
  76. a b c d Seidner, Marshal Edward Śmigły-Rydz Rydz and the defence of Poland, p. 312
  77. a b Peszke, Michael Alfred (1999). Poland's Navy, 1918–1945. [S.l.]: Hippocrene Books. p. 37. ISBN 978-0-7818-0672-5 
  78. Robert Forczyk (31 de outubro de 2019). Case White: The Invasion of Poland 1939. [S.l.]: Bloomsbury Publishing. ISBN 978-1-4728-3494-2 
  79. a b E.R. Hooton, p. 87
  80. a b c d Gunther, John (1940). Inside Europe. New York: Harper & Brothers. pp. xvi–xvii 
  81. «Poles Holding Line 30 Miles From Warsaw». The Gettysburg Times. Gettysburg, Pennsylvania. 7 de setembro de 1939. p. 9 
  82. a b c Stanley S. Seidner, "Reflections from Rumania and Beyond: Marshal Śmigły-Rydz Rydz in Exile," The Polish Review vol. xxii, no. 2, 1977, pp. 29–51.
  83. Czesław Grzelak, Henryk Stańczyk (2005), Kampania polska 1939 roku, Oficyna Wydawnicza RYTM Warszawa, p. 182. ISBN 83-7399-169-7.
  84. a b E.R. Hooton, p. 91
  85. Tippelskirch, Kurt. History of Second World War
  86. Roberts, Geoffrey (1 de janeiro de 1992). «The Soviet Decision for a Pact with Nazi Germany». Soviet Studies. 44 (1): 57–78. JSTOR 152247. doi:10.1080/09668139208411994 
  87. Telegram: The German Ambassador in the Soviet Union, (Schulenburg) to the German Foreign Office. Moscow, 10 September 1939 – 9:40 p.m. and Telegram 2: he German Ambassador in the Soviet Union (Schulenburg) to the German Foreign Office. Moscow, 16 September 1939. Source: The Avalon Project at Yale Law School. Last. Retrieved 14 November 2006
  88. Goldman pp. 163, 164
  89. Tadeusz Piotrowski (1998). Poland's Holocaust: Ethnic Strife, Collaboration with Occupying Forces and Genocide…. [S.l.]: McFarland & Company. ISBN 978-0-7864-0371-4 – via Google Books 
  90. Piotrowski 1998, p. 295.
  91. Sanford, p. 23; Olszyna-Wilczyński Józef Konstanty Arquivado em 6 de março de 2008[Erro data trocada] no Wayback Machine., Internetowa encyklopedia PWN. Retrieved 14 November 2006.
  92. Śledztwo w sprawie zabójstwa w dniu 22 września 1939 r. w okolicach miejscowości Sopoćkinie generała brygady Wojska Polskiego Józefa Olszyny-Wilczyńskiego i jego adiutanta kapitana Mieczysława Strzemskiego przez żołnierzy b. Związku Radzieckiego. (S 6/02/Zk) Polish Institute of National Remembrance. Internet Archive, 16.10.03. Retrieved 16 July 2007.
  93. Piotrowski 1998, pp. 54–56, p. 199.
  94. a b (Sanford 2005, pp. 20–24)
  95. Seidner 1978, p. 226.
  96. Seidner 1978, p. 279.
  97. Peter David Orr (2005), Peace at Daggers Drawn pp. 28-29 with more speech. ISBN 1-4137-4829-5.
  98. Seidner 1978, p. 289.
  99. Richard J. Evans, The Third Reich at War, p. 102
  100. Bytwerk, Randall. "The Argument for Genocide in Nazi Propaganda." Quarterly Journal of Speech 91, no.1 (February 2005): 37–62
  101. Corum 2013, p. 174.
  102. Rossino, Alexander B. Hitler Strikes Poland: Blitzkrieg, Ideology, and Atrocity Lawrence, Kansas: University Press of Kansas, 2003
  103. Butler 2001, p. 45.
  104. Rossino 2003, pp. 114, 159–61.
  105. Piotrowski 1998, p. 301.
  106. Tomasz Chinciński, Niemiecka dywersja w Polsce w 1939 r. w świetle dokumentów policyjnych i wojskowych II Rzeczypospolitej oraz służb specjalnych III Rzeszy. Część 1 (marzec–sierpień 1939 r.). Pamięć i Sprawiedliwość. nr 2 (8)/2005
  107. a b c d e Andreas Toppe, Militär und Kriegsvölkerrecht: Rechtsnorm, Fachdiskurs und Kriegspraxis in Deutschland 1899–1940, Oldenbourg Wissenschaftsverlag, 2008, p. 398, ISBN 3-486-58206-2
  108. Leszek Moczulski (2009). Wojna polska. [S.l.]: Bellona. GGKEY:YJUTJZKPCPA 
  109. Кривошеин С.М. Междубурье. Воспоминания. Воронеж, 1964. (Krivoshein S.M. Between the Storms. Memoirs. Voronezh, 1964. in Russian); Guderian H. Erinnerungen eines Soldaten Heidelberg, 1951 (English: Memoirs of a Soldier)
  110. Raack, Richard (1995). Stalin's Drive to the West, 1938–1945. [S.l.]: Stanford University Press. p. 58. ISBN 978-0-8047-2415-9. Consultado em 2 de novembro de 2011 
  111. Clark, Lloyd, Kursk: The greatest battle: Eastern Front 1943, 2011, pp. 62, 67, 76–80
  112. a b Clark, Lloyd, Kursk: The greatest battle: Eastern Front 1943, 2011, p. 62
  113. Sword, Keith Sword (1991). «British Reactions to the Soviet Occupation of Eastern Poland in September 1939». The Slavonic and East European Review. 69 (1): 81–101 
  114. a b Черчилль У. Вторая мировая война. – М.: Воениздат, 1991. с. 204/Churchill U. World war II. – Moscow: Voenizdat, 1991. p. 204
  115. Weinberg, Gerhard L. (2005). A World at Arms. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-521-61826-7. Consultado em 2 de novembro de 2011 
  116. Welch, David A. (1995). Justice and the Genesis of War. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-521-55868-6 
  117. a b «Polish experts lower nation's WWII death toll». AFP/Expatica. 30 de julho de 2009. Consultado em 4 de novembro de 2009 
  118. Wojciech Materski and Tomasz Szarota (eds.).Polska 1939–1945. Straty osobowe i ofiary represji pod dwiema okupacjami.Institute of National Remembrance(IPN) Warszawa 2009 ISBN 978-83-7629-067-6 (Introduction reproduced here Arquivado em 2012-03-23 no Wayback Machine.)
  119. Dr. Jan Moor-Jankowski, Holocaust of Non-Jewish Poles During WWII. Arquivado em 16 de maio de 2016[Erro data trocada] no Wayback Machine. Polish American Congress, Washington.
  120. Wojciech Materski and Tomasz Szarota. Polska 1939–1945. Straty osobowe i ofiary represji pod dwiema okupacjami.Institute of National Remembrance(IPN) Warszawa 2009 ISBN 978-83-7629-067-6
  121. a.o. Robert Westerby en R.M. Low, The Polish Gold (London 1940), 1–18, Ingo Loose, Kredite für NS-Verbrechen. Die Deutsche Kreditinstituten im Polen und die Ausraubung der polnischen un jüdischen Bevölkerung 1939–1945 (München 2007), 64–67, Anita J. Prazmowska, Britain and Poland 1939–1943. The Betrayed Ally (1995), 21
  122. «Archived copy». Consultado em 10 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 4 de março de 2016 
  123. Huiskamp, Florian (2015). Zonder Vrees en Zonder Verwijt. Poolse militairen in West-Europa tijdens de Tweede Wereldoorlog. Amsterdam: [s.n.] pp. 64–65 
  124. «LC Online Catalog – Item Information (Full Record)». catalog.loc.gov 
  125. «Julien Bryan» 
  126. «Poland 1939 (Fall Weiß) - Polish Cavalry Charges Against Tanks». Panzerworld. Consultado em 20 de setembro de 2020 
  127. Steve Zaloga (2004). Poland 1939: The Birth of Blitzkrieg. [S.l.]: Praeger. ISBN 978-0-275-98278-2 
  128. Henryk Smaczny, Księga kawalerii polskiej ("Book of Polish cavalry"), TESCO, Warszawa 1989, ISBN 83-00-02555-3
  129. «Poland 1939 (Fall Weiß) - Polish Cavalry Charges Against Tanks». Panzerworld. Consultado em 20 de setembro de 2020 
  130. Steven J. Zaloga, Ramiro Bujeiro, Howard Gerrard, Poland 1939: the birth of blitzkrieg, Osprey Publishing, 2002, ISBN 1-84176-408-6, Google Print, p.50
  131. Overy, Richard J., The Air War: 1939–1945, London, Europa Publications, 1980. p. 28
  132. Roy Francis Leslie; R. F. Leslie (1983). The History of Poland Since 1863. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 212. ISBN 978-0-521-27501-9 
  133. Bekker, Cajus (1964) Angriffshohe 285 aircraft destroyed, 279 damaged of initial force
  134. Forczyk 2019, pp. 326–25 – lists 236 tanks as totally destroyed and 457 damaged, of which 180 were repaired and the remainder scrapped, giving 180 + 277 = 513 tanks destroyed or scrapped following damage, and 319 armoured cars lost.
  135. Seidner 1978.
  136. Matthew Cooper, The German Army 1939–1945: Its Political and Military Failure, p. 176
  137. Ellis, John (1999). Brute Force: Allied Strategy and Tactics in the Second World War, pp. 3–4
  138. Matthew Cooper, The German Army 1939–1945: Its Political and Military Failure, p. 4

FontesEditar

Leitura adicionalEditar

  • Böhler, Jochen (2006). Auftakt zum Vernichtungskrieg; Die Wehrmacht in Polen 1939 (Preface to the War of Annihilation: Wehrmacht in Poland) (em German). Frankfurt: Fischer Taschenbuch Verlag. ISBN 978-3-596-16307-6 
  • Gross, Jan T. (2002). Revolution from Abroad: The Soviet Conquest of Poland's Western Ukraine and Western Belorussia. Princeton: Princeton University Press. ISBN 978-0-691-09603-2 
  • Moorhouse, Roger (2019). First to Fight: The Polish War 1939. [S.l.]: The Bodley Head. ISBN 978-1847924605