Abrir menu principal

Alterações

2 bytes removidos ,  10h57min de 16 de outubro de 2013
sem resumo de edição
| caption3 = [[Omurtag da Bulgária|Omurtag]] (r. 814-831), governante da [[Primeiro Império Búlgaro|Bulgária]], envia uma delegação para o imperador bizantino {{Lknb|Miguel|II, o Amoriano}} (r. 820-829).
}}
Após a queda de [[Roma]], o principal desafio do Império Bizantino foi manter um conjunto de relações entre ele próprio e seus diversos vizinhos, incluindo os povos germânicos, [[georgianos]], [[IbériaReino (Cáucaso)da Ibéria|ibéricos]], [[búlgaros]], [[eslavos]], [[armênios]], [[hunos]], [[ávaros]], [[francos]], [[lombardos]] e [[árabes]], que incorporou e assim manteve seu estatuto imperial. Todos estes vizinhos não dispunham do recurso chave que Bizâncio havia assumido a partir de Roma, uma estrutura legal formalizada. Quando eles começaram a forjar instituições políticas formais, eram dependentes do império. Enquanto que escritores clássicos gostam de fazer uma distinção nítida entre paz e guerra, para os bizantinos a diplomacia era uma forma de guerra por outros meios. Antecipando [[Nicolau Maquiavel]] e [[Carl von Clausewitz]], o historiador bizantino [[João Cinamo]] escreve, "uma vez que muitos e diversos assuntos levam em direção a um fim, vitória, é uma questão de indiferença que se usa para alcançá-la." Com um exército regular de 120.000-140.000 homens após as perdas do {{séc|VII}},{{harvref|Gabriel|2002|p=281}}{{harvref|Haldon|1999|p=101}} a segurança do império dependia de diplomacia ativista.
 
O "[[Gabinete dos Bárbaros]]" de Bizâncio foi a primeira agência de inteligência estrangeira, coletando informações sobre os impérios rivais de todas as fontes imagináveis.{{harvref|name=Anto13|Antonucci|1993|p=11–13}} Enquanto na aparência fosse um gabinente protocolar - sua principal missão era garantir que enviados estrangeiros fossem adequadamente tratados e recebessem fundos suficientes do Estado para sua manutenção, e manteve tradutores oficiais – tendo claramente uma função de segurança. O ''Tratado sobre Estratégia'', do {{séc|VI}}, aconselhava sobre embaixadas estrangeiras: "[emissários] que nos são enviados devem ser recebidos com honra e generosidade, para todos mantê-los em alta estima. Seus assistentes, no entanto, devem ser mantidos sob vigilância para serem obtidas todas as informações por meio de perguntas do nosso povo".{{harvref|Dennis|1985|p=125}}