Diferenças entre edições de "Conurbação"

3 bytes removidos ,  14h37min de 23 de junho de 2015
sem resumo de edição
m (Foram revertidas as edições de 187.74.113.29 para a última revisão de FSogumo, de 16h05min de 26 de maio de 2015 (UTC))
Principalmente após os anos 50, quando se verificou a grande [[industrialização]] do Brasil, o rápido crescimento ocorrido com as cidades brasileiras gerou um "envelhecimento" dos antigos centros, dada a grande demanda de serviços mais modernos e mais compatíveis com a nova industrialização. Isto acabou significando uma expansão desses centros, que buscavam novas áreas para crescer. Assim, a configuração dessas conurbações então consolidou-se<ref name="ROSS"/>.
 
Há casos curiosos de conurbações que se desenvolveram junto às linhas de fronteira de diferentes países. É caso das cidades de [[Santana do Livramento]], no estado do [[Rio Grande do Sul]], no [[Brasil]], e [[Rivera (Uruguai)|Rivera]], sede do departamento de mesmo nome, no [[Uruguai]]. O conjunto urbano das duas cidades, denominado tradicionalmente de "[[Fronteira da Paz]]", tem mais de 170.000 habitantes que vivem de forma integrada. É comum, por exemplo, usar o sistema de educação ou de saúde pública de uma ou da outra cidade. O comércio tem especialidades que levam o consumidor a procurar lojas no Brasil ou no Uruguai além de serem muito freqüentesfrequentes os casamentos "mistos" (entre cidadãos dos dois países). A divisão entre as duas cidades é feita por linhas imaginárias traçadas ao longo da malha viária e se estende por muitos quilômetros. Por isso, muitas vezes é difícil para um turista perceber que uma calçada de determinada rua se encontra em um país enquanto que a calçada em frente está no outro.<ref>{{citar web|url=http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?pid=MSC0000000012002000100053&script=sci_arttext&tlng=es|titulo=El fenómeno del bilingüismo en la comunidad fronteriza uruguayo-brasileña de Rivera|autor=Silvia Etel Gutiérrez Bottaro|acessodata=25 de novembro de 2007}}</ref>
 
Outro caso do gênero é a conurbação entre as cidades de [[Pedro Juan Caballero (cidade)|Pedro Juan Caballero]], no [[Paraguai]], e [[Ponta Porã]], no estado de [[Mato Grosso do Sul]], separadas apenas por uma avenida. Também vale ser mencionada a conurbação existente entre as cidades de [[Leticia (Amazonas)|Letícia]], na [[Colômbia]], e [[Tabatinga (Amazonas)|Tabatinga]], no estado do [[Amazonas]], separadas por uma avenida chamada de "Avenida da Amizade".
Nas cidades em processo de conurbação é comum a ocorrência do chamado [[Migração humana#Migrações Pendulares|fluxo pendular]]. O fluxo pendular é o fluxo de passageiros (em veículos particulares ou transporte público) atravessando mais de uma cidade com dois picos de maior intensidade, normalmente no período da manhã e no final da tarde. Geralmente, o sentido desse fluxo no final da tarde dirige-se às chamadas [[Cidade dormitório|cidades dormitórios]].
 
Essas migrações pendulares são simples fluxos populacionais que não correspondem verdadeiramente a migrações, pois não são realizados com intuito de mudança definitiva, estando embutida na saída do indivíduo a idéiaideia concreta do seu retorno ao local de origem, e por isso o uso do termo "movimento pendular de população". Diferencia-se do conceito de migração por não ter caráter permanente.
Alguns exemplos de migrações pendulares: deslocamento realizado pelo [[bóiaboia-fria]]; viagens de residentes em [[cidade dormitório]], que são realizadas por pessoas que moram em uma determinada cidade e trabalham em outra; o deslocamento de fins de semana e de férias, com objetivos de lazer e descanso ([[viagem]]), que é o principal fator de congestionamentos nas estradas que partem das grandes metrópoles, em fins de semana e vésperas de feriados.
 
{{referências}}