Abrir menu principal

Alterações

36 bytes removidos ,  19h00min de 16 de fevereiro de 2017
m
peq. ajustes, replaced: |URL= → |url=, |format=PDF | → |, replaced: {{cite web| → {{citar web| (3) utilizando AWB
|fundador_nome = [[Peter Benenson]]
}}
'''''Amnesty International''''' ({{lang-pt|{{PBPE|''Anistia''|''Amnistia''}} '''''Internacional'''''}}) <small>[[Ordem da Liberdade|MHL]]</small> é uma [[organização não governamental]] que defende os [[direitos humanos]] com mais de 7 milhões de membros e apoiantes em todo o mundo. O objetivo declarado da organização é "realizar pesquisas e gerar ações para prevenir e acabar com graves abusos contra os direitos humanos e exigir justiça para aqueles cujos direitos foram violados."<ref name="aboutai">{{citecitar web|url=https://www.amnesty.org/en/who-we-are/about-amnesty-international |title=About Amnesty International |publisher=Amnesty International |accessdate=20 de julho de 2008}}</ref>
 
A Anistia foi fundada em [[Londres]] em 1961, após a publicação do artigo "''The Forgotten Prisoners''" no ''[[The Observer]]'', em 28 de maio de 1961,<ref name=Forgotten>Benenson, Peter, [http://www.guardian.co.uk/uk/1961/may/28/fromthearchive.theguardian "The Forgotten Prisoners"], ''The Observer'', 28 May 1961. Retrieved 28 May 2011.</ref> pelo advogado [[Peter Benenson]]. A Anistia chama a atenção para abusos dos direitos humanos e faz campanhas para o cumprimento das leis e normas internacionais. Ela trabalha para mobilizar a opinião pública para pressionar os governos que deixam os abusos acontecerem.<ref name="aboutai" /> A organização recebeu o [[Prêmio Nobel da Paz]] em 1977 por sua "campanha contra a tortura"<ref name="AINobelLec"/> e o Prêmio das Nações Unidas no Campo dos Direitos Humanos em 1978. <ref name="AIUNAward">{{citecitar web|url=http://www.ohchr.org/Documents/Press/previous_recipients.pdf |title=United Nations Prize in the field of Human Rights |format=PDF |date=}}</ref>
 
No domínio das organizações internacionais de direitos humanos, a Anistia tem a segunda história mais longa (depois da [[Federação Internacional de Direitos Humanos]]) e é a mais reconhecida, sendo que estabelece padrões para o movimento como um todo.<ref name=ISQ05>James Ronand, Howard Ramos, Kathleen Rodgers (2005), [http://www.mcgill.ca/files/rgchr/ISQsubmission.pdf "Transnational Information Politics: NGO Human Rights Reporting, 1986–2000"] {{webarchive |url=https://web.archive.org/web/20090318015725/http://www.mcgill.ca/files/rgchr/ISQsubmission.pdf |date=18 de março de 2009 }}, ''International Studies Quarterly'' (2005) 49, 557–587.</ref>
 
== Origens ==
A Amnistia Internacional foi fundada em [[1961]] pelo advogado [[britânico]] [[Peter Benenson]], na sequência de uma notícia publicada no ano anterior pelo jornal [[Daily Telegraph]] sobre a condenação de dois jovens estudantes portugueses a sete anos de prisão por gritarem "viva a liberdade" numa esplanada no centro de Lisboa durante o [[Estado Novo (Portugal)|regime de Salazar]]<ref>{{citar web|URLurl=https://www.amnesty.org/en/who-we-are/history|título=A história da anistia Internacional|autor=|data=|publicado=Anistia Internacional|acessodata=2 agosto de 2013|lingua=Inglês}}</ref>. O causídico apelou aos países que libertassem pessoas detidas por motivos de consciência, incluindo convicções políticas e religiosas, preconceitos raciais ou linguísticos.<ref name=Forgotten/>
 
O movimento foi formalmente lançado com a publicação, em 28 de Maio desse ano, no jornal ''[[The Observer]]'', do artigo ''[http://www.amnestyusa.org/about-us/amnesty-50-years/peter-benenson-remembered/the-forgotten-prisoners-by-peter-benenson The Forgotten Prisioners]'', denunciando vários casos mundiais.<ref name=Forgotten/>
 
== Nobel da Paz ==
O papel desempenhado por esta organização não-governamental em relação aos direitos humanos foi, e continua a ser, de tal ordem importante que, em [[1974]], [[Sean MacBride]], presidente da organização, recebeu o [[Nobel da Paz]]. Três anos mais tarde a própria organização foi galardoada pelo mesmo prémio.<ref name="AINobelLec">{{citecitar web|url=http://nobelprize.org/nobel_prizes/peace/laureates/1977/press.html|title=The Nobel Peace Prize 1977 - Presentation Speech|publisher=}}</ref>
 
== Prémios e honrarias ==
* Em 1977 recebeu o [[Prémio Nobel da Paz]] <ref>{{citar web|url=http://www.nobelprize.org/nobel_prizes/peace/laureates/1977/amnesty-facts.html |título=Amnesty International - Facts |publicado=Nobelprize.org. Nobel Media AB |língua2língua=en |data=2013 |acessodata=2014-06-07}}</ref>
* A 14 de Setembro de 2001 a Amnistia Internacional foi feita Membro-Honorário da [[Ordem da Liberdade]] de [[Portugal]].<ref>{{citar web |url=http://www.ordens.presidencia.pt/?idc=154 |título=Cidadãos Estrangeiros Agraciados com Ordens Portuguesas|autor=|data=|publicado=Presidência da República Portuguesa |acessodata=2014-06-07 |notas=Resultado da busca de "Amnistia Internacional".}}</ref>
* Em 2004, a A. I. foi homenageada no [[Brasil]] com a [[Medalha Chico Mendes de Resistência]] dada pelo [[Grupo Tortura Nunca Mais]], por sua defesa dos direitos humanos.
* Em 2011, quando a Amnistia Internacional comemorou o seu 50.º aniversário e a sua secção portuguesa 30 anos, a [[Câmara Municipal de Lisboa]] homenageou esta instituição com a atribuição do seu nome aos Jardins de Campolide, localizados na confluência da Rua de Campolide, a Avenida José Malhoa e a Rua Cardeal Saraiva, na freguesia de [[Campolide]].<ref>Comissão Municipal de Toponímia, Toponimia lx Amnistia Internacional, 2011.</ref>