Abrir menu principal

Alterações

12 bytes adicionados, 12h21min de 9 de agosto de 2017
+footer
 
==Morte==
No dia [[5 de dezembro]] de 1970, Fujimori passava pela Praça Santa Rita de Cássia, no Bosque da Saúde, na [[cidade de São Paulo]], junto com outro guerrilheiro, [[Edson Quaresma]], quando foram reconhecidos por uma patrulha do [[DOI-CODI]] do [[II Exército]], que começou a persegui-los. Os agentes metralharam o automóvel, ferindo ambos os guerrilheiros. Edson correu para um rua lateral onde foi alcançado e morto. Yoshitane, foi ferido e, segundo testemunhas, chegou vivo ao [[Doi-Codi]] .<ref>[http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2013/05/10/cadaveres-de-militantes-eram-expostos-no-doi-codi-como-trofeu-de-vitoria-diz-ex-sargento.htm "Cadáveres de militantes eram expostos no DOI-Codi como troféu de vitória", diz ex-sargento]. Por Fernanda Calgaro. [[UOL]], 10 de maio de 2013.</ref><ref>{{citar web|url=http://www.avozdopovodoinga.jex.com.br/aqui+e+agora/para+nao+esquecer+jamais+historia+de+edson+neves+quaresma+e+yoshitane+fujimori+-cxxvii|titulo=PARA NÃO ESQUECER JAMAIS! História de EDSON NEVES QUARESMA e YOSHITANE FUJIMORI -CXXVII|acessodata=21/06/2011}}</ref> Mas, a morte de Fujimori envolve uma polêmica: mesmo estando muito ferido, ele chegou com vida ao [[DOI-CODI]]. Depois, apareceu morto.<ref>{{citar web|url=http://www.mndh.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=614|titulo=Imprensa denuncia outro torturado que ainda está na ativa|publicado=Movimento Nacional de Direitos Humanos|acessodata=15/06/2014}}</ref> O agente da repressão que estava envolvido em sua morte era Alcides Cintra Bueno Filho.<ref name="desaparecidospoliticos.org.br">{{citar web|url=http://www.desaparecidospoliticos.org.br/pessoa.php?id=120&m=3|titulo=Yoshitane Fujimori|publicado=Centro de Documentação Eremias Delizoicov|acessodata=13/06/2014}}</ref> Já os [[legista]]s que atestaram o laudo médico de Fujimori foram Armando Canger Rodrigues e [[Harry Shibata]].<ref name="desaparecidospoliticos.org.br"/>
 
A solicitação da necrópsia de Fujimori, feita por Alcides Cintra Bueno Filho, diz que o corpo deveria ser fotografado de frente e perfil. Nunca foram encontradas fotos do cadáver. O corpo deu entrada no [[Instituto Médico Legal]] quatro horas após a provável hora da morte. Foram encontradas cinco balas no corpo de Fujimori. O laudo registra que uma delas atingiu as costas e as outras quatro foram disparadas na cabeça - uma na região auricular direita. Na opinião da relatora, é improvável que, durante um tiroteio, uma pessoa seja atingida por quatro tiros na cabeça, pois dificilmente o atirador conseguiria acertar quase todos os tiros no mesmo lugar.<ref name="cemdp.sdh.gov.br"/>
==Investigação póstuma==
Os documentos relativos à autópsia de Fujimori foram enviados pela [[Comissão Nacional da Verdade#Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos (CEMDP)|Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos]] para ser feito um laudo do perito Celso Nenevê. Foi ele quem produziu a prova mais importante utilizada pela relatora. Analisando o trajeto dos disparos, o perito chegou à conclusão de que, das quatro balas que atingiram o rosto de Fujimori, três delas penetraram na face direita e foram disparadas com o corpo de Fujimori caído, deitado, virado de bruços. A [[Comissão Nacional da Verdade#Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos (CEMDP)|CEMDP]], por maioria dos votos, considerou que Edson Quaresma e Yoshitane Fujimori foram executados sob a guarda dos militares.<ref name="cemdp.sdh.gov.br"/>
 
{{Referências}}
 
==Ver também==
* [[João Carlos Haas Sobrinho]]
* [[Lista de mortos e desaparecidos políticos na ditadura militar brasileira]]
 
{{Referências}}
{{Luta armada}}
 
[[Categoria:Opositores da ditadura militar no Brasil (1964–1985)]]