Diferenças entre edições de "Ensino doméstico"

943 bytes removidos ,  03h36min de 10 de setembro de 2017
No Brasil não nunca houve criminalização de pais que educarão os filhos em casa. está em curso no STF o Recurso Extraordinário n° 888.815 em que se discute a constitucionalidade da educação domiciliar.
m (Desfeita(s) uma ou mais edições de 201.20.102.82, com Reversão e avisos)
(No Brasil não nunca houve criminalização de pais que educarão os filhos em casa. está em curso no STF o Recurso Extraordinário n° 888.815 em que se discute a constitucionalidade da educação domiciliar.)
O ensino doméstico é legalizado em vários países como [[Estados Unidos]], [[Áustria]], [[Bélgica]], [[Canadá]], [[Austrália]], [[França]], [[Noruega]], [[Portugal]], [[Rússia]], [[Itália]] e [[Nova Zelândia]] e proibido em países como a [[Alemanha]] e a [[Suécia]], onde é crime. A maioria dos países exige uma avaliação anual dos alunos que recebem educação domiciliar. Em inglês é chamado de ''Homeschooling''.
 
No Brasil há controvérsias sobre o tema, ocasionado, sobretudo, pelas leis que regem a matéria onde algumas dão plena autoridade aos pais ou família (Constituição da República de 1988, Código Civil Brasileiro) e outras obrigam que a criança frequente uma escola reconhecida pelo governo por meio do MEC (ECA e LDBE). Entendendo que nossa sociedade é baseada na liberdade individual e, portanto a autoridade e responsabilidade na educação dos filhos é dos pais ou família, muitos apoiam o método de educação domiciliar. Por outro lado alguns entendem que para educar os filhos é necessário uma estrutura apropriada, convívio com crianças da mesma idade, um horário fixo e regular de, geralmente 25 horas por semana, e que o mestre seja alguém que recebeu um certificado ou diploma de uma universidade regulada e reconhecida pelo governo por meio do MEC.
No [[Brasil]] é considerado [[crime]], previsto no artigo 246 do [[Código Penal]] e ocorre quando o pai, mãe ou responsável deixa de garantir a educação primária de seu filho. De acordo com o o juiz Leandro Cunha Bernardes Silveira, do [[Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo]], a criminalização da conduta tem como principal objetivo coibir a prática e garantir que toda criança tenha direito à educação.<ref>[http://www.conjur.com.br/2013-out-20/criminalizar-abandono-intelectual-facilita-controle-evasao-escolar-juiz Criminalizar abandono intelectual facilita controle]. Consultor Jurídico, 20 de outubro de 2013.</ref> No [[Brasil]] o ensino é obrigatório entre os 4 e 17 anos. Os pais ficam responsáveis por colocar as crianças na educação infantil a partir dos 4 anos e por sua permanência até os 17 ([[Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional]]).<ref>[http://educacao.uol.com.br/noticias/2013/04/05/lei-regulamenta-obrigatoriedade-de-matricula-na-rede-escolar-a-partir-dos-4-anos.htm Lei obriga pais a matricular crianças a partir dos 4 anos na pré-escola]. UOL, 5 de abril de 2013.</ref> O artigo 1.634 do [[Código Civil Brasileiro]] diz que compete aos pais, quanto aos filhos menores, dirigir-lhes a criação e a educação.<ref>[http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406compilada.htm Código Civil Brasileiro]</ref> O artigo 22 do [[Estatuto da Criança e do Adolescente]] (ECA) diz que aos pais incumbe o dever de sustento, guarda e educação dos filhos menores. E o artigo 55 do [[Estatuto da Criança e do Adolescente]] (ECA) diz que os pais ou responsáveis têm a obrigação de matricular seus filhos na rede regular de [[ensino]].<ref>[http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069Compilado.htm Estatuto da Criança e do Adolescente]</ref>
 
Há um extenso debate entre educadores na sociedade sobre os benefícios dessa modalidade de educação.
Utilizador anónimo