Abrir menu principal

Alterações

47 bytes removidos ,  15h27min de 4 de outubro de 2017
realizada fusão entre Predefinição:Feminismo e Predefinição:Feminismo (barra lateral), typos fixed: século 20 → século XX utilizando AWB
{{feminismo lateral}}
A frase "'''Girl power'''" é usada como termo para poder [[Fêmea|feminino,]] independência e auto-suficiência. Girl power expressa um [[Estudos culturais|fenômeno cultural]] da década de 1990 e início de 2000, e está também ligada a [[terceira onda do feminismo]]. O termo tornou-se popularizado pelas [[Spice Girls]] em meados da década de 1990.
 
== Início do uso ==
Um dos primeiros usos do termo "Girl Power" foi em 1987, foi pelo [[girl group]] de [[capella]], "Mint Juleps" de [[ Londres]], em uma canção intitulada "Girl to the Power of 6<nowiki>''</nowiki>. Posteriormente, foi utilizada em uma [[fanzine]] pela banda punk [[Bikini Kill]]. A frase é por vezes escrito como "grrrl power", inicialmente associada com as [[Riot Grrrl]].<ref>{{Citar livro|last=Gonick|first=Marnina|title=Girl Culture|year=2008|publisher=Greenwood Press|location=Westport, Conn. [u.a.]|isbn=978-0-313-33909-7|pages=310–314|url=https://books.google.com/books?id=arQy0v_PBx4C&lpg=PA311&ots=653MgneXMO&dq=Riot%20Grrrls%20grrl%20power&pg=PA311#v=onepage&q&f=false|chapter=Girl Power}}</ref><ref>{{Citar livro|last=Leonard|first=Marion|title=Sexing The Groove: Popular Music and Gender|year=1997|publisher=Routledge|location=London|isbn=978-0-415-14670-8|pages=230–55|chapter='Rebel Girl, You Are the Queen of My World': Feminism, 'Subculture' and Grrrl Power}}</ref>
 
"Girl power", mais tarde foi utilizada por um número de bandas durante o início da década de 1990, tais como a banda [[País de Gales|Galês]] Helen Love<ref>{{Citar web|url=http://homepage.ntlworld.com/elizabeth.ercocklly/helenlov.htm|title=Helen Love - Gabba Gabba We Accept You|publisher=Homepage.ntlworld.com|accessdate=2012-09-30}}</ref> e o duo [[pop-punk]]  Shampoo,<ref>{{Citar web|url=http://www.freewilliamsburg.com/april_2001/shampoo.html|title=Shampoo - Interview by Alexander Laurence|publisher=Free Williamsburg|date=April 2001|accessdate=2012-09-30}}</ref>  que lançou um álbum e single intitulado ''Girl Power'' em 1995.
 
== Spice Girls e estudos ==
A frase entrou para o ''[[mainstream]]'', no entanto, durante a década de 1990, com o quinteto britânico [[Spice Girls]].<ref>{{Citar web|url=http://harvardmagazine.com/2008/01/from-title-ix-to-riot-gr.html|title=From Title IX to Riot Grrrls|publisher=Harvard Magazine|date=January–February 2008|accessdate=2012-09-30}}</ref><ref>{{Citar web|url=http://news.bbc.co.uk/1/hi/entertainment/38786.stm|title=Girl power &#124; You've come a long way baby|publisher=BBC News|date=December 30, 1997|accessdate=2012-09-30}}</ref><ref>{{Citar web|author=Sarler, Carol|url=http://www.dailymail.co.uk/femail/article-396834/Girl-Power-betrayed-us.html|title=Girl Power: how it betrayed us|publisher=Daily Mail|date=21 July 2006|accessdate=2012-09-30}}</ref> A professora Susan Hopkins, em seu texto de 2002, ''Girl Heroes: The New Force in Popular Culture'', sugere uma correlação entre "girl power", Spice Girls e as heroínas de ação no final do século 20XX.<ref>{{Citar web|author=Costi, Angela|url=http://www.sensesofcinema.com/2002/22/power_chicks/|title=Super Slick Power Chicks: The New Force or Elaborate Parody?|publisher=Senses of Cinema|date=October 4, 2002|accessdate=2012-09-30}}</ref>
 
Outros estudiosos também têm examinado a frase, "girl power", muitas vezes dentro do contexto campo acadêmico, por exemplo [[Estudos Buffy]].<ref>[http://www.thirdspace.ca/articles/karras.htm "The Third Wave's Final girl: Buffy the Vampire Slayer"] {{Wayback|url=http://www.thirdspace.ca/articles/karras.htm|date=20050620082403}}</ref> A teórica de mídia, Kathleen Rowe Karlyn, em seu artigo ''Scream, Popular Culture, and Feminism's Third Wave: I'm Not My Mother''<ref>{{Citar web|last=Karlyn|first=Kathleen Rowe|url=http://www.genders.org/g38/g38_rowe_karlyn.html|title=Scream, Popular Culture, and Feminism's Third Wave: I'm Not My Mother|publisher=Genders|year=2003|accessdate=2012-09-30}}</ref> e Irene Karras em ''The Third Wave's Final girl: [[Buffy the Vampire Slayer]] ''sugerem uma ligação com a [[terceira onda do feminismo]]. Francisca Cedo e [[Kathleen Kennedy]], na introdução ''de Athena’s Daughters: Television’s New Women Warriors'', discute o que elas descrevem como uma ligação entre a girl power e uma "nova" imagem de [[Mulheres guerreiras na cultura|mulheres guerreiras]] na [[cultura popular]].<ref>{{Citar web|last=Riley|first=Robin|url=http://www.h-net.org/reviews/showrev.cgi?path=238391094059727|title=Review of Early, Frances; Kennedy, Kathleen, eds., Athena's Daughters: Television's New Women Warriors|publisher=H-Net Reviews|date=May 2004|accessdate=2012-09-30}}</ref>
 
=== Dicionário Inglês de Oxford ===
Em 2001, o [[Oxford English Dictionary|Dicionário de inglês de Oxford]] adicionou o termo ''girl power'',<ref>{{Citar web|url=http://news.bbc.co.uk/1/hi/uk/1765706.stm|title=Girl power goes mainstream|publisher=BBC News|date=17 January 2002|accessdate=2012-09-30}}</ref> definindo esta expressão como:
: Poder exercido pelas garotas; espec. uma auto-atitude entre meninas e mulheres jovens, manifestada em ambição, assertividade, e o individualismo. Embora também mais amplamente utilizados (esp. como um ''slogan''), o termo tem sido particularmente e repetidamente associado com música popular; principalmente no início da década de 1990 com o brevemente mas proeminente 'riot girl' movimento nos Estados Unidos (cf. RIOT GIRL n.); em seguida, no final da década de 1990, com o grupo britânico ''Spice Girls.''<ref>{{Citar web|url=http://dictionary.oed.com/cgi/entry/00307048?single=1&query_type=word&queryword=girl+power&first=1&max_to_show=10|title=OED:Girl power|publisher=Oxford English Dictionary|accessdate=2012-09-30}}</ref>
O OED ainda oferece um exemplo deste termo, citando "Anjo Delight", um artigo de 24 de Março de 2001 edição de ''Dreamwatch'' sobre a série de televisão ''[[Dark Angel (telessérie)|Dark Angel]]'':
: Após a [[Sarah Connor|Sarah Connors]]s e [[Ellen Ripley|Ellen Ripleys]]s da década de 1980, a década de 1990 não eram tão amáveis para o formato supermulher &#x2014;[[Xena]], a Princesa Guerreira sendo exceção. Mas é 2000 é um novo milênio, enquanto'' [[Charlie's Angels (filme)|Charlie's Angels]]'' e <span>[[O Tigre e o Dragão (filme)|o Tigre e o Dragão]]'' ''estão fazendo</span> uma tempestade nas telas de cinema, [[James Cameron]] veio para trazer de volta ás poderosas guerreiras femininas para telas da televisão. E claramente, Cameron tem misturando o sóbrio feminismo de suas personagens em ''[[The Terminator|Terminator]]'' e ''[[Aliens (filme)|Aliens]] ''com estilo sexualizado ''girl power'' de [[Britney Spears]]. O resultado é ''Dark Angel''.<ref>[http://www.darkangelfan.com/news/254.shtml E y e s <-> <-> O n l y]</ref>
 
=== Críticas ===
Dr. Debbie Ging, Presidente de Estudos de Comunicação na [[Universidade de Dublin]], foi uma crítica das ideias "Girl power", ás vinculado com a sexualização das crianças, as meninas, em particular.<ref>Ging, Debbie. </ref>
Amy McClure da [[Universidade Estadual da Carolina do Norte]], alertou contra colocar demasiada esperança no conceito de girl power e empoderamento. Ela diz, "Uma ideologia baseada no [[consumismo]] nunca pode ser um revolucionário movimento social. O fato de que parece ser um movimento revolucionário é uma perigosa mentira de que não só os profissionais de marketing vendem para nós, mas que nós, muitas vezes, felizmente vender a nós mesmos."<ref>[http://www.allacademic.com/meta/p108568_index.html] {{Wayback|url=http://www.allacademic.com/meta/p108568_index.html|date=20080131183249}}</ref>
A mídia às vezes pode apresentar uma definição estreita do que significa ser uma menina hoje. Um exemplo comum é a [[Barbie]], boneca popular da [[Mattel]]. O recente "eu posso ser" da Barbie<ref>http://icanbe.barbie.com</ref> incorpora este conceito de "girl power": que meninas podem ser qualquer coisa que elas querem, quando elas crescem. Sem dúvida, a imagem da Barbie também pode reduzir as opções das garotas com quem elas podem se identificar.<ref>{{Citar livro|last1=Lamb|first1=Sharon|last2=Brown|first2=Lyn Mikel|authorlink1=Sharon Lamb|authorlink2=Lyn Mikel Brown|title=Packaging Girlhood: rescuing our daughters from marketers' schemes|publisher=St. Martin's Griffin|location=New York|year=2007|isbn=9780312370053}}</ref>
{{feminismo}}
{{Portal3|feminismo|cultura}}
 
[[Categoria:Estudos culturais]]
[[Categoria:Teoria feminista]]
102 680

edições