Abrir menu principal

Alterações

4 bytes adicionados ,  15h32min de 20 de novembro de 2017
sem resumo de edição
| image3 = Bulgarian king Omurtag sends delegation to Byzantine emperor Michael II from the Chronicle of John Skylitzes.jpg
| alt3 =
| caption3 = [[OmurtagOmortague da Bulgária|OmurtagOmortague]] {{nwrap|r.|814815|831}}, governante da [[Primeiro Império Búlgaro|Bulgária]], envia uma delegação para o imperador bizantino {{Lknb|Miguel|II, o Amoriano}} {{nwrap|r.|820|829}}.
}}
Após a queda de [[Roma]], o principal desafio do Império Bizantino foi manter um conjunto de relações entre ele próprio e seus diversos vizinhos, incluindo os povos germânicos, [[georgianos]], [[Reino da Ibéria|ibéricos]], [[búlgaros]], [[eslavos]], [[armênios]], [[hunos]], [[ávaros]], [[francos]], [[lombardos]] e [[árabes]], que incorporou e assim manteve seu estatuto imperial. Todos estes vizinhos não dispunham do recurso chave que Bizâncio havia assumido a partir de Roma, uma estrutura legal formalizada. Quando eles começaram a forjar instituições políticas formais, eram dependentes do império. Enquanto que escritores clássicos gostam de fazer uma distinção nítida entre paz e guerra, para os bizantinos a diplomacia era uma forma de guerra por outros meios. Antecipando [[Nicolau Maquiavel]] e [[Carl von Clausewitz]], o historiador bizantino [[João Cinamo]] escreve, "uma vez que muitos e diversos assuntos levam em direção a um fim, vitória, é uma questão de indiferença que se usa para alcançá-la." Com um exército regular de 120.000-140.000 homens após as perdas do {{séc|VII}},{{harvref|Gabriel|2002|p=281}}{{harvref|Haldon|1999|p=101}} a segurança do império dependia de diplomacia ativista.