Diferenças entre edições de "Diamantina"

255 bytes removidos ,  17h02min de 15 de janeiro de 2019
m
ajuste(s), maiusculite, typos fixed: cujo o → cujo, Espiritas → Espíritas, turistico → turístico
(dados conforme fonte)
m (ajuste(s), maiusculite, typos fixed: cujo o → cujo, Espiritas → Espíritas, turistico → turístico)
Diamantina foi fundada como Arraial do Tejuco em 1713, com a construção de uma capela que homenageava o [[Santo António de Lisboa|padroeiro Santo Antônio]]. A localidade teve forte crescimento quando da descoberta dos Diamantes em 1729. Em fins do século XVIII era a terceira maior povoação da Capitania Geral da Minas, atrás da capital Vila Rica, hoje [[Ouro Preto]], e com população semelhante à da próspera [[São João del-Rei]]. No século XVIII cresceu devido à grande produção local de diamantes, que eram explorados pela coroa portuguesa. Foi conhecida inicialmente como Arraial do Tejuco (ou Tijuco) (do [[Língua tupi|tupi]] ''tyîuka'', "água podre"<ref>http://www.fflch.usp.br/dlcv/tupi/vocabulario.htm</ref>), Tejuco e Ybyty'ro'y (palavra [[Língua tupi|tupi]] que significa "montanha fria", pela junção de ''ybytyra'' ("montanha") e ''ro'y'' ("frio")<ref name="NAVARRO, E. A. 2005. p.145">NAVARRO, E. A. ''Método Moderno de Tupi Antigo''. Terceira edição. São Paulo: Global, 2005. p.145</ref>. Durante o século XVIII, a cidade ficou famosa por ter abrigado [[Chica da Silva]], escrava alforriada que era esposa do homem mais rico do [[Brasil Colônia|Brasil Colonial]], [[João Fernandes de Oliveira]]<ref name="NAVARRO, E. A. 2005. p.145"/>.
 
Diamantina representou a maior lavra de [[Diamante|diamantesdiamante]]s do mundo [[Mundo ocidental|ocidental]] no [[Século XVIII]], e durante nove anos, a [[Monarquia de Portugal|Coroa Portuguesa]] não tomou conhecimento da descoberta de [[Diamante|diamantesdiamante]]s na região, o que foi feiro pelo governador da [[Capitanias do Brasil|Capitania]], em [[1729]], o então [[Lourenço de Almeida|D. Lourenço de Almeida.]]
 
A resposta de [[Portugal]] foi impor todo controle sobre as regiões diamantíferas das [[Minas Gerais]]. Em [[1734]], foi criada a [[Diamante|Intendência de Diamantes]], cujo o Regimeregime era totalmente controlador e autoritário.
 
O [[monopólio]] da [[Monarquia de Portugal|Coroa Portuguesa]] sobre as jazidas diamantíferas durou até [[1845]].<ref>{{Citar web|url=http://marlivieira.blogspot.com/|titulo=GEOGRAFIA EM FOCO|acessodata=2018-11-29|obra=marlivieira.blogspot.com|lingua=pt-BR}}</ref>
 
=== Hidrografia ===
Em razão do terreno irregular, os cursos d´águas formam pequenas e grandes [[Queda de água|quedas d´águas]] e [[Piscina natural|piscinas naturais]] de grande interesse turisticoturístico,entre as quais se destacam o [[Rio Jequitinhonha]], o [[Ribeirão das Pedras (Minas Gerais)|Ribeirão das Pedras]] e o Ribeirão do Inferno.
 
Os mais bonitos e cristalinos [[Rio|riosrio]]s, ficam no [[Parque Estadual do Biribiri|Parque Estadual do Biribirí]], na qual se destatacam, grandes cachoeiras, como:
 
=== Parque e biodiversidade===
 
==== Vegetação ====
A Vegetação nativa é a [[Catinga-de-mulata|caatinga arbórea]] ou herbácea. Também existe alguns vestígios de [[Cerrado]] na região, representada por [[Árvore|árvoresárvore]]s de baixo porte e tortuosas. Considerando que na região em algumas áreas há uma grande [[Água|fixação de água]].<ref>{{Citar web|url=http://www.descubraminas.com.br|titulo=SENAC Minas Gerais - DescubraMinas|acessodata=2018-11-29|obra=www.descubraminas.com.br|ultimo=http://www.bolt.com.br|primeiro=Bolt Brasil -}}</ref>
 
==== Parque Estadual do Biribiri ====
===== Cachoeira da Sentinela =====
 
Possui as [[Água|águaságua]]s mais cristalinas do [[Parque Estadual do Biribiri|Parque,]] formando poços ideais para banho, ao desaguar seu [[córrego]] forma pequenas cascatas.<ref name="descubraminas.com.br">{{Citar web|url=http://www.descubraminas.com.br/Turismo/ParqueApresentacao.aspx?cod_destino=826|titulo=SENAC Minas Gerais - DescubraMinas|acessodata=2018-12-01|obra=www.descubraminas.com.br|ultimo=http://www.bolt.com.br|primeiro=Bolt Brasil -}}</ref>
 
===== Cachoeira dos Cristais =====
Formada por três quedas, tem uma história curiosa: no [[século XIX]], sua forma foi modificada. O curso do [[rio]] que dá origem á [[Queda de água|cachoeira]], foi desviado por [[Garimpo|garimpeiros]], afim de facilitarem seus trabalhos de [[Mineração|extração]].<ref>{{Citar web|urlname=http://www."descubraminas.com.br"/Turismo/ParqueApresentacao.aspx?cod_destino=826|titulo=SENAC Minas Gerais - DescubraMinas|acessodata=2018-12-01|obra=www.descubraminas.com.br|ultimo=http://www.bolt.com.br|primeiro=Bolt Brasil -}}</ref>
 
== Demografia ==
|5.729
|-
|Denominações EspiritasEspíritas
|684
|}
=== Desenvolvimento Humano - IDH ===
[[Ficheiro:Casa Histórica desabada.jpg|thumb|miniaturadaimagem|direita|Sobrado Histótico que desabou, na Rua Padre Bartolomeu Sipólis]]
Apesar de estar encrustada no [[Vale do Jequitinhonha]], [[Diamantina]] é hoje a 3ª cidade com maior custo de vida para se morar em [[Minas Gerais]], tal custo de vida é puxado pelo [[turismo]]. <ref>{{Citar Web|url=https://maisminas.org/cidades-mais-caras-de-se-morar-em-mg/|título=Cidades mais caras para se morar em Minas Gerais}}</ref>.
 
{| class="wikitable"
|0,632
|}
 
 
 
== Subdivisões ==
 
== Economia ==
O perfil da [[economia]] da cidade mudou muito rápido devido à forte expansão da [[Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri]] no fim da primeira década de [[2000]], que acabou por se tornar o motor da economia do município, possuindo 26 cursos de graduação, 23 cursos de pós graduação e cerca de 1200 servidores <ref>http://antigo.ufvjm.edu.br/noticias.html?lang=ovxcminhjegvf&start=1300</ref> e 12000 alunos. A sociedade diamantinense, até certo ponto tradicional, ainda encontra dificuldades em se adaptar à nova dinâmica imposta pela chegada de uma população jovem e com diminutas “raízes” com as tradições locais.<ref> http://diamantina.cedeplar.ufmg.br/2012/arquivos/O%20Munic%C3%ADpio%20de%20Diamantina%20e%20os%20Impactos.pdf </ref>
 
Entretanto, a economia de Diamantina ainda está muito ligada ao turismo, a maior parte do intenso fluxo turístico focado na arquitetura e importância histórica, o município possui um rico e variado ecossistema em seu entorno, com cachoeiras, trilhas seculares e uma enorme área de mata nativa, que teve a felicidade de ser protegida com a criação de Parques Estaduais.<ref>[http://www.montesclarosecoturismo.com.br/diamantina.html]</ref>
 
=== Turismo ===
Apesar do grande número de turistas, a infraestrutura para receber visitantes é considerada inferior à de [[Ouro Preto]], a primeira cidade no estado a ser reconhecida pela [[Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura|Unesco]], e na capital de Minas, [[Belo Horizonte]]. Um grande gargalo é o trânsito, contando com uma frota local crescente e chegada de muitos carros nos fins de semana.<ref name=em/> Diamantina é também conhecida por suas [[seresta]]s e vesperata, que é um evento em que os músicos se apresentam à noite, ao ar livre, das janelas e sacadas de velhos casarões, enquanto o público assiste das ruas. Um dos grandes impulsos turísticos de Diamantina é o famoso [[Parque Estadual do Biribiri]], com suas águas cristalinas e cachoeiras, entre elas se destaca a Cachoeira das Fadas e a Cachoeira do Telésforo localizadas no distrito de [[Conselheiro Mata]]. Um grande marco histórico e turístico da cidade é o [[Centro Histórico de Diamantina]], que guarda grandes lembranças do [[Colonização do Brasil|tempo colonial]], em destaques por seus grandes e belos casarões e igrejas coloniais que retratam um pouco do [[Século XVIII]]. A cidade ainda se localiza no [[Serra do Espinhaço|Vale da Serra do Espinhaço]], propício para turismo de Diamantina.
 
{{Info/Sítio do Patrimônio Mundial|nome=Centro Histórico de Diamantina|país={{BRA}}|tipo=|critério=ii, iv|id=890|região=[[Anexo:Lista do Patrimônio Mundial no Brasil|Brasil]]|coordenadas=18º14'S 43º36'W|ano=[[1997]]|imagem=[[File:6010156 Diamantina.jpg|thumb|Centro Histórico de Diamantina]]link=http://whc.unesco.org/en/list/890}}
Sendo um dos aeroportos mais altos do [[Brasil]], sendo superado apenas pelo [[Aeroporto de Monte Verde]] em [[Camanducaia]] ([[Minas Gerais|MG]]), e pelo [[Aeroporto de São Joaquim]] em [[São Joaquim (Santa Catarina)|São Joaquim]] ([[Santa Catarina|SC]]). Anteriormente a única campanhia aérea que operava no Aeroporto era a [[TRIP Linhas Aéreas]], que mais tarde veio á ser comprada pela Azul Linhas Aéreas e pouco tempo depois parou de operar.
 
O acesso ao Aeroporto se dá pela rodovia [[BR-367]], estando apenas 4 &nbsp;km de Diamantina.<ref>{{Citar periódico|ultimo=Design|primeiro=Quantum|titulo=Aeroporto de Diamantina pronto para o Voe Minas Gerais|url=http://diamantina.mg.gov.br/aeroporto-de-diamantina-pronto-para-o-voe-minas-gerais/|jornal=Prefeitura Municipal de Diamantina|lingua=pt-BR}}</ref>
 
Atualmente o projeto Voe Minas, oferece voos diretos entre [[Diamantina]] e [[Belo Horizonte]].
 
=== Educação ===
A unidade é uma das que compõe a [[Universidade do Estado de Minas Gerais|Universidade Estadual de Minas Gerais]] (UEMG), abrigando o ensino, a [[pesquisa]] e a expansão na área do [[Direito]].
 
A fundação chegou a oferecer cursos superiores em [[Letras]], [[História]], [[Matemática]] e [[Pedagogia]]. Os cursos são oferecidos nas cidades de [[Diamantina]],[[Araçuaí]],[[Capelinha]],[[Minas Novas]],[[Padre Paraíso]], [[Conceição do Mato Dentro]] e [[Rio Vermelho (Minas Gerais)|Rio Vermelho]].
 
Hoje observa-se que a Unidade Diamantina é constituída somente pela Faculdade de [[Direito|Ciências Jurídicas]] de Diamantina - FCJ.<ref>{{Citar web|url=http://www.uemg.br/unidade.php?id=8|titulo=UEMG - Universidade do Estado de Minas Gerais|acessodata=2018-11-30|obra=www.uemg.br|lingua=pt-br}}</ref>
===Saúde===
==== Santa Casa de Caridade de Diamantina ====
[[Ficheiro:Diamantina_MG_Brasil_-_Santa_Casa_-_panoramio.jpg|miniaturadaimagem|[[Santa Casa da Misericórdia|Santa Casa]] de [[Diamantina]].]]
A [[Santa Casa daMisericórdia|Santa Casa de Caridade]] de Diamantina foi fundada em [[23 de maio|23 de Maio]] de [[1790]], pelo [[Eremita|Ermitão]] José Manoel Jesus Fortes, e é uma instituíção de caráter filantrópico e sem fins lucrativos.Localizada no [[Centro comercial|centro]] da cidade, cumpre seu papel assistencial e se consolida como referência [[Mesorregião do Jequitinhonha|macrorregional]] de média e alta complexidade.<ref>{{Citar web|url=http://www.santacasadediamantina.com.br/index.php/home/quem-somos/74-santa-casa-de-caridade-de-diamantina.html|titulo=Santa Casa de Caridade de Diamantina|acessodata=2018-11-30|obra=www.santacasadediamantina.com.br|lingua=pt-br}}</ref>
 
==== Hospital Nossa Senhora da Saúde - HNSS ====
A Irmandade de [[Nossa Senhora da Saúde]] foi criada em [[9 de abril|9 de Abril]] de [[1901]], a pedido de D. Querunbina Augusta Moreira, esposa do Capitão [[Antônio Moreira da Costa]], o Barão de Paraúna. Ao falecer, ela, sem filhos pede seu marido, que parte de sua fortuna <nowiki>''</nowiki>fosse empregada principalmente em socorrer a [[pobreza]] enferma e desamparada<nowiki>''</nowiki>.<ref>{{Citar web|url=http://www.hnss.org.br/historia/|titulo=História – Hospital Nossa Senhora da Saúde|acessodata=2018-11-30|obra=www.hnss.org.br|lingua=pt-BR}}</ref>
 
Atualmente funciona como [[hospital]], totalmente equipado com [[Médico|médicosmédico]]s e com atendimento [[público]].
 
== Cidades-irmãs ==